Presidente do Banco Central Roberto Campos Neto falando diante de um microfone
Roberto Campos Neto, presidente do BC (Foto: Wikipédia)

O Banco Central pretende apresentar um projeto de lei para regular a atuação de corretoras no mercado de criptomoedas. A informação foi divulgada pelo presidente Roberto Campos Neto durante audiência nesta terça-feira (31) na Câmara dos Deputados (assista mais abaixo).

“No nosso PL a gente vai começar a regular as corretoras. Antes não estava sob regulação do Banco Central. Agora nós vamos regular as corretoras. E regulando as corretoras a gente vai saber se tem lastro ou não. Também vamos pedir que as corretoras tenham uma sede no Brasil”, disse Campos Neto.

Publicidade

O executivo se refere a lastro como a quantia suficiente de criptomoedas para honrar os certificados de compras feitas pelos clientes.

Enquanto o presidente falava, o deputado Celso Russomano (Republicanos/SP) o interrompeu e pediu que fosse determinado de forma obrigatória que as corretoras tenham sede no Brasil. Campos Neto então concordou que essa será um ponto inegociável do projeto.

Hoje, corretoras estrangeiras como a Binance não tem sede no Brasil. Conforme reportagem do Portal do Bitcoin, a exchange tem um novo CNPJ no Brasil desde o dia 4 de fevereiro deste ano. O documento mostra que a empresa se apresenta como domiciliada no exterior — especificamente em Dublin, capital da Irlanda.

Trata-se do segundo CNPJ relacionado à empresa. Em abril, com esse mesmo registro, a Binance entrou com sócia da B Fintech — uma empresa fundada no Brasil que tinha como sócio o CEO da exchange, Changpeng “CZ” Zhao. Conforme os documentos, ele agora se retirou da sociedade.

Publicidade

Recentemente, Campos Neto esteve reunido com representantes da Binance no dia 13 de maio. O objetivo foi tratar de “assuntos institucionais”, segundo agenda divulgada pela instituição.

Abaixo o vídeo com a fala do presidente do BC (o trecho sobre criptomoedas começa após uma hora e 28 minutos do início do vídeo):

Tramitação

O executivo lembrou que já existe um PL na Câmara, já aprovado pelo Senado e em regime de urgência, que visa ser o marco regulador do setor.

“Nós gostamos das duas versões [a que foi para o Senado e a que voltou para a Câmara]. A gente ainda vai ter um outro projeto em cima desse, para melhorar”, disse.

Publicidade

Normalmente, em Brasília, após uma lei mais geral estabelecer o marco regulatório sobre determinado setor, o órgão apontado como regulador elabora junto ao Governo um projeto mais específico com os detalhes do tema.

Em geral, o Governo então repassa o texto para alguma liderança no Senado ou Câmara o apresentar como projeto de lei.

No caso do PL que está na Câmara, o texto atribui ao Poder Executivo o poder de apontar qual órgão irá regular o tema – a expectativa é que seja justamente o Banco Central, pela expertise que já possui no setor de criptomoedas.

Na terça-feira. o Banco Central anunciou que adiou para 2023 os testes do real digital, a CBDC (Moeda Digital Emitida por Banco Central, segundo a sigla em inglês) nacional cujo projeto-piloto deveria começar no segundo semestre deste ano. O atraso foi revelado por Fábio Araújo, economista do BC e responsável na instituição por coordenar o projeto.

“Tínhamos a intenção de começar o [teste] piloto talvez ainda no final deste ano, mas a greve atrasou bastante o cronograma”, explicou Araújo. A greve a que se refere é a dos servidores do Banco Central, que reivindicam reajuste salarial de 27% e reestruturação de carreira. Nesta terça-feira (31), a classe aprovou em assembleia dar continuidade à greve por tempo indeterminado.

Publicidade

Custódia e stablecoins

Campos Neto tocou em um ponto muito debatido na comunidade, a custódia: que a posse das criptomoedas só é de fato da pessoa se ela tem também a senha criptográfica que dá acesso a um endereço que se relaciona com a blockchain.

Quando a criptomoeda está com a corretora, o cliente tem um certificado afirmando que possui direito sobre um ativo específico. E essa questão da custódia é para o presidente do BC um grande problema, não só brasileiro, mas mundial.

“Hoje você pode comprar uma criptomoeda tendo um encryption e guardar num pen drive, em uma digital wallet. Mas não é assim que é feito no Brasil em grande parte. Em grande parte é no Brasil como se fosse uma nota de participação: você comprar uma criptomoeda de uma corretor e recebe um certificado de que tem a criptomoeda, mas você não tem o encryption. Imagina-se que a corretora tenha um lastro para te vender aquela participação sobre um ativo que ela estaria custodiando. O que se notou é algumas corretoras ou não tinham lastro integralmente”, disse.

O executivo relatou que esteve recentemente com o diretor de uma grande corretora de criptomoeda e externou a preocupação da concentração da custódia de criptomoedas (segundo o presidente do BC, quatro empresas controlariam 80% do mercado mundial). Provavelmente, Campos Neto se referiu à própria conferência com a Binance.

Por fim, Campos Neto falou também da preocupação que critpomoedas algorítmicas representam para o mercado. O presidente do BC citou nominalmente o crash do projeto Terra.

“Uma preocupação que temos é com esses criptoativos que são interligados por algoritmos. A gente viu agora o Terra LUNA um exemplo de um criptoativo que virou zero em algumas horas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Arte digital mostra mãos operando um celular que projeta moedas

Como declarar tokens de utilidade no Imposto de Renda 2024?

Entenda como declarar os utility tokens, ativos que dão acesso a serviços específicos
Vitalik Buterin na ETH Taipei 2024. Foto: Rug Radio

Como o fundador do Ethereum, Vitalik Buterin, mantém suas criptomoedas seguras

“Descentralize sua própria segurança”, diz Buterin – mas ele não usa uma cold wallet para suas próprias criptomoedas
Imagem da matéria: Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do "Rei do Bitcoin"

Propina paga a Eduardo Requião foi usada para investir na pirâmide financeira do “Rei do Bitcoin”

Nova operação da Polícia Federal visando fraudes no portos do Paraná revelou uma curiosa ligação entre o irmão do Roberto Requião e um dos maiores piramideiros do Brasil
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Governo dos EUA contrata empresa para monitorar a Binance

A Forensic Risk Alliance venceu a disputa contra a Sullivan & Cromwell, que atuou no caso FTX