Imagem da matéria: Bitcoin (BTC) lateraliza e "passinho de siri" pode ser a dinâmica de mês historicamente fraco
Foto: Shutterstock

O Bitcoin lateralizou nos últimos dias, estacionando na faixa dos US$ 46 mil. O mês de janeiro é historicamente uma época de desempenho fraco para o ativo e em 2022 a história parece se repetir.

Segundo dados do Coinmarketcap, o Bitcoin (BTC) é vendido a US$ 46.797 e opera em alta de 0,7% nas últimas 24 horas.

Publicidade

No Brasil, o ativo é vendido a R$ 266.850, conforme o Índice de Preço do Bitcoin (IPB),

O portal americano Coindesk aponta que a média de retorno do Bitcoin nos meses de janeiro de é 3,3% negativos, levando em conta os últimos nove anos.

Da mesma forma, os dados históricos mostram que fevereiro é um mês de recuperação e, portanto, muita atividade pode estar represada e em compasso de espera pela chegada do segundo mês do ano.

Além disso, na terça-feira (4) a U.S Securities and Exchange Comission (SEC), que é a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dos Estados Unidos, anunciou um adiamento de 60 dias para dar uma resposta sobre a possiblidade da criação de um ETF “spot” de Bitcoin.

Esse também pode ser um fator que tenha feito o mercado continuar no movimento lateral.

Em novembro, a SEC rejeitou a solicitação da empresa de investimentos VanEck para lançar um fundo de índice (ou ETF) que rastreia diretamente o preço do bitcoin (BTC).

Publicidade

Altcoins seguem o líder

O mercado parece seguir essa caminhada de siri do Bitcoin, andando mais para o lado do que qualquer outro sentido.

O Ethereum (ETH) opera em alta de 1% e é vendido a US$ 3.826 e a Binance Coin (BNB) registra valorização de 0,3% e o token é cotado a US$ 514.

Valorizações de 0,4% de Solana (SOL), 1% de Cardano (ADA), 1,2% de Polkadot (DOT) e 0,2% de Wrapped Bitcoin (WBTC).

Desvalorizações de 1,3% para Terra (LUNA), 0,7% para Avalanche (AVAX), 0,6% de Dogecoin (DOGE), 0,7% para Shiba Inu, 1,3% para Polygon (MATIC) e 0,4% para Algoraland (ALGO).

Publicidade

Altas relevantes

Dentro do ranking das 20 maiores criptomoedas por valor de mercado, apenas duas descolaram desse torpor momentâneo.

Chainlink (LINK) opera em alta de 9,5% e é vendido a US$ 25.

Além dele, o Uniswap (UNI), que já vinha destoando por crescer com força, mas que teve uma terça-feira ruim, voltou a decolar: alta de 5,2% e cotação de US$ 19.

Bitcoin Cash

O Bitcoin Cash (BCH) registrou uma perda nas últimas 24 horas de 0,5%, mesmo com o mercado lateralizado para cima. A explicação talvez tenha nome e sobrenome: Vitalik Buterín.

O criador do Ethereum disse que na época da criação do ativo, que surgiu como um hard fork do Bitcoin, ele foi um apoiador, mas que hoje classificaria o ativo como um fracasso.

O ativo é vendido a US$ 430 no momento em que este texto é escrito.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin à frente da bandeira de hong kong

Aprovação de ETFs de Bitcoin e Ethereum pode ocorrer segunda em Hong Kong

O esperado aceno regulatório abriria um dos maiores mercados financeiros do mundo para os ETFs de Bitcoin e Ethereum
silhueta de homem com celular e logo da coinbase no fundo

Coinbase entra com recurso contra decisão em caso contra a SEC

Ao interpor o recurso, a Coinbase alega motivos substanciais para divergências de opinião, segundo disse o site The Block citando uma pessoa familiarizada com o caso
Receita Federal, greve, Imposto de Renda, IR 2022

Receita Federal fará consulta pública para atualizar regras de declaração de criptomoedas

Receita Federal quer alinhar a Instrução Normativa 1.888/2019 com o modelo internacional de declaração de ativos digitais
Imagem da matéria: Banco do Brasil e BTG estão entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock

Banco do Brasil e BTG estão entre os maiores detentores do ETF de Bitcoin da BlackRock

Segundo Eric Balchunas, da Bloomberg, as 30 instituições são responsáveis por apenas 0,2% de tudo que o ETF da BlackRock tem