Imagem da matéria: Bitcoin Banco encerra contas de clientes por atitudes "equivocadas e desrespeitosas"
(Foto: Shutterstock)

O grupo Bitcoin Banco, dono das exchanges NegocieCoins e Tem BTC, anunciou que encerrou as contas de alguns usuários em “decorrência de algumas atitudes equivocadas e desrespeitosas”.

A informação foi divulgada pela página do Facebook na empresa no final da noite de terça-feira (24). O comunicado diz também que o grupo trabalha para corrigir os problemas que acontecem. No mesmo texto, pede a “compreensão de todos quando há o atraso de respostas, ou quando as necessidades não são suprimidas na velocidade esperada”.

Publicidade

Por fim, afirma: “Reforçamos que não compactuamos com estes tipos de comportamento”. Não foram especificados, porém quais seriam os comportamentos que levariam a tal punição.

Questionada pelo Portal do Bitcoin sobre quantas contas foram encerradas, a empresa não respondeu ao pedido até a publicação desta reportagem.

Cancelamentos e processo

Em 2018, a corretora NegocieCoins cancelou pelo menos três contas de clientes. Um dos casos ocorreu em junho, com o p2p Guilherme Di Faria, que postou a carta que recebeu da empresa em um grupo do Facebook.

Na ocasião, a corretora não informou o motivo do cancelamento, mas disse que tinha cancelado mais de uma conta: “Não é, portanto, uma prática comum, mas é usada quando necessário, sempre que algum comportamento foge do programa de compliance do Grupo”.

Publicidade

Também no ano passado, o Bitcoin Banco processou um cliente por causa de uma crítica feita no grupo Bitcoin Brasil – O Original. Como consequência da ação, ele teve de fazer uma postagem pública em um grupo do Facebook com um pedido de desculpas.

De acordo com o processo, a empresa entrou com uma ação criminal por crimes de calúnia, injúria e difamação contra Celso Tuzzolo pelos comentários.

Em um acordo firmado em uma audiência preliminar no I Juizado Especial Criminal do Rio de Janeiro no dia 30 de agosto ficou combinado que o cliente (talvez ex-cliente agora) publicaria o “termo de retratação entregue neste ato e alterado de comum acordo pelas partes no prazo de quarenta e oito horas”, conforme explica o processo.

Na época, o advogado Rafael Steinfeld, que defendeu Tuzzolo, disse: “A intenção dele era de externar, como cliente, sua indignação por alguns problemas que tinha sofrido na empresa, mas, no calor do momento, acabou extrapolando em suas palavras. Apesar de a Constituição Federal garantir a liberdade de expressão, a solução consensual é a melhor ferramenta para esse tipo de conflito”.

Publicidade

Já a corretora curitibana, por meio de sua assessoria de imprensa, enviou a seguinte nota: “O Grupo Bitcoin Banco entendeu que o autor ultrapassou a linha da opinião e, portanto, da liberdade de expressão. Ao entendermos que cometeu ofensa e violou o chamado direito da honra objetiva da empresa, tomou-se a decisão de buscar reparação em juízo.

VOCÊ PODE GOSTAR
moeda de bitcoin exposta à frente de fundo escuro

Pesquisadores recuperam senha perdida há 11 anos de carteira com R$ 16 milhões em Bitcoin 

Contratada por um investidor, a dupla Joe Grand e Bruno fizeram engenharia reversa em um software para obter sucesso e restabelecer o acesso a 43,6 BTCs
logo do bitcoin em cima de livro

Goiânia recebe lançamento do livro “101 Perguntas Sobre Bitcoin”

A obra da Editora Portal do Bitcoin escrita pelo engenheiro Breno Brito serve como um guia para compreensão da criptomoeda mais popular do mundo; veja como participar
Vitalik-Buterin-Ethereum

Vitalik explica o motivo dos “Grandes Blocos” terem perdido guerra de escalabilidade do Bitcoin

Criador do Ethereum revisitou a “guerra do tamanho dos blocos do Bitcoin”, repensando sua aliança com o campo “grande bloco”
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte