Imagem da matéria: A blockchain Solana e a criptomoeda SOL
Foto: Shutterstock

Na atual conjuntura do mercado de criptomoedas, várias altcoins têm ganhado destaque entre os investidores. Uma delas é a SOL, da blockchain Solana, que vem apresentando uma alta considerável em relação ao Bitcoin.

A seguir, veremos as características principais da plataforma Solana. Discutiremos, também, as novidades supostamente responsáveis pela alta recente na cotação de sua moeda nativa.

Publicidade

Este artigo traz informações suficientes para que novos investidores, interessados em adicionar SOL ao portfólio, possam tomar suas decisões iniciais com mais segurança.

Origem e história da blockchain Solana

A ideia da plataforma Solana foi originalmente concebida por Anatoly Yakovenko, em 2017. A motivação por trás dessa criação foi a de solucionar os problemas de escalabilidade que existem nas redes Bitcoin e Ethereum. Anatoly se uniu a Eric Williams e Greg Fitzgerald para a consolidação do projeto, que já atraiu vários investidores de peso.

O lançamento oficial da blockchain Solana aconteceu em março de 2020, através da Fundação Solana, sediada em Genebra, na Suíça.

No ano de 2021, a plataforma lançou um round de arrecadação de fundos, que deveria ter sido concluído no mês de março. No entanto, devido à demanda do público, o round foi continuado. O objetivo atual está na margem entre 300 e 450 milhões de dólares.

Publicidade

O objetivo principal é que esses fundos sejam utilizados para transformar a Solana em uma plataforma que compita diretamente com a Ethereum, ao oferecer um ambiente para desenvolvimento de aplicativos descentralizados (dApps) superior e mais eficiente. No momento, a Solana conta com mais de 150 projetos de dApps. Dentre eles está a Serum, uma corretora descentralizada (DEX).

Propriedades e funcionamento da rede

Solana é uma blockchain com conceito Web-Scale IT. O conceito se baseia em software e hardware de arquitetura x86, que traz as vantagens de ser altamente escalável e de ter manutenção simples. A rede possui, atualmente, um tempo de bloco de 400 ms e o valor de 50.000 TPS (transações por segundo).

A arquitetura permite que a taxa de transações escale proporcionalmente à largura da banda, mantendo-se as propriedades da blockchain de segurança e descentralização. O sistema pode alcançar 710.000 TPS, em uma rede Gigabit padrão, e 28,4 milhões TPS em uma rede de 40 Gigabit.

O mecanismo de consenso utilizado é uma inovação: ao invés do tradicional PoW (Prova de Trabalho) de Bitcoin e Ethereum, a Solana usa uma combinação de PoH (Prova de Histórico) e PoS (Prova de Participação).

Publicidade

O sistema de Prova de Histórico foi inventado por Anatoly Yakovenko. Ele cria registros que provam que determinado evento ocorreu em um dado momento. Já o sistema de Prova de Participação é responsável por monitorar os processos do PoH, validando cada uma das sequências de blocos. Ele também mantém o registro da ordem de acontecimentos e do horário unificado da rede.

A alta escalabilidade e a velocidade operacional decorrem da utilização de uma série de protocolos e do algoritmo PoH, que é uma Função Delay Verificável (VDF) de alta frequência. Cada transação ou evento é verificado pela função através de um número específico de etapas sequenciais, recebendo um hash com um contador único. O hash funciona como um carimbo criptográfico de data e hora, permitindo a verificação pública de quando o evento ocorreu.

Atualizações recentes

Após a implementação de contratos inteligentes e recursos para o desenvolvimento de DeFi, a Solana lançou um mercado para NFTs em 2 de junho deste ano. Denominado Marketplace Metaplex, ele permite que artistas e usuários independentes gerem NFTs e façam leilões, a preços mais acessíveis que os da rede Ethereum.

No fim de abril, o primeiro projeto de jogo NFT da Solana foi lançado: Star Atlas, um jogo tipo MMORPG de exploração espacial. O projeto foi bastante aguardado e busca contribuir, com um pontapé inicial, para a disseminação de NFTs na plataforma.

