Glaidson Acácio dos Santos, o "Faraó do Bitcoin" falando em vídeo
Glaidson Acácio dos Santos, o “Faraó do Bitcoin” (Foto: Reprodução)

A Associação Nacional Centro da Cidadania em Defesa do Consumidor e Trabalhador (Acecont), entidade com sede no Rio de Janeiro, entrou com uma ação coletiva no Tribunal de Justiça do Rio (TJ-RJ) contra a GAS Consultoria e empresas ligadas ao ‘Faraó do Bitcoin’ Glaidson dos Santos e sua esposa Mirelis Zarpa. As informações são do jornal O Globo, que teve acesso aos autos.

No processo, registrado na 2ª Vara Empresarial da Capital na última terça-feira (1º), a Acecont pede R$ 17 bilhões, que representam o montante total aportado por cerca de 300 mil clientes da GAS Consultoria em âmbito nacional.

Publicidade

As empresas alvo são GAS Assessoria & Consultoria Digital EIRELI; GAS Consultoria e Tecnologia LTDA; e MYD Zerpa Tecnologia EIRELI, conforme levantamento do Portal do Bitcoin.

Segundo O Globo, os advogados que trabalham no processo criminal que corre na 3ª Vara Federal Criminal do consideram que o montante bloqueado na Justiça até o momento, cerca de R$ 300 milhões, não é o suficiente para cobrir o ressarcimento aos clientes lesados. 

“O pagamento urgente aos clientes se revela necessário, tendo em vista que somente a devolução do capital dos consumidores não será de molde a estancar as dívidas celebradas até a presente data, e os efeitos sociais e econômicos são gigantescos e avassaladores”, diz um trecho do processo.

“Estamos falando de pessoas extremamente prejudicadas, que necessitam com urgência do dinheiro”, comentou no processo a advogada Renata Mansur Fernandes Bacelar, que assinou o documento juntamente com a advogada Mayra Vieira Dias e os advogados David Alfredo Nigri e Jorge Alexandre Calazans Bahia

Publicidade

GAS Consultoria

Glaidson Acácio dos Santos, que está preso por suspeita de fraude contra o sistema econômico, também é investigado por tentativa de homicídio contra um concorrente da GAS Consultoria.

Além do ex-garçom, são alvos de investigação da Polícia Civil do Rio e Polícia Federal a esposa de Santos, a venezuelana Mirelis Zerpa, Michael Magno de Souza, conhecido como “corretor das celebridades”, dentre outros.

O negócio criado por Glaidson consistia em oferta de investimentos em supostas operações com criptomoedas cujo rendimento prometido era na casa dos 10% ao mês.

A CVM viu indícios de crime contra a economia popular e denunciou a empresa ao Ministério Público que deu andamento no processo.

Publicidade

A Operação Kryptos foi deflagrada em decorrência de denúncias da CVM e Ministério Público. Em sua primeira batida, encontrou na casa de Glaidson várias malas de dinheiro, carros de luxo, joias e 591 bitcoins. No mês passado, a Justiça negou pela segunda vez o pedido de habeas corpus do ex-garçom.

VOCÊ PODE GOSTAR
Moeda de Ethereum na frente de gráfico

Manhã Cripto: Ethereum sobe 2,6% e flerta com US$ 4 mil; PEPE bate novo recorde

Com ganhos de 10% no dia, PEPE foi capaz de atingir um novo preço recorde de US$ 0.000017
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Tigran Gambaryan, chefe de compliance da Binance, posa para foto

Executivo da Binance preso na Nigéria vai parar no hospital após desmaiar em julgamento

O executivo da Binance Tigran Gambaryan passou mal durante seu julgamento na Nigéria e precisou ser hospitalizado