Apesar de reclamações de clientes, PicPay domina BBB e patrocina lives de artistas famosos

Fintech vive a contradição entre ser elemento intermediário para ações sociais e alvo de reclamações sobre seus serviços

Questionado por clientes, PicPay arrecada R$ 5 milhões com doações em lives
(Foto: Shutterstock)


Além de usarem a fama em prol de ações de combate ao coronavírus, as lives Luan Santana, Ivete Sangalo, Bell Marques e outros artistas possuem outro ponto em comum. Em todas elas o canal para arrecadação de doações era o PicPay, por meio de QR Code lido pelo aplicativo da fintech.

De acordo com O CEO do Picpay, Gueitiro Genso, declarou à revista IstoÉ Gente que a empresa já arrecadou mais de R$ 5 milhões em doações no mês de abril. A fintech criou uma Central de Doações para recebimento e repasse desses recursos.

Para maio, já há outros shows agendados para arrecadação de doações, Jorge e Mateus (02/05) e Wanessa Camargo (03/05).

Embora o PicPay não retenha qualquer valor das doações, a necessidade de ter o aplicativo para realizar as transferências é um elemento que potencializa a base de clientes. A fintech afirma já ter uma base de 14 milhões de usuários.

Live de Ivete Sangalo, que contou com QR Code do PicPay para captar doações contra o coronavírus
Live de Ivete Sangalo, que contou com QR Code do PicPay para captar doações contra o coronavírus.
(Foto: Reprodução/YouTube)

O mesmo sistema vale para as parcerias firmadas com o governo de São Paulo e com a Prefeitura de Duque de Caxias (RJ). Em ambos os casos o PicPay é o intermediário responsável por repassar os recursos relativos a auxílio merenda para estudantes matriculados na rede pública de ensino.

Além dessas ações, o PicPay foi ainda um dos patrocinadores da edição 2020 do Big Brother Brasil, encerrado na segunda-feira (27). O pagamento do prêmio de R$ 1,5 milhão à vencedora, Thelma Assis, será feito por meio da fintech, que também patrocinou a live de Ivete Sangalo.

https://twitter.com/picpay/status/1254571124744126464

Maior exposição e maiores cobranças

Junto com o maior destaque do PicPay no noticiário e nas parcerias, aparecem também mais reclamações sobre os serviços prestados pela empresa de pagamentos.



Um levantamento feito pelo Portal do Bitcoin no portal Reclame Aqui mostrou que nos primeiros 25 dias do mês de abril foram 6.840 queixas — o que representa 62,8% de todas reclamações feitas nos últimos seis meses.

Até março, o PicPay tinha uma média de 60 reclamações por dia. Em abril, no entanto, esse número passou para 266 — um crescimento de 350%. A cada hora são registradas dezenas de novas queixas.

As reclamações têm motivações diversas. Cobranças indevidas ou em duplicidade, problemas com compensação de pagamentos, falhas no estorno de operações e bloqueio de contas e transações estão entre elas.

Vale lembrar que o Reclame Aqui decidiu congelar a reputação das empresas junto à plataforma durante o período de pandemia. Por enquanto, a nota do PicPay é 7,3, considerada boa.

O que diz o PicPay

Após a publicação da reportagem no último sábado, o PicPay afirmou via assessoria de imprensa que seus 1.300 colaboradores “têm trabalhado de maneira incansável para assegurar a melhor experiência aos usuários do aplicativo”.

A empresa também diz que está ampliando o quadro de funcionários para dar conta da estratégia de expansão da base de clientes.

“Com maior robustez de estrutura, será possível prover ainda melhor atendimento. Enquanto isso, o time de relacionamento do PicPay segue à disposição 24 horas por dia para responder o alto volume de mensagens recebidas via redes sociais e chat do aplicativo”.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br