Imagem da matéria: Uso de gás natural para a mineração de bitcoin gera preocupação no Texas
Foto: Shutterstock

Este ano os Estados Unidos ultrapassaram a China como a potência mundial na mineração de bitcoin (BTC). E o estado do Texas se tornou um dos ambientes mais favoráveis a cripto nos EUA.

No entanto, conforme cada vez mais mineradores vão ao Texas, o estado está enfrentando uma controvérsia por conta da mineração.

Publicidade

“Existem monopólios de energia, sem dúvida”, afirmou Michelle Michot Foss, membro do Centro de Estudos sobre Energia em entrevista ao jornal local KHOU 11, em Houston.

“Não pense que, no Texas, nós fizemos um trabalho ruim em termos de antecipar o crescimento. Acredito que erramos em entender a sensibilidade do sistema a falhas”, acrescentou, falando sobre a possibilidade de falhas nas redes de energia.

A notícia surge após um período de crescimento significativo na mineração cripto no Texas que, por sua vez, foi acompanhado pelos comentários do senador pró-cripto Ted Cruz.

A migração de cripto para o Texas

Conforme a China começou a reprimir a indústria cripto como um todo, o estado do Texas estava ocupado em obter seu próprio pedaço do bolo.

Publicidade

Em março deste ano, a Argo Blockchain completou a aquisição de 320 acres de terra texana para lançar suas operações de mineração de bitcoin.

Em abril, a Riot Blockchain comprou outro enorme local para a mineração de bitcoin no Texas por US$ 650 milhões.

Um mês depois, após a proibição à mineração na China ter realmente começado a avançar, a empresa chinesa de mineração BIT Mining Limited anunciou um investimento em um centro de dados para a mineração de cripto no Texas de US$ 25 milhões.

O senador Cruz, em participação no Texas Blockchain Summit em outubro, afirmou que o bitcoin poderia usar os recursos abundantes de energia do estado, acrescentando lenha à imigração de mineradores.

Publicidade

“Metade do gás natural que é queimado nesse país está sendo queimado em Permian, no Oeste do Texas. Acredito que seja uma enorme oportunidade para o bitcoin porque essa é uma energia que está sendo desperdiçada”, explicou o senador.

Apesar dos comentários de Cruz, já se sabe que a mineração de bitcoin com fontes de energia não renováveis, como gás natural, é danosa ao meio ambiente.

De acordo com a Universidade de Cambridge, 61% da rede de mineração de bitcoin é alimentada por fontes de energia não renováveis ou de alta emissão de carbono (como o gás natural).

Segundo dados atuais, isso significaria que a mineração de bitcoin emite a mesma quantia de gases de efeito estufa do que mais de 59 bilhões de quilos de carvão queimado.

*Traduzido e editado por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

Talvez você queira ler
Exibição de NFTs na Christie''s

Como a venda quase por acaso de um NFT por US$ 69 milhões criou um gigante da Web3

Christie’s foi a responável pela venda da obra “Everydays: The First 5000 Days”, de Beeple, em um ato que mudou a história dos leilões
Placa de computador com lupa de investigação

CARF: Entenda como vai funcionar a troca de informações fiscais sobre criptomoedas entre Brasil e outros 46 países

A contadora Ana Paula Rabello e o advogado Daniel de Paiva Gomes comentam o novo padrão internacional que pegou alguns investidores cripto de surpresa
Imagem da matéria: Tether congela US$ 225 milhões em USDT de carteiras ligadas ao tráfico humano

Tether congela US$ 225 milhões em USDT de carteiras ligadas ao tráfico humano

A decisão ocorre em parceria com a exchange OKX e em colaboração com uma investigação feita pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos
Imagem da matéria: Saga arrecada US$ 5 milhões antes do lançamento da Mainnet e do airdrop

Saga arrecada US$ 5 milhões antes do lançamento da Mainnet e do airdrop

“O espaço de blocos no Saga é teoricamente infinito porque você pode criar quantas cadeias quiser, tudo em paralelo”, disse a CEO da Saga, Rebecca Liao