Imagem da matéria: Blaze rebate críticas: "Temos o direito de remover saldos obtidos com bônus"
Cassino onloine Blaze virou febre no Brasil (Foto: Shutterstock)

A Blaze publicou nesta terça-feira (20) um longo comunicado falando sobre as polêmicas que envolvem o cassino online e têm movimentado a internet brasileira nas últimas semanas.

A empresa afirma que não existe um esquema na qual influencers ganham por cada perda de cliente, garante não impede os clientes de sacarem – apesar de depoimentos contrários de usuários – e que não irá informar quem são os proprietários da empresa, por questões de segurança. 

Publicidade

Segundo a empresa, os clientes não são impedidos de sacar, mas ressalta que existem vários poréns para essa regra. Um dos pontos onde não é possível saque é o lucro proveniente de apostas feitas com valores dos bônus que a plataforma dá para atrair usuários. 

Em seu vídeo de defesa do cassino, Felipe Neto afirma que os ganhos vindos de jogos desse tipo – não possíveis de serem sacados – têm como objetivo fazer a pessoa conhecer melhor a plataforma. 

Já a Blaze afirma que, como esses bônus são gratuitos, é necessário acrescentar regras para que não sejam utilizados de forma abusiva. “As regras em vigor garantem que podemos continuar a oferecer bônus aos nossos clientes e, consequentemente, proporcionar-lhes uma melhor experiência. Se as regras forem gravemente violadas, reservamo-nos o direito de remover qualquer saldo obtido com o bônus”, diz a empresa.

Empresa na mira

A Blaze se tornou o grande assunto da internet brasileira no final de maio, após explodir de visualizações um vídeo do youtuber Daniel Penin tentando investigar quem são os donos da Blaze e acusando os influencers de receber por cada perda dos clientes no cassino.

Publicidade

Felipe Neto tem sido o mais pressionado pela parceria, e o youtuber fez um vídeo dizendo que não age diferente de outras empresas que aceitam patrocínio de casas de aposta e que irá manter o contrato com a Blaze até uma fraude ser comprovada.

Já existem pelo menos 15 processo judiciais de brasileiros acusando o cassino de roubo. Isso é demontrado em reportagem do Portal do Bitcoin feita em parceria com a rede global de jornalistas que investigam crimes transnacionais OCCRP (Organized Crime and Corruption Reporting Project).

Repasses para influencers com perdas de clientes não ocorrem, diz empresa

Sobre a acusação do youtuber Daniel Penin de que os influencers ganham por cada perda de cliente, a Blaze afirma que “não paga qualquer forma de comissão ou compartilha receitas com os influenciadores por quaisquer perdas incorridas por usuários que tenham encaminhado para a nossa plataforma”. 

A empresa afirma estar registrada em Curaçao, país do Caribe, e que segue todas as leis do país caribenho. A Blaze nega ter qualquer empresa registrada em Delaware, nos Estados Unidos, como foi cogitado por Penin.

Publicidade

Sobre ter uma presença oficial no Brasil, afirma: “A empresa pretende constituir uma empresa brasileira assim que o arcabouço jurídico brasileiro seja finalizado e licenças locais estejam disponíveis”.

Outro tópico abordado são as acusações de manipulação de resultados. Mais especificamente, que a Blaze faz o cliente ganhar no início para ganhar confiança e depois o faz ter várias derrotas. 

“A Blaze.com contrata fornecedores de jogos de renome, como a Evolution Gaming e a Pragmatic Play. Esses fornecedores são líderes do setor, bem-conceituados pelo seu compromisso com a integridade e o jogo justo. Fornecem jogos a muitas das plataformas de jogo online mais populares do mundo, incluindo a Blaze.com”, diz. 

Reclame Aqui

No comunicado, a Blaze também fala sobre as milhares de queixas não respondidas no site Reclame Aqui. A empresa afirma que tem 250 funcionários de suporte que falam português para atender a demanda e que seu chat de atendimento funciona 24 horas, sete dias por semana. 

A Blaze faz tempo que parou de responder no Reclame Aqui, mas nesse comunicado a empresa afirma que irá voltar a atender todos os clientes que se manifestarem por lá. 

Publicidade

Reportagem do Portal do Bitcoin no final do ano passado mostrava que as queixas no Reclame Aqui já eram de grande porte.

“Reconhecemos o valor e a importância de plataformas como o Reclame Aqui, que oferecem outro canal para que os clientes expressem suas preocupações e forneçam feedback. Entendemos que muitos clientes acham que é uma maneira conveniente de se comunicar e é nossa responsabilidade garantir que estejamos disponíveis onde nossos clientes precisam de nós. Com isto em mente, estamos tomando medidas imediatas para garantir uma maior capacidade de resposta às queixas e dúvidas levantadas no Reclame Aqui”, afirma. 

Um acesso no perfil da Blaze no Reclame Aqui nesta terça-feira (20) mostra que a empresa voltou a responder os clientes na plataforma.

O dono da Blaze 

Sobre a polêmica de quem são os donos da Blaze, a empresa afirma que não irá revelar isso por questões de segurança. 

“Não há qualquer intenção de manter sigilo sobre os proprietários da Blaze, mas nas atuais circunstâncias que ditaram a emissão desta declaração e com base na orientação de especialistas em segurança, não é considerado seguro divulgar os nomes de qualquer acionista individual da Blaze.com neste momento”, afirma.

Dono do domínio no Brasil

O dono do domínio blaze.com.br, que redireciona a pessoa para o site oficial do cassino, é o brasileiro Erick Loth Teixeira.

Publicidade

O Portal do Bitcoin entrou em contato via e-mail, e Teixeira se pronunciou: “Informo que não sou dono da Blaze. Apenas fui contratado pela Blaze, da mesma forma que acontece com os influencers, com a função de acompanhar desempenho de publicidade”.

Teixeira afirma que está sendo ameaçado por sua ligação com a Blaze.

“Me pediram para colocar o domínio em meu nome e não vi problema nenhum nisso porque ele só redireciona, não recebo nada por esse redirecionamento. Estou sendo atacado injustamente por causa de um vídeo publicado que não traz nenhuma verdade, e agora sofro ameaças de vida juntamente com minha família”, continuou na mensagem.

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã
Logotipo do token CorgiAI

Mercado Bitcoin lista token CorgiAI

O ativo é ligado a projeto que usa utiliza inteligência artificial para criar uma comunidade de entusiastas no ecossistema cripto
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode