Imagem da matéria: Valour Invest: TV Record mostra como polícia chegou a assassinos de advogado
Foto: Shutterstock

Foi por meio de perícia em celulares que a Polícia Civil de São Paulo chegou aos assassinos do advogado Francisco de Assis Henrique, morto em uma emboscada no ano passado por cobrar uma dívida de R$ 2,5 milhões em Bitcoin. O caso foi tema de uma reportagem especial feita pela TV Record.

De acordo com as investigações, o crime foi intermediado pelos empresários Wilson Decaria Junior e Edgar Acioli Amador, sócios da empresa suspeita de pirâmide financeira Valour Invest.

Publicidade

“O trabalho investigativo da polícia foi exemplar, muito bem feito, e apontou de forma categórica a individualização de cada um”, disse Diego Alves, advogado da vítima, no programa Domingo Espetacular, que é produzido pela emissora.

Conforme a reportagem, no dia de sua morte a tiros, num posto de gasolina da Av. Washington Luís, em São Paulo, Assis conversou com duas pessoas. Em seu telefone, o apelido delas eram ‘Negocio 4’ e ‘Boi Alfa 3’.

Interrogado na época por suspeita de participação no crime, William Gonçalves Amaral disse à polícia que Assis teria discutido com outra pessoa, que fazia leilões da Receita Federal. No entanto, a tentativa de se desvencilhar do ato — mesmo alegando que tinha dívida com o advogado —, Willian acabou abrindo caminho para os investigadores.

A polícia foi então atrás do homem e descobriu que em seu celular havia o contato de William, salvo como ‘W Magrelo’, chegando a conclusão que se tratava do contrato ‘Negocio 4’. Do mesmo modo, os investigadores chegaram até Danilo Afonso Pechin, também suspeito de mandante, cujos registros ‘Boi Alfa 3’ e ‘Nillo II’ igualmente bateram.

Publicidade

A resolução do quebra quebra-cabeças foi reforçada por declarações de parentes de Assis. Segundo eles, o advogado enfrentava problemas com dois homens chamados ‘Danilo’ e ‘Willian’.

Empresa de Bitcoin e encomenda de crime

De acordo com a reportagem, depois disso bastou a polícia solicitar à Justiça os mandados de busca e apreensão para chegar ao restante da quadrilha supostamente responsável pelo assassinato. Danilo e Willian, segundo as investigações, foram os mandantes do crime.

A intermediação teria sido feita por Wilson Decaria Junior e Edgar Acioli Amador, donos da empresa de Bitcoin Valour Invest. Anderson da Silva Soares e Carlos Eduardo Fontes, suspeitos dos disparos contra Assis, teriam recebido R$ 500 mil para executar o advogado.

Segundo a defesa de Wilson e Edgar, seus clientes “foram com eles para entregar o dinheiro para o Carlão a mando do Danilo e do Willian”.

Publicidade

“Não é pro Carlão matar o Dr. Assis, estava combinado que eles iriam aliviar a dívida”, disse o advogado Mauro Otávio Nacif.

Segundo informou o programa, Carlos Eduardo Fontes, o Carlão, permanece solto por decisão da Justiça. Edgar, Danilo e Wilson, presos à época do fatos, foram soltos em fevereiro deste ano. 

Uma decisão da Justiça de São Paulo fez com que Danilo voltasse à prisão. Willian estaria morando em Portugal e o paradeiro de Anderson é desconhecido, disse o jornal.

No início deste mês, o Supremo Tribunal Federal (STF) rejeitou um Habeas Corpus impetrado em favor de Danilo.

Nenhum dos acusados ainda foram a julgamento.

Suspeitos de assassinato do advogado. Reprodução/Record TV

Caso Valour Invest

A empresa dos acusados de envolvimento no crime é suspeita de operar em esquema de pirâmide financeira com criptomoedas. Em fevereiro deste ano, a Justiça de São Paulo mandou bloquear as contas da empresa. 

A Valour Invest dizia que poderia fazer o investimento render entre 10% e 13% ao mês através de trading com bitcoin.

Publicidade

No entanto, várias clientes começaram a reclamar da falta pagamentos. Após questionamento, os diretores da Valour Invest alegaram ter sofrido bloqueio da corretora Bitfinex — uma das maiores do mundo.

Mesmo assim, relatos denunciavam que a empresa chegou a criar uma fila de saques, mas que não funcionava. Um investidor na época disse que os responsáveis pela empresa ameaçavam não pagar quem procurasse a Justiça.

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO da Galaxy Digital, Mike Novogratz, em entrevista ao BNN Bloomberg no YouTube

O Bitcoin precisa de uma nova narrativa para voltar a subir, segundo CEO da Galaxy Digital

Mike Novogratz também acredita que o preço do BTC flutue entre US$ 55 mil e US$ 75 mil até que novos eventos ocorram
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 62 mil em dia de quedas generalizadas; Dogwifhat desaba 12%

Manhã Cripto: Bitcoin recua para US$ 62 mil em dia de quedas generalizadas; Dogwifhat desaba 12%

As quedas resultaram em liquidações de US$ 148 milhões no mercado de criptomoedas nas últimas 24 horas
Imagem da matéria: '101 Perguntas sobre Bitcoin': Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

‘101 Perguntas sobre Bitcoin’: Editora Portal do Bitcoin lança livro sobre a criptomoeda mais famosa do mundo

A obra discorre os princípios técnicos da moeda até suas implicações socioeconômicas no contexto atual, de modo a proporcionar um entendimento profundo ao público geral
Donald Trump ex-presidente dos EUA

Donald Trump recebe compradores de seus NFTs em jantar de luxo

O ex-presidente resolveu aproveitar o dia de folga do Tribunal de Nova York para receber os apoiadores no resort de luxo Mar-a-Lago