Imagem da matéria: Veja como o Bitcoin se comportou nos halvings passados e por que desta vez pode ser diferente
Imagem criada por Decrypt usando IA

Desde a sua criação, o Bitcoin (BTC) possui um mecanismo chamado halving, em que a cada 210 mil blocos (cerca de quatro anos) corta as recompensas pagas aos mineradores pela metade, o que diminui a quantidade de novas moedas entrando no mercado.

Com o ritmo da mineração do Bitcoin, o próximo halving está previsto para abril de 2024, quando a recompensa cairá de atuais 6,25 BTC por bloco, para 3,125 BTC.

Publicidade

Por conta da redução da emissão de novos bitcoins, o ativo se torna mais escasso e a tendência é que seu preço seja pressionado para cima, já que a demanda tem aumentado ao longo do tempo.

Com isso, o passado mostra que meses após um halving, o Bitcoin atinge uma máxima histórica de preço, para em seguida passar por uma correção e depois voltar a subir após o halving seguinte.

Mas se no passado o que se viu foi uma quebra de recorde de preço do BTC após o halving, o cenário para o próximo evento pode ser diferente.

Afinal, pela primeira vez na história, o BTC quebro sua máxima histórica antes de um halving, chegando a mais de US$ 73 mil, e isso coloca o mercado em um novo cenário.

Publicidade

Antes de prever os possíveis preços do Bitcoin após o halving deste ano, vale a pena olhar para trás e lembrar como a cotação do ativo se comportou nos eventos passados.

1º halving: 28 de novembro de 2012

Na época do primeiro halving — quando a recompensa era de 50 BTC e caiu para 25 —, os investidores ainda não tinham muita ideia do impacto do evento na cotação do Bitcoin. Apesar das regras de oferta e demanda indicarem que o preço deveria subir, havia uma grande dúvida se talvez ele já estivesse precificado, o que não mudaria muito seu valor.

Pouco antes do halving ocorrer, o BTC era negociado por cerca de US$ 12, passando para US$ 229 cerca de seis meses após o evento e para cerca de US$ 1.132 um ano depois, segundo dados do TradingView.

Nos meses seguintes, a criptomoeda desabou por conta do colapso da exchange japonesa Mt Gox.

2º halving: 9 de julho de 2016

Quando a recompensa caiu para 12,5 BTC, o mercado já era bastante diferente, com o surgimento de diversas outras criptomoedas, conhecidas como altcoins, sendo o Ethereum (ETH) a mais conhecida.

Publicidade

Mesmo assim, ainda havia incertezas na época do evento e muitas pessoas não se animaram quando o preço não disparou logo após o halving.

Mesmo assim, o preço do Bitcoin começou a ganhar força alguns meses depois e apenas em dezembro de 2017 atingiu sua máxima histórica de mais de US$ 19 mil, para que logo em seguida voltasse a cair.

3º halving: 11 de maio de 2020

Com mais de uma década de existência e já sendo um ativo reconhecido e bastante discutido ao redor do mundo, mais uma vez os investidores se viram em dúvida sobre o impacto do halving no preço do Bitcoin.

Naquela época, a recompensa dos mineradores caiu para 6,25 BTC e, logo após o evento, o preço não explodiu como alguns acreditavam, ficando muito tempo estável, gerando questões sobre se ele já estaria precificado pelo mercado.

Porém, sete meses depois, o Bitcoin saiu dos US$ 8.500 que estava na época do halving para mais de US$ 40 mil em janeiro de 2021. A alta continuou e a moeda quebrou novos recordes de preço em abril daquele mesmo ano (US$ 63 mil) e novembro (US$ 67 mil). Em seguida, BTC caiu para menos de US$ 40 mil.

Publicidade

4º halving: Abril de 2024

Diferente das outras vezes, agora o mercado não está discutindo se o halving está ou não precificado, mas sim sobre qual será o impacto do evento na criptomoeda que, pela primeira vez na história, ultrapassou seu recorde de preço do ciclo anterior (US$ 69 mil) antes do halving seguinte acontecer.

Após a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC) aprovar, depois de anos de batalha, a criação de ETFs de Bitcoin à vista, o mercado viu uma explosão de fluxo de compra de BTCs por grandes gestoras, o que levou a guinada forte do preço da criptomoeda.

Com isso, no início de março o Bitcoin chegou ao recorde de US$ 73 mil, para em seguida cair e atualmente estar na casa de US$ 67 mil. Isso gera um novo cenário para o halving, já que será a primeira vez que o evento ocorrerá com o BTC pelo menos próximo de sua máxima histórica.

Há quem acredite que, junto com a existência agora dos ETFs, o halving pode ter ainda mais força em levantar o preço, mas a realidade é que não há como prever e mais uma vez será preciso esperar os próximos meses para avaliar esse impacto.

Alguns acreditam que, com a chegada dos ETFs, o halving pode ter um impacto ainda maior no preço. No entanto, é impossível prever com certeza qual caminho o Bitcoin seguirá. Resta aos investidores ter paciência, pois o verdadeiro impacto do halving só será revelado meses após o evento.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Ex-conselheiro do Ethereum quer R$ 50 bilhões do governo dos EUA por ser preso injustamente

Ex-conselheiro do Ethereum quer R$ 50 bilhões do governo dos EUA por ser preso injustamente

Steven Nerayoff alega ter sido vítima de provas fabricadas em um suposto caso de extorsão de 10.000 ETH
Imagem da matéria: Reserva de Bitcoin de mineradores bate mínima em três anos com vendas antes do halving

Reserva de Bitcoin de mineradores bate mínima em três anos com vendas antes do halving

Diferente do que aconteceu antes do halving de 2020, desta vez os mineradores aproveitaram a recente disparada do Bitcoin para vender parte de suas reservas
Imagem da matéria: Ex-ministro do Petróleo da Venezuela é preso por corrupção com uso de criptomoedas

Ex-ministro do Petróleo da Venezuela é preso por corrupção com uso de criptomoedas

O ex-ministro Tareck El Aissami foi preso por participar de esquema que desviou US$ 15 bilhões da venda de petróleo usando criptoativos
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de forex e criptomoedas de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Kaarat