Imagem da matéria: Autoridades do Reino Unido banem duas propagandas da corretora Crypto.com
Foto: Reprodução/Crypto.com

A Autoridade de Padrões de Propaganda do Reino Unido (ou ASA, na sigla em inglês) baniu duas propagandas pertencentes à corretora de criptomoedas Crypto.com, de acordo com uma ordem publicada na quarta-feira (5).

As duas propagandas eram anúncios “internos” do aplicativo. O primeiro, de setembro de 2021, aparecia no aplicativo do Daily Mail, um dos jornais britânicos mais populares.

Publicidade

“Compre bitcoin com cartão de crédito agora”, anunciava.

O segundo anúncio, de julho de 2021, apareceu no aplicativo Love Balls, um jogo para celular disponível na App Store do iTunes.

A propaganda inicialmente dizia que usuários poderiam ganhar até 3,5% anualmente em criptomoedas, mas o número aumentou depois para 8,5%.

Entendendo o problema

A ASA tinha cinco preocupações e contestou a Forisgfs UK Ltd (negociada como Crypto.com) em cinco fundamentos. O termo “negociada como” (ou “trading as”) se refere a quando uma empresa opera sob um nome diferente de seu nome de registro.

Essas preocupações incluem o fato de os anúncios serem enganosos porque falharam em ilustrar o risco do investimento; os anúncios foram irresponsáveis e obtiveram vantagem da falta de experiência ou credulidade de clientes; o anúncio no Daily Mail era enganoso, pois falhou em esclarecer limitações para a aquisição de cripto com um cartão de crédito; a afirmação “ganhe até 8,5%” era enganosa; e que a afirmação “ganhe até 8,5%” poderia ser justificada.

Publicidade

Forisgfs UK Ltd afirma que os anúncios foram removidos de forma voluntária após a empresa ficar sabendo das preocupações da ASA.

A Crypto.com afirmou que o primeiro anúncio (no Daily Mail) só promovia a velocidade com que usuários poderiam comprar criptoativos na corretora, afirmando que não era uma propaganda especificamente de criptomoedas.

Em relação ao segundo anúncio, a Crypto.com disse que se referia a uma oferta para usuários que já negociam criptomoedas e, por isso, não estava promovendo criptomoedas em si.

A ASA discordou, afirmando que nenhum dos anúncios incluíam alertas de risco que conscientizariam clientes de que criptomoedas podem perder e ganhar valor.

Publicidade

Além disso, nenhuma das propagandas esclareciam que criptomoedas não são regulamentadas no Reino Unido.

“Concluímos que os anúncios eram enganosos”, disse a ASA.

A notícia surge dias após pessoas terem visualizado uma grande propaganda da Crypto.com com a participação do ator Matt Damon, resultando em uma reação negativa nas redes sociais.

“Não existe ‘ecas’ suficientes no mundo para descrever Matt Damon promovendo um esquema Ponzi”, afirmou Carole Cadwalladr, jornalista do The Guardian.

“Eu não consigo superar o niilismo sem filtro que sugere que o investimento em moedas de cachorrinho é como a chegada à Lua”, afirmou o programador de computação Stephen Diehl.

Este alerta é o mais recente em uma longa lista de ações tomadas pela ASA a anúncios cripto que, até agora, atingiu empresas como Papa John’s, eToro, Coinbase e Arsenal.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance é transferido para prisão subterrânea na Nigéria 

A Justiça transferiu Tigran Gambaryan para presídio após fuga de seu colega da Binance que também estava detido na Nigéria
Imagem da matéria: FBI intima participantes de evento de 2022 após roubo de dev do Bitcoin Core

FBI intima participantes de evento de 2022 após roubo de dev do Bitcoin Core

Dashjr, cofundador do pool de mineração Ocean, teve um montante de Bitcoin roubado que hoje vale mais de US$ 14 milhões
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Como os traders vão lidar com a volatilidade do Bitcoin diante do halving?

A análise on-chain sustenta uma visão otimista, mas grandes bancos preveem mais perdas à frente e os analistas estão divididos
predio com logo da corretora binance

Binance desiste de registro em Portugal e pode voltar à Índia com multa de US$ 2 milhões

Em Portugal, a empresa não conseguiu dar conta de uma série de pressupostos essenciais para o licenciamento da operação a nível nacional, diz mídia local