Imagem da matéria: Venezuela quer criar criptomoeda para ser usada entre países da Aliança Bolivariana
Nicolás Maduro (Foto: Divulgação/Assessoria Presidencial)

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, propôs nesta semana que países da América Latina passem a usar uma criptomoeda em suas operações comerciais como uma nova forma romper com a hegemonia do dólar na região.

Maduro apresentou a sua ideia na terça-feira (14) em Havana durante a  20ª cúpula da Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América – Tratado de Comércio dos Povos (Alba-TCP).

Publicidade

Na ocasião, ele defendeu transformar em moeda digital o Sistema Unitário de Remuneração Regional (SUCRE), um projeto de moeda em comum entre os países membros da Alba criado em 2009.

De acordo com o comunicado oficial do presidente, a proposta visa simplificar o comércio de produções de alimentos, petróleo, gás e lítio, entre os países da Alba. Desse modo, a nova versão digital da SUCRE faria parte de um plano maior de desenvolvimento econômico, financeiro e comercial da aliança.

Caso a ideia de Maduro seja adotada, a criptomoeda poderia ser usada nas  operações comerciais entre os países que compõem a Alba, como a Venezuela, Cuba, Bolívia, Equador, Nicarágua, Dominica, São Vicente e Granadinas, Antígua e Barbuda e Santa Lúcia. 

Vale destacar que as decisões tomadas pela cúpula não interferem no Brasil, já que o país não faz parte da aliança. O Uruguai também não é um membro da Alba-TCP, mas como o país integra o SUCRE nas suas operações comerciais desde 2013, poderia aderir a possível nova criptomoeda.

Publicidade

Avanços de Maduro no meio cripto

Ainda muito pouco se sabe sobre os planos de Maduro em tornar a SUCRE uma criptomoeda utilizada pelos países da América Latina, mas os experimentos passados do ditador venezuelano no meio cripto colocam em dúvida o sucesso da iniciativa.

Há três anos a Petro foi lançada na Venezuela, a criptomoeda estatal cujo preço supostamente é lastreado em barris de petróleo. O governo tentou incentivar a popularização da Petro na região usando a criptomoeda para distribuir benefícios para a população, mas mesmo assim o ativo parece ter baixa adesão.

Quando a moeda foi criada, Maduro buscava formas de contornar as sanções dos EUA que pioravam ainda mais a situação econômica do país afundado na hiperinflação. Com o passar dos anos, o projeto controverso e sem transparência da Petro não vingou na Venezuela, mesmo com o país apresentando um maiores níveis de adoção de criptomoedas na América Latina. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Vitalik Buterin

Criptomoeda Railgun dispara mais de 100% após Vitalik Buterin dar apoio ao projeto

A criptomoeda Railgun passou a disparar na manhã desta segunda após Vitalik Buterin fazer uma postagem apoiando o projeto
Imagem da matéria: Exchange de futuros da Solana, Drift vai distribuir 100 milhões de tokens para traders de DeFi

Exchange de futuros da Solana, Drift vai distribuir 100 milhões de tokens para traders de DeFi

Em conjunto com o lançamento do Drift DAO, a Fundação irá distribuir gratuitamente 10% do fornecimento total de tokens DRIFT na Solana
Imagem da matéria: Brasileira é presa após roubar R$ 115 mil em golpe de criptomoedas

Brasileira é presa após roubar R$ 115 mil em golpe de criptomoedas

Segundo a Polícia Civil, a suspeita atraiu as vítimas prometendo altos lucros com investimentos em Bitcoin
Imagem da matéria: EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

Avraham Eisenberg é o trader cripto acusado de drenar mais de US$ 100 milhões da plataforma de negociação Mango Markets