Imagem da matéria: As lições da crise de 1929 para o momento de baixa das criptomoedas | Opinião
Monumento em Washington dedicado a pessoas que passaram fome durante a crise de 1929

A história fornece ensinamentos que nos ajudam a evitar as mesmas falhas. Assim, apesar do mundo das criptomoedas ser relativamente novo, podemos tirar lições do mercado tradicional para compreender como a economia funciona e prever os possíveis caminhos nas quais os ativos digitais podem seguir.

Um marco importante para o mundo foi a crise de 1929. Esta foi uma das mais graves quedas em todos os mercados. Entender o que a ocasionou e suas consequências pode nos ajudar a compreender também o mundo dos criptoativos.

Publicidade

E é essa a intenção desta leitura: te ajudar a conhecer essa grande crise e relacioná-la ao universo das criptomoedas.

Desde antes da Primeira Guerra Mundial, a economia dos EUA já se destacava. No entanto, foi após aquele combate que o país se firmou como uma potência econômica internacional. 

A década de 1920 foi um período de grande prosperidade econômica e essa parte da história americana ficou marcada pelo crescimento do consumo de produtos, que passou a ser conhecido como “estilo de vida americano”. 

A economia americana se expandiu muito e os EUA se tornaram responsáveis pela fabricação de 42% de todos os produtos do mundo, além de comprarem cerca de 40% das matérias-primas das 15 nações mais comerciais do planeta. Números impressionantes, certo?

Publicidade

Durante os anos de 1923 a 1929, o desemprego nos EUA estava em uma média de 4%, a produção de carros cresceu 33%, o número de empresas instaladas no país aumentou em 10% e o faturamento do comércio aumentou cinco vezes. 

O bom momento encorajou as pessoas a adquirirem bens de luxo e status, como os automóveis mais desejados e eletrodomésticos, que eram novidade na época. Como a obtenção de crédito era simples e não havia regras, muitos se aproveitavam disso para ter uma vida confortável. A alta demanda de produtos fez com que as ações da bolsa de valores subissem de preço.

O grande dilema é que as pessoas se aventuravam a colocar dinheiro nas bolsas porque tinham a ilusão de que os preços só iam aumentar, pois o clima econômico estava esplêndido. Esta era uma pura especulação, numa era de prosperidade forçada e muita euforia. 

Entretanto, como sempre acontece, a tendência de alta não poderia durar para sempre. 

E aí, com salários médios dos trabalhadores sem subir mais e com a produção ainda em aumento, começou a existir um excesso de oferta em relação à demanda. Os consumidores não eram capazes de absorver a quantidade de bens que eram fabricados e as exportações não eram suficientes para manter a boa saúde financeira. 

Publicidade

Sem possibilidade de vender os seus produtos, as empresas começaram a experimentar problemas para sobreviver.

O pânico

Quando as pessoas perceberam que a situação não era sustentável, 12 milhões de ações foram colocadas à venda, criando pânico no mercado, no que ficou conhecido como a Quinta-Feira Negra. 

No início da semana seguinte, um número ainda maior de ações foi ofertado – 33 milhões, o que tornou bilhões de dólares em pó e fez a economia dos EUA desmoronar. 

A incapacidade da população de pagar empréstimos levou ao colapso dos bancos. O Produto Interno Bruto, salário médio e exportações despencaram 50%, o desemprego chegou a 27%, e as terríveis consequências da crise se estenderam de 1929 a 1933. Os efeitos da crise se espalharam por todo o mundo, gerando recessão e desemprego generalizados.

Apesar de todas as tribulações, os EUA conseguiram se restabelecer como a principal potência mundial. Embora existam problemas e dúvidas sobre o futuro, a realidade é que o país continuou seu caminho e mostrou que a crise não foi o “fim do mundo”.

Agora que já falamos bastante sobre a crise, vamos ao que interessa, que é correlacionar isso tudo que vimos com as criptomoedas.

Publicidade

Lições para o momento atual

Um dos vínculos mais evidentes entre a crise de 1929 e os momentos de euforia das criptomoedas é que o motivo do aumento de preços é o mesmo: especulação. E, geralmente, quando há apenas o apelo do crescimento de preço, isso geralmente não termina com um final feliz.

Veja o último mercado de alta, que estava cheio de projetos com milhões de dólares em volume. E muitos deles funcionando como startups, com muitas promessas e pouco uso real.

