Os gêmeos Matheus e Renan Mizobe Massi em vídeo no YouTube
Os gêmeos Matheus e Renan Mizobe Massi em vídeo no YouTube (Imagem: Reprodução)

A Binance é a empresa mais citada em casos de gêmeos que não conseguem usar um aplicativo que exija reconhecimento facial. O levantamento é do jornal Folha de S. Paulo, que publicou reportagem sobre o tema no domingo (10).

A reportagem identificou 11 relatos no Reclame Aqui de pessoas que não conseguem acessar suas contas na corretora porque o sistema não consegue diferenciar entre irmãos gêmeos.

Publicidade

Um caso foi especificamente esmiuçado pelo jornal: Renan Mizone Massi contou que o sistema de Binance o confundiu com seu irmão gêmeo, Matheus Mizobe Massi, e não permitiu acesso à conta na corretora. 

A exchange pediu que os dois fizessem um vídeo juntos, cada um com seu documento, para que ficasse provado que eram de fato pessoas distintas. Após um dia, Renan pôde entrar em sua conta. 

Os irmãos Massi são famosos pelo canal “Gêmeos Investem”, que tem mais de um milhão de inscritos no YouTube. Uma reportagem do Portal do Bitcoin contou a trajetória dos irmãos, que afirmam ter se tornado milionários na faixa dos 20 anos.

Os gêmeos Massi são youtubers de mercado financeiro e têm contas em vários bancos, mas nessas plataformas não tiveram problemas. “O problema maior foi esse com a Binance”, afirmou Matheus ao jornal. 

Publicidade

Em resposta, a Binance disse que é uma questão de segurança: “Nossos processos e tecnologias buscam detectar quaisquer documentos falsificados, tentativas fraudulentas de verificação de rosto, comprovante de endereço falso e golpes relacionados a esses tópicos, fazendo uso de Big Data e conhecimento especializado, além de inteligência artificial de ponta”. 

Caso idêntico em dezembro

Um caso idêntico foi contado em reportagem do jornal O Globo no ano passado. A brasileira Rafaella Siqueira foi impedida de criar uma conta na Binance pelo fato de sua irmã gêmea já ter conta na corretora.

A Binance pediu que as duas fizessem um vídeo juntas, mas elas moram em estados diferentes. Rafaella desistiu de fazer uma conta na corretora. 

“Não imaginava que uma instituição internacional como a Binance tivesse esse tipo de problema, de não conseguir distinguir gêmeos. Se a minha irmã já tem conta e enviou a documentação dela, e estou enviando a minha, como seria possível sermos a mesma pessoa?”, disse ela, de acordo com uma publicação do site O Globo.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Dogwifhat cai 15% e lidera perdas de memecoins em meio à lentidão da Solana

Dogwifhat cai 15% e lidera perdas de memecoins em meio à lentidão da Solana

As memecoins da Solana caíram da noite para o dia, enquanto os devs correm para consertar os problemas de congestionamento da rede
Foco em uma moeda dourada de Ethereum (ETH)

ETF de Ethereum tem 50% de chance de ser aprovado em maio, diz JP Morgan

O gigante bancário é o último a reduzir suas expectativas em relação à revisão das propostas da SEC para oferecer fundos vinculados ao preço do ETH
Imagem da matéria: PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

PF prende hacker que vendia dados de 223 milhões de brasileiros por criptomoedas

“Vandathegod” foi responsável pelo maior vazamento de dados da história do Brasil
Imagem da matéria: Importação de criptomoedas no Brasil dobra e chega a R$ 14 bilhões no 1º bimestre

Importação de criptomoedas no Brasil dobra e chega a R$ 14 bilhões no 1º bimestre

Dados do Banco Central mostram que a importação de criptoativos saltou de US$ 1,4 bilhão no primeiro bimestre de 2023, para US$ 2,9 bilhões no início deste ano