Como funcionam os dApps, os aplicativos descentralizados

Impulsionados pela tecnologia Blockchain, os aplicativos descentralizados (dApps) são duradouros e abertos, e prometem revolucionar o setor de tecnologia

Token do BNDES criado na blockchain do Ethereum será testado em produção de filme
Foto: Shutterstock


Imagine um cenário em que você disponibiliza o espaço de armazenamento extra no seu computador para atender pessoas ou empresas em todo o mundo. A verdade é que essa ideia não é tão absurda quanto pode parecer. A tecnologia Blockchain está impulsionando uma mudança de paradigma na maneira como percebemos os conceitos de software.

A publicação por Satoshi Nakamoto do whitepaper do Bitcoin em 2009 não apenas introduziu uma nova maneira de enxergar as reservas de valor (Store of Value – SOV), mas também ofereceu uma prévia do mundo do futuro: um ecossistema baseado em aplicativos descentralizados (dApps). Os dApps são duradouros e abertos, e prometem revolucionar o setor de tecnologia.

Com isso em mente, vamos explorar como os aplicativos descentralizados (dApps) funcionam.

O que são aplicativos descentralizados (dApps)

Antes de explicar como os aplicativos descentralizados (dApps) funcionam, é crucial definir o que eles envolvem. Essencialmente, um dApp refere-se a um aplicativo que é executado em uma rede descentralizada e utiliza os recursos desta rede. Os atributos típicos de um dApp incluem:

  • Nenhum ponto central da falha
  • Código Aberto
  • Mecanismo de Consenso Descentralizado (Decentralized Consensus Mechanism
  • Uso de moeda interna

Nenhum ponto central da falha

Em termos de confiabilidade, os dApps têm vantagem sobre os centralizados porque usufruem dos méritos de uma rede descentralizada. Além disso, eles armazenam informações em um banco de dados compartilhado e utilizam recursos de computação descentralizados para execução.

Código Aberto



Sua configuração descentralizada pressupõe que o código fonte do aplicativo possa ser acessado por todos os participantes da rede. Em um ambiente no qual não há possibilidade de verificação dos dados, um membro precisa poder autenticar que tipo de aplicativo ele está usando e sua real função. Assim, os usuários podem evitar fraudes e softwares maliciosos para proteger informações e ativos pessoais. A melhor maneira de atingir esse objetivo é através da liberação o código fonte.

Mecanismo de Consenso Descentralizado

Como esses aplicativos operam em um sistema compartilhado em que todos os participantes podem alterar as informações, é importante ter um mecanismo pelo  qual os usuários cheguem a acordos sobre a confiabilidade das informações e transações. Aplicativos descentralizados (dApps) usam um mecanismo de consenso para esse fim.

Uso de moeda interna

dApps demandam recursos para aprimorar o processo de desenvolvimento, impulsionar a rede subjacente e seu mecanismo de consenso, oferecer aos usuários uma via para negociar valores, entres outros recursos. Essa demanda exige o uso de alguma forma de moeda. Essa moeda interna cultiva uma rede econômica robusta em torno do aplicativo e desempenha um papel central no crescimento do projeto.

Como os dApps funcionam 

A Ethereum foi a rede pioneira de blockchain para aplicativos descentralizados. Um aspecto crucial que contribuiu para o seu sucesso foi a introdução da tecnologia quasi-Turing Virtual Machine do Ethereum. Geralmente, uma máquina de Turing refere-se a um dispositivo que pode simular e executar qualquer algoritmo de computador. Ao adicionar um trecho de código extra para a Virtual Machine do Ethereum teremos um contrato inteligente.

Qualquer código de contrato inteligente pode ser conectado à máquina virtual Ethereum e executado pelo sistema de computador Ethereum compartilhado. A principal limitação está relacionada à proporção de cálculos necessários para concluir o algoritmo de um contrato inteligente.

É importante observar que a moeda cobrada pelos nós da rede para calcular os códigos dos contratos inteligentes é Gás. Gás é limitado, o que significa que, quando um contrato inteligente termina, ele é rescindido. Isso resulta na minimização do número de recursos que um contrato inteligente pode utilizar.

Agora vamos comparar isso com a máquina de Turing, que possui recursos ilimitados e pode executar loops infinitos. De modo geral, a distinção entre o Ethereum dApp e um contrato inteligente está relacionada ao fato de que, além de um contrato inteligente, o Ethereum dApp inclui aplicativos de front-end para o envolvimento do usuário.

EOS dApps

O blockchain da EOS avançou ainda mais a engenhosidade do computador descentralizado. Essa plataforma oferece ao desenvolvedor uma máquina virtual no contexto convencional; tendo CPU e RAM. Além disso, ele permite a execução de qualquer código determinístico dentro do sandbox da Máquina Virtual.

Normalmente, as mensagens validadas entre os participantes, referidas como ações e armazenamento de dados, são marcadas por esquemas que garantem que o código e as informações sejam identificadas, executadas e mantidas na blockchain de maneira uniforme.

A vantagem dessa plataforma é o fato de oferecer aos desenvolvedores a liberdade de utilizar seu stack de desenvolvimento favorito dentro da Máquina Virtual e garantir a confiabilidade do sistema.

 Algumas das indústrias que podem se beneficiar dos dApps

  • Empresas de supervisão de processos de negócios

As empresas podem usar aplicativos descentralizados para apoiar procedimentos sem necessidade de intervenção humana. Essencialmente, através do uso de contratos inteligentes, podem-se enfrentar desafios cruciais e melhorar a eficiência dos processos.

Considerando a logística, por exemplo, as empresas desse setor podem instalar chips RFID em suas cargas, que podem ser digitalizados nos portos de destino para facilitar acordos instantâneos por meio de um contrato inteligente entre comprador e comerciante.

  • Gerenciamento de dinheiro e transferências

Essa inovação pode ser utilizada para facilitar as transferências de dinheiro globalmente. O Bitcoin e outras criptomoedas ofereceram comprovação  de como a tecnologia blockchain pode melhorar as transferências internacionais de dinheiro.

Portanto, os dApps têm o potencial de acelerar a supervisão, transferência e empréstimos de dinheiro, removendo intermediários quando eles são empregados em conjunto com uma rede blockchain e seu token criptográfico.

Além disso, a segurança da gestão e transferências de dinheiro seria aprimorada devido à presença de um mecanismo de consenso que requer aprovação majoritária antes que qualquer alteração seja feita no ledger.

Exemplos de Projetos dApp bem-sucedidos

  • Status 

Este dApp opera um sistema P2P no qual os usuários podem transferir pagamentos e firmar contratos inteligentes. 

Além disso, os usuários podem se conectar usando a plataforma messenger sem ter que se preocupar com a possibilidade de um servidor ficar inativo já que tudo depende de uma rede P2P blockchain.

  • Augur

Nesse caso, o dApp se concentra na integração do poder de uma rede descentralizada com algoritmos de previsão para criar ferramentas confiáveis ​​de projeção de mercado. 

Este projeto promete inserir dados do mundo real e associá-los a outros eventos para criar um sistema blockchain não modificável de fatos válidos que podem ser empregados para referência em diferentes setores.


Sobre o autor

Fares Alkudmani é formado em Administração pela Universidade Tishreen, na Síria, com MBA pela Edinburgh Business School, da Escócia. Desde janeiro de 2019, atua na empresa de criptomoedas Changelly como gerente geral para a América Latina.