Imagem da matéria: Alta do Bitcoin faz aposta da Tesla, Microstrategy e Square disparar em lucro não realizado
Foto: Shutterstock

A recente valorização do Bitcoin (BTC) que ajuda a criptomoeda manter o seu preço acima do nível dos US$ 60 mil, fez disparar o lucro não realizado de grandes empresas que investiram no ativo no passado, como a Tesla, MicroStrategy, Square e Meitu.

A confiança na criptomoeda que volta a se aproximar do seu recorde de preço de US$ 64 mil, já mostra os resultados. A Tesla, fabricante de carros elétricos do Elon Musk, por exemplo, lucrou US$ 1 bilhão com a sua aposta no BTC em meio à recente alta da moeda, segundo o jornalista Colin Wu.

Publicidade

Em fevereiro, a Tesla comprou US$ 1,5 bilhão em bitcoin, um investimento que aconteceu quando a moeda estava na faixa de preço de US$ 30 mil. Embora tenha vendido uma parcela dos ativos — cerca de US$  272 milhões em BTC — em abril para testar a liquidez do mercado, a empresa está segurando o BTC nas suas reservas desde então, sem realizar lucros.

Outra empresa que também se beneficia com a alta é a MicroStrategy do empresário e maximalista do bitcoin, Michael Saylor. Diferentemente da Tesla e das outras companhias que possuem criptomoedas no portfólio, a MicroStrategy compra BTC de forma periódica, independente se o mercado estiver em alta ou em um momento de correção. 

Na semana passada, a empresa comprou mais 5.050 BTC quando o ativo estava valendo US$ 48 mil. Atualmente, a MicroStrategy possui 114.042 BTC em caixa, um montante que custou US$ 3,1 bilhões para ser comprado. Agora que o preço do ativo se mantém acima de US$ 60 mil, a quantidade de bitcoin em dólar é equivalente a US$ 6,8 bilhões. 

Ou seja, a MicroStrategy mais que dobrou o seu dinheiro investido no criptoativo e agora desfruta de um lucro não realizado de US$ 3,7 bilhões.

Publicidade

Square e Meitu

A Square, empresa de pagamentos de Jack Dorsey, o criador do Twitter e grande entusiasta do bitcoin, é outra organização que apostou na criptomoeda no passado. 

A Square comprou 4,709 bitcoins por US$ 50 milhões pela primeira vez em outubro do ano passado, e em fevereiro deste ano, comprou mais 3,318 BTC por US$ 170 milhões. Desse modo, o investimento de US$ 220 milhões que a empresa fez no criptoativo já dobrou e hoje vale cerca de US$ 481 milhões.

Outras companhias fora dos EUA também estão vendo aumentar o seu lucro não realizado por ter investido no bitcoin anteriormente. A Meitu, uma empresa de software listada em Hong Kong, comprou o equivalente a US$ 90 milhões em Ethereum e Bitcoin no início do ano.

Embora a maior parcela da compra tenha sido em ether —  US$ 50,4 milhões em ETH e US$ 39,5 em BTC — a Meitu justificou o investimento na época dizendo que as criptomoedas “têm amplo espaço para apreciação em valor”. A estratégia já garante a empresa um lucro não realizado de US$ 50 milhões, conforme escreveu Colin Wu.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: O que reguladores e exchanges estão fazendo para melhorar a confiança no mercado cripto

O que reguladores e exchanges estão fazendo para melhorar a confiança no mercado cripto

Entre propostas como segregação patrimonial e prova de reservas, exchanges prometem segurança de diferentes formas enquanto o mercado aguarda a regulação
Imagem da matéria: Solana lança atualização para aliviar problema de congestionamento da rede

Solana lança atualização para aliviar problema de congestionamento da rede

“Esta versão contém melhorias que ajudarão a aliviar o congestionamento contínuo na Rede Solana”, afirmou a conta de atualização do projeto
Moedas douradas à frente de bandeira do Brasil

Fundos de criptomoedas têm semana negativa, mas Brasil registra entrada de R$ 15 milhões

Brasil segue momento positivo para fundos de criptomoedas, enquanto produtos ao redor do mundo têm semana negativa com queda dos preços
Imagem da matéria: Corretoras batem recorde de negociações enquanto suas reservas de Bitcoin despencam

Corretoras batem recorde de negociações enquanto suas reservas de Bitcoin despencam

A alta das criptomoedas em março resultou em um recorde de negociações e queda drástica das reservas de Bitcoin das corretoras