Imagem da matéria: Empresa chinesa Meitu compra mais US$ 49 milhões em Bitcoin e Ethereum
(Foto: Shutterstock)

A empresa chinesa de tecnologia Meitu anunciou nesta quarta-feira (18) que comprou ainda mais Ethereum e Bitcoin – elevando seu total de criptomoedas para cerca de US$ 90 milhões.

A Meitu, que fabrica smartphones e aplicativos para selfies, abocanhou US$ 22 milhões em Ethereum e US$ 17,9 milhões em Bitcoin no início deste mês. Agora ela comprou mais US$ 28,4 milhões em Ethereum e US$ 21,6 milhões em Bitcoin.

Publicidade

“Até a data deste anúncio, o Grupo acumulou uma compra líquida de aproximadamente US$ 90 milhões em criptomoedas”, disse a empresa em um comunicado.

A Meitu é a empresa de tecnologia mais recente a fazer uma grande compra de criptomoeda enquanto o valor dos maiores ativos digitais continua a disparar. O preço do Bitcoin explodiu desde que o COVID-19 abalou as economias em todo o mundo: hoje está sendo negociado perto dos US$ 60 mil – um aumento de mais de 1.000% em um ano. Não foi uma recuperação ruim após a devastadora queda da moeda em março de 2020.

Sua recuperação se deve, em grande parte, às empresas que estão investindo pesado na moeda. A MicroStrategy foi a primeira, com seu CEO, Michael Saylor, pregando o ativo como “ouro digital” em meio a uma economia ainda em recuperação e políticas monetárias inflacionárias por parte do Banco Central dos EUA. A empresa agora detém mais de US$ 5 bilhões em Bitcoin.

A compra foi logo seguida pela empresa de pagamentos Square, que colocou US$ 50 milhões na moeda ainda em outubro. No início deste ano, a Square aplicou outros US$ 170 milhões em Bitcoin.

Publicidade

A montadora Tesla é a mais recente gigante a investir. Em fevereiro, a empresa concluiu uma compra de US$ 1,5 bilhão em bitcoin, o que fez o preço do bitcoin disparar mais ainda.

E a Meitu, sediada em Fujian, está seguindo o exemplo. A empresa comprou o adicional de 16.000 Ethereum e 386 Bitcoin porque acredita que as criptomoedas “têm amplo espaço para apreciação em valor”.

A empresa acrescentou que alocar parte de seu caixa em Bitcoin e Ethereum é útil como uma alternativa ao dinheiro, que está “sujeito a depreciação”, de acordo com a empresa, ecoando comentários de Saylor da MicroStrategy, que argumentou o mesmo.

Meitu também disse que a tecnologia blockchain, embora ainda jovem, “tem o potencial de levar disrupção aos setores financeiro e de tecnologia existentes”.

Publicidade

Mas a empresa acrescentou que sabe que o Bitcoin e o Ethereum são propensos a oscilações de preços.

“Apesar das perspectivas de longo prazo, os preços das criptomoedas em geral ainda são altamente voláteis e, portanto, o Conselho decidiu investir nas duas maiores criptomoedas por capitalização de mercado, Ether e Bitcoin, que o Conselho acredita que devem aumentar o valor do acionista no longo prazo ”, dizia a declaração.

Ele avisou que não há “nenhuma garantia quanto ao momento, quantidade, tipo ou preço de quaisquer criptomoedas a serem compradas ou vendidas” de acordo com o plano de investimento da empresa. “

A Meitu, fundada em 2008, lançou a maior oferta pública inicial de Hong Kong em 2016, quando foi listada na bolsa de valores.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Herdeiro paga R$ 2,2 milhões em Bitcoin para resgatar vítima de sequestro em Petrópolis, mas é enganado

Ao todo, vítima gastou quase R$ 5 milhões nos pagamentos: além do envio de Bitcoin, foram 40 depósitos bancários
Ilustração de baleia nadando com moeda de bitcoin em seu interior

Baleia movimenta R$ 321 milhões em Bitcoin pela 1ª vez em uma década

Quando o investidor desconhecido adquiriu os bitcoins em 2013, a cotação do ativo não passava de US$ 120
Moedas de Bitcoin sobre mesa espelhada

Análise: o preço do Bitcoin está novamente sendo ditado pela política do Fed

“Análise dos últimos 40 dias revela uma maior alinhamento com as expectativas de taxa de juros para junho”, diz firma de análises CoinShares
moeda de Bitcoin ao lado de letreiro com ETF

Estado dos EUA investe R$ 510 milhões em ETF de Bitcoin da BlackRock

O investimento foi confirmado hoje pelo Conselho de Investimentos do Estado de Wisconsin (SWIB)