Mesmo que a tecnologia blockchain seja incrível e seu futuro promissor, quantos destes projetos DeFi que hoje estão falidos você usava em seu dia a dia? Quantos dos seus amigos ou parentes usavam?

Quando você adquire muitos ativos por aí, é para solucionar algum problema real ou é apenas para comprar hoje e vender amanhã mais caro?

E não me entenda mal: acredito no Bitcoin como um ativo autêntico, diferenciado e com probabilidade real de novas máximas históricas com o tempo. Mas tem muita gente que entra só quando o preço está nas alturas, e não pela tecnologia, não é?

Compreende o ponto? O preço de diversos tokens aumentou não porque foram  aplicados em casos de uso real ou trouxeram soluções para nosso cotidiano. A grande parte dos preços aumentou por simples especulação.

Publicidade

E quando começou a haver tokens com promessas de sobra no mercado, da mesma maneira que em 1929, o mercado não conseguiu absorver a oferta. O setor de criptomoedas também não conseguiu, em determinado momento de um passado recente.

Havia um ambiente de muitas stablecoins algorítmicas e serviços oferecendo retornos altos, mas pouca gente para avaliar se um projeto era realmente bom e possuía boas raízes. 

A maior parte das pessoas têm apenas a atitude de escolher o protocolo que oferece mais retorno e deixa o dinheiro lá, como se num toque de mágica tudo fosse aumentar para sempre. Mas a história nos diz que as coisas não são tão simples. 

E as perdas sofridas no mercado cripto em 2022, seja por erros individuais ou coletivos, também passaram a fazer parte da história.

A baixa não dura para sempre

Entretanto, como tudo, o momento de baixa também passará. A boa notícia é que o Bitcoin tende a sair desta turbulência fortalecido. Infelizmente, algumas altcoins não conseguirão resistir e algumas já estão desaparecendo do mercado. A baixa recompensa o que é bom e castiga o não tem fundamentos.

Não temos certeza de quando a temporada de preços pouco atrativos terminará. Porém, alguns fatos são óbvios: como as criptomoedas estão sendo consideradas ativos de alto risco pelo mercado tradicional e tem apresentado alguma correlação com eles, pode ser que a tendência do ecossistema apenas melhore quando os ativos de risco tradicionais recuperarem suas posições.

E como isso pode estar ainda distante, precisamos de paciência. Uma economia em recessão tem mostrado ter efeito direto no mercado de criptografia. Mais que isso, os atores institucionais só devem retornar ao mercado com grande força quando a economia melhorar, e talvez, exigindo regulamentação de ativos como stablecoins de forma mais contundente.

Com certeza, eu sei que o setor cripto não é apenas uma tendência passageira. Embora várias altcoins devam ser extintas, o Bitcoin ainda permanece como a melhor alternativa de dinheiro. E da mesma forma que a depressão de 1929 não perdurou para sempre, o mercado de criptografia também se recuperará.

A pergunta não é se as criptomoedas terão uma nova alta história e sim quando isso vai acontecer. Essa é uma pergunta na qual ninguém tem uma resposta definitiva. Enquanto isso, precisamos nos preparar e aprender mais sobre os ciclos e nuances desse setor. 

Se você leu esse artigo até aqui, parabéns! Esse é um bom sinal de que você se preocupa com a economia das criptomoedas, fundamentos dos projetos e se importa mais do que com apenas a especulação de preços.

Sobre o autor

Fabrício Santos é especialista em blockchain e criptomoedas da Criptomaníacos, contribuindo no setor de conteúdo e pesquisa na empresa desde 2019.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Imagem da matéria: Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

Drenador de carteiras de criptomoedas encerra negócio após roubar mais de US$ 85 milhões

“Alcançamos nosso objetivo e agora, de acordo com o planejado, é hora de nos aposentarmos”, disseram os desenvolvedores do drenador de carteiras cripto
Craig Wright posa para foto

Craig Wright mentiu “extensiva e repetidamente” sobre ser o criador do Bitcoin, diz juiz

“As tentativas do Dr. Wright de provar que ele era/é Satoshi Nakamoto representam um abuso muito sério do processo deste tribunal”, disse o juiz
o que é mineração de bitcoin

Dificuldade de mineração de Bitcoin está despencando, mas por quê?

A redução no preço do Bitcoin, combinada com a diminuição das recompensas de mineração, resulta em menos mineradores e em uma rede menos robusta — pelo menos por enquanto