Imagem da matéria: Vítima da Unick Forex cai em novo golpe: “Como pude ser enganada duas vezes?"
Imagem ilustrativa. Foto: Shutterstock

Uma autônoma de Terra Boa, cidade que fica a cerca de 500 km de Curitiba (PR), perdeu R$ 1.500 na pirâmide financeira Unick Forex, que ruiu em 2019. Para tentar recuperar o valor, resolveu investir mais R$ 10 mil em uma empresa chamada VinxTrades, que diz trabalhar com bitcoin e forex. Ela acabou caindo em um novo esquema. O prejuízo total foi de R$ 40 mil.

“Como pode uma pessoa ser enganada e cair duas vezes no mesmo golpe? Eu não confio em mais ninguém”, desabafou a investidora ao relatar o caso ao Portal do Bitcoin. Ela pediu à reportagem que seu nome não fosse revelado.

Publicidade

No início do ano, a investidora passou a receber mensagens com a notícia de que a VinxTrades, com supostas sedes no Texas e na Carolina do Sul (EUA), estava devolvendo o dinheiro dos clientes. A primeira mensagem foi enviada no dia 27 de fevereiro. Os telefones tinham DDD da Flórida e do Texas e um outro da África do Sul, constatou a reportagem.

Os membros da empresa diziam que a autônoma tinha um saldo de US$ 15 mil (cerca de R$ 76 mil na cotação atual). Conversa vai conversa vem, os criminosos conseguiram persuadi-la a enviar dinheiro e bitcoin para o pagamento de taxas de saque para a liberação dos supostos fundos.

Pagar para receber

O montante prometido daria para tirar o prejuízo e sair no lucro, que era a intenção dela desde o início. No entanto, para receber a transferência, a investidora foi informada que teria que pagar algumas taxas.

A princípio, lhe foi pedido uma transferência de R$ 1.200 para a liberação de um certificado de transferência do FMI (Fundo Monetário Internacional) do tipo IMF9025QS, mas não passou de tática fraudulenta — que inclusive é alertada no site da própria organização.

Publicidade

A investidora de Terra Boa então respondeu dizendo que não tinha como pagar aquela taxa, mas recebeu uma proposta de ajuda de um dos supostos golpistas que se comprometeu a lhe enviar R$ 500. E isso ocorreu.

O dinheiro foi enviado por alguém identificado como F.J.G.O. através de uma conta bancária no Brasil. Ela então completou R$ 1.200 e os enviou a outro suposto membro da equipe. Em seguida, foi cobrada do empréstimo, mas disse que era para descontarem dos fundos que ela viria a receber.

Mais taxas

Não demorou muito para que outra pessoa entrasse em contato para lhe trazer uma péssima notícia. Ela também teria que pagar um ‘imposto federal’ de R$ 3 mil, cotados em Rand, que é a moeda oficial da África do Sul. Sem esse pagamento, os golpistas disseram que ela não receberia o seu dinheiro.

No desespero, ela fez um empréstimo no banco e pagou a nova ‘taxa’. Depois disso, vieram outros pedidos de depósitos. Ela estima que tenha perdido cerca de R$ 30 mil com esses depósitos. Somando os R$ 10 mil de investimento, o prejuízo foi de R$ 40 mil.

Publicidade

Em uma troca de email, ela perguntou aos membros do golpe por que deveria enviar tanto dinheiro para receber o lucro e por que estava demorando tanto para receber. Quando respondiam, mais taxas eram cobradas. Sobre a demora, falavam que era por causa da queda do preço da criptomoeda.

“Eu paguei muitas taxas e impostos… Agora eu aprendi. Pagar antes nunca mais”, disse a vítima.

A reportagem fez uma breve consulta em um dos endereços de carteira de bitcoin usada pelos golpistas. Foram movimentados cerca de 120 BTCs em mais de 5.000 transações na blockchain.

A página da VinxTrades na internet é obscura. Os endereços informados no site não existem. Além disso, a empresa não informa os nomes de seus membros.

Vítima procurou a polícia

A vítima não recebeu o prometido. Além disso, começou a receber ameaças. Com medo e chateada com a situação, decidiu procurar a polícia. Foi feito um boletim de ocorrência online em abril. “Até agora (os policiais) não falaram nada”, explicou.

No final de maio, o Portal do Bitcoin entrou em contato com a delegacia e foi informado de que o caso está na mesa do delegado para apreciação. Segundo informou o escrivão de polícia, nesse tipo de caso, quando há dados bancários de um denunciado, geralmente é solicitado junto à instituição financeira um processo para que em seguida possa ser pedido na Justiça a quebra de seu sigilo bancário.

Publicidade

Hoje, sem esperança de ter de volta o seu dinheiro, a vítima deseja apenas que os criminosos sejam presos. Para isso, ela disse que vai fazer de tudo para seu caso chegar à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e à Polícia Federal

“Futuramente eles vão ter que pagar. As pessoas que fazem isso com outras, de um jeito ou de outro elas pagam né. Têm que prestar a conta para Deus”, comentou.

Procurada para comentar o assunto através do email disponível na plataforma, a VinxTrades não respondeu à reportagem até o fechamento deste texto.

VOCÊ PODE GOSTAR
simbolo do dólar emergindo de placa de computador

Mercado Bitcoin lista duas novas stablecoins da startup Aryze

Ambas as moedas, devido à paridade com o dólar americano e à libra esterlina, representam estabilidade e diversificação na carteira dos investidores
Miniaturas de homens em cima de moeda de Bitcoin gigante fazendo medição pela metade

Halving do Bitcoin pode não ter efeito imediato no preço como mercado espera, diz Coinbase

Coinbase disse acreditar que o atual movimento de preços é apenas o começo de uma corrida de alta mais longa
Homem aponta controle para TV que emerge imagens em 3D

‘TV 3.0’ que chegará ao Brasil em 2025 vai precisar de internet ou conversor? Entenda

Novo sistema de transmissão para TVs promete enviar som e imagem com qualidades maiores, além de maior interatividade com o espectador
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode