Imagem da matéria: Banco da África do Sul pode estar reprimindo compra internacional de bitcoin
Foto: Shutterstock

O Banco da Reserva da África do Sul (SARB), que é o banco central do país, pode estar reprimindo discretamente a compra de bitcoin com cartão de débito e crédito, segundo apurou a reportagem do site local MyBroadBand. Isso porque o Absa, banco que pertence ao conglomerado britânico Barclays, vem bloqueando os cartões de crédito de seus clientes que tentam comprar bitcoin, até então, especificamente na corretora Binance.

Segundo a reportagem, ao tentar comprar a criptomoeda por meio de cartão, os usuários têm recebido via SMS a seguinte mensagem:

Publicidade

“Absa: bloqueio temporário habilitado para compras online em cartão de crédito terminando em ** 0000. Você pode desativá-lo através do Absa Online, do Banking App ou ligando para o número no verso do seu cartão”.

No entanto, disse o site, quando o cliente tenta desbloquear seu cartão, o sistema do banco diz que tal operação não está disponível.

A reportagem do MyBroadBand procurou então o suporte do banco Absa para obter informações sobre o caso, quando ouviu de um assistente que aquele tipo de bloqueio passou a vigorar na sexta-feira (18) e que as transações com o Binance estão sendo bloqueadas por não cumprir a regulamentação.

Procurado para comentar o caso, o Absa disse por meio de sua assessoria que o banco estava em conformidade com a regulamentação do banco central. “De acordo com os regulamentos de controle de câmbio do país, a compra de criptomoedas com cartões de débito e crédito não é permitida na África do Sul”, disse a instituição, acrescentando: “Sugerimos que entre em contato com o banco central para obter uma visão mais abrangente”.

Publicidade

Contudo, segundo informou o site, as alegações do Absa vão de encontro ao que a intuição afirmou a um repórter do MyBroadBand há dois anos, que não havia restrições para a compra de criptomoedas com uso de cartão.

Binance diz que não foi bloqueada

A Binance, por sua vez, disse que está totalmente em consonância com as leis da África do Sul e que não foi bloqueada pelo banco Absa. Disse, também, que não sabe o motivo de os clientes estariam com tais dificuldades, mas que acredita que pode sim estar relacionado a alguma nova regra.

“O bloqueio às transações / cartões dos usuários pode estar relacionado à regulamentação do Banco de Reserva da África do Sul e às regulamentações cambiais”, disse e exchange ao MyBroadBand.

A  reportagem apurou ainda que na página de perguntas frequentes do SARB, a instituição confirma que as criptomoedas não têm curso legal e que o seu Departamento de Fiscalização Financeira “não pode aprovar quaisquer transações desta natureza”.

Publicidade

Diz também que a “repatriação de valor para a África do Sul por meio de criptoativos não é permitida como parte de um subsídio discricionário único de um indivíduo e/ou subsídio de capital estrangeiro”.

Procurado pelo MyBroadBand, o SARB não retornou sobre eventuais mudanças de postura acerca das criptomoedas.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: 5 coisas para saber sobre o lançamento do token do Notcoin

5 coisas para saber sobre o lançamento do token do Notcoin

Quando o token NOT será lançado? Qual o futuro para a Notcoin? É melhor fazer stake dos tokens? Preparamos um resumo para você
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe 3% e volta para US$ 63 mil; Toncoin salta 17% com expectativa para lançamento da Notcoin

Manhã Cripto: Bitcoin sobe 3% e volta para US$ 63 mil; Toncoin salta 17% com expectativa para lançamento da Notcoin

Toncoin valoriza com a notícia do lançamento de um dos tokens mais esperados da rede: Notcoin (NOT)
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Bitcoin é uma “forma de arte” e uma moeda de desconfiança, diz filósofo Yuval Noah Harari

O filósofo, no entanto, mostrou desconfiar se realmente o Bitcoin será o futuro do dinheiro como algumas pessoas defendem