No dia 3 de junho, a Fundação Solana anunciou seu projeto mais recente. Trata-se do acelerador Solverse, uma parceria com 21 especialistas de desenvolvimento no setor de blockchain. O Solverse busca fortalecer a rede e agregar recursos e serviços para apoiar projetos de alto potencial na Solana.

Publicidade

Há também projetos DeFI, como o Kin, que cogitam uma migração para a rede Solana. Esse projeto se iniciou na Ethereum, mas as promessas de escalabilidade da Solana têm sido mais atrativas quando comparadas à velocidade de desenvolvimento da Ethereum 2.0.

A criptomoeda SOL

A SOL é a criptomoeda nativa da blockchain Solana. O token pode circular entre os nós da rede em decorrência da execução de programas on-chain ou de uma validação de saída. A quantidade de SOL em circulação é de 260 milhões, sendo que o limite de emissão de moedas foi fixado em 489 milhões.

A sua cotação é influenciada pelos desenvolvimentos recentes da rede: começou o ano a US$2, e chegou a ser negociada a US$43 na semana passada, segundo o CoinMarketCap. É a maior cotação desde 19 de maio, quando caiu de US$56 para US$35 em um único dia.

A valorização recente tem sido considerável, tendo-se em vista o momento de estagnação do Bitcoin. Só na última semana, a moeda subiu 48%. No ranking de capitalização de mercado, a criptomoeda SOL está na 13ª posição, com US$ 10 bilhões em valor de mercado.

O token SOL pode ser negociado nas principais corretoras. O maior volume de negociação SOL/USDT ocorre na corretora Binance, ficando a OKEx em segundo lugar.

Conclusão

A criptomoeda SOL é, sem dúvida, um ativo de alto interesse, mas cujo investimento traz riscos, assim como todo ativo, especialmente no mercado de criptos.

Publicidade

Uma parte da comunidade tem chamado a Solana de “Matadora do Ethereum”. Isso se deve aos altos investimentos na transformação da plataforma na principal rival para desenvolvimento de dApps e ecossistemas DeFi. Tais investimentos têm dado resultado, que se refletem na alta da cotação do SOL. Contudo, a capitalização de mercado ainda é de apenas 16,7% da capitalização do ETH.

Além disso, outros projetos já foram denominados “matadores de Ethereum” antes. Contudo, nenhum conseguiu superar a líder dos dApps. A própria Fundação Solana considera o apelido um exagero. É importante que todas essas variáveis sejam muito bem contempladas, antes de se apostar todas as fichas em uma única altcoin do mercado.

Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Naturalizado Brasileiro. É fundador da empresa Growth.Lat e do projeto Growth Token.

You May Also Like
Imagem da matéria: Fundador do 'Axie Infinity' sofre hack de US$ 9,5 mi em Ethereum

Fundador do ‘Axie Infinity’ sofre hack de US$ 9,5 mi em Ethereum

Ao todo, cerca de 3.250 ETH (US$ 9,5 milhões) foram roubados das carteiras da rede Ronin e enviados para três carteiras Ethereum separadas
Celular com logotipo da BInance

Binance vai listar quatro novos pares de negociação com USDC e Lira turca, incluindo Worldcoin

Os novos pares também serão incluídos no serviço Trading Bots (robôs de negociação) da plataforma
Cathie Wood, criadora da Ark Invest e evangelizadora do Bitcoin, usando óculos e sorrindo

Cathie Wood vende ações da Coinbase enquanto corretora e Bitcoin decolam

A venda ocorreu logo antes da Coinbase começar a subir: cotada a US$ 165 por ação, ela subiu 11% no pregão após o fechamento
Mão segura smartphone que projeta blocos azuis

Mercado Bitcoin lista o ZETA, token nativo da Zetachain

Zetachain é uma blockchain projetada para facilitar a comunicação e a interação entre diferentes redes descentralizadas