Imagem da matéria: Trader de forex Marcelo Ferreira prometia lucros em fundo mas entregou prejuízo e ameaças; veja vídeo
Trader de Forex Marcelo Ferreira foi punido pela CVM (Imagem: Reprodução/Instagram)

Na semana passada a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) emitiu um alerta informando que o trader de forex Marcelo Ferreira não tinha permissão para captar clientes mercado brasileiro. O Portal do Bitcoin investigou o que aconteceu com o Fundo Fimathe e encontrou clientes enganados — e com um grande prejuízo.

Parte das vítimas, hoje reunidas em um grupo no WhatsApp, conta que suas contas foram abandonadas e que a propaganda era enganosa.

Publicidade

Tudo começou com convite do próprio Ferreira, que enviou e-mails para sua base oferecendo contas no Fundo Fimathe. Segundo ele, iria gerar mais lucros que investimentos de renda fixa e ele faria operações diárias para quem aderisse.

Isso seria feito por meio de uma conta chamada “copytrade”: tudo que ele fizesse ali seria replicado na conta de quem entrasse no produto, com os valores ajustados para cada realidade. A plataforma onde isso seria feito é a Hantec.

Promessas do Fundo Fimathe enviadas por e-mail

Mas rapidamente o sinal vermelho se acendeu. Marcelo aparecia em lives no Youtube fazendo fortunas e acertando diversos trades, o que não se espelhava nas contas dos clientes.

Na conta copytrade ocorria o oposto: Marcelo coleciona perdas, o saldo entrou no negativo e ele passou mais de mês sem operar nela, sendo que a promessa era de trades diários.

Publicidade

“Se ele posta resultado na rede social e no fundo não espelha, tem alguma coisa está muito errada”, disse ao Portal do Bitcoin um dos clientes, João Antonio Alex Ribeiro da Silva .

Silva diz que conheceu Marcelo por meio de uma reportagem e que, nessa época, o trader estava fazendo o projeto “Laboratório Fimathe”, que tinha como meta obter lucros de R$ 100 mil.

Ele enviou print screens de sua conta do Fundo que mostram um aporte de US$ 990, sendo que o saldo estava em US$ 770 (perda de 22%). Mas o pior foi a baixa atividade: Marcelo, que prometia operações diárias, operou na conta copytrade uma vez em outubro, duas em novembro, nenhuma em dezembro, quatro em janeiro e uma em fevereiro.

Uma reclamação constante é o atendimento ao consumidor. Um cliente, que pediu anonimato, disse: “Você manda e-mail com alguma duvida simples, eles respondem. Daí se você pergunta sobre o rendimento, não respondem mais”.

Publicidade

A vítima ainda ressalta: “Se fizer questionamento no Instagram ele bloqueia”. Além disso, diz, Marcelo apagou tudo sobre o Fundo copytrade Fimathe das redes sociais. “Apagou até da área especial de quem comprou o serviço”, afirmou.

Esse mesmo consumidor enviou uma troca de e-mails com serviço de atendimento no qual as perguntas feitas por ele eram sempre respondidas com mensagens genéricas e pré-prontas.

Uma busca feita agora no site de Marcelo Ferreira e em seu Instagram mostra que não há menções do fundo. E não custa ressaltar: Marcelo Ferreira não tem permissão para atuar como gestor de fundos pela CVM.

Pela segunda vez, o Portal do Bitcoin enviou mensagens para Ferreira, mas ele não respondeu até a publicação desta reportagem.

Ameaça de Processo Judicial

No dia 21 de fevereiro de 2020, João foi cobrar Marcelo pela falta de lucros do fundo. Foi então que o trader se irritou e diz que caso o cliente fizesse mais uma publicação sobre o tema, seria processado.

Publicidade

“Já leu a cláusula de rescisão e quebra onde você pode ser cobrado pela multa de R$ 4 mil. Na próxima postagem irei considerar seu contrato quebrado e irei cancelar sua conta após a notificação e meus advogados (sic) e irei cobrar a multa de rescisão judicialmente como estou fazendo com alguns já”, disse Marcelo.

Veja abaixo no vídeo a conversa entre Marcelo Ferreira e seu cliente:

Promessa de restaurar saldo negativo

O contrato é confuso quanto à perdas financeiras dos clientes. Diz que após 36 meses Marcelo Ferreira irá garantir a “restituição de valores negativados diretamente naconta do contratante”. Ao mesmo tempo, diz que quem assina tem “ciência e total discernimento que a contratada [Marcelo] não estará obrigada a restituir o valor total investido, nem devolverá os valores pagos à título de taxa de adesão, apenas irá restituir o eventual saldo negativo da conta”.

Mas João já se mostra sem esperança de uma solução para recuperar qualquer dinheiro que seja: ” Já tentei entrar direto em contato com ele através do WhatsApp, mas me bloqueou. No Instagram ele não visualiza. Questionei a esposa dele, pois ela é a dona da MF cursos, ela me bloqueou. Questionei a Hantec, que é a corretora, e me bloquearam. Os canais de suporte pararam de responder; disseram que iriam passar a reclamação para o setor interno e não responderam mais”.

Trecho do contrato que Marcelo Ferreira celebrava com os clientes

Trader Marcelo Ferreira

Em sua página na internet, Marcelo Ferreira se apresenta como “trader profissional há mais de 21 anos que formou mais de 80 mil alunos”. No Instagram, o trader possui 230 mil seguidores. No Youtube, onde transmite vídeos como influencer de finanças, Ferreira também tem muitos assinantes no canal.

Seus vídeos e produtos são baseados em uma técnica que ele diz ter inventado chamada ‘Fimathe’ que, segundo ele, simplifica a leitura de gráficos. Essa “técnica” é vendida como curso ou mentoria.

A stop order da CVM parece não ter mudado os planos de Marcelo. Na segunda-feira (21) o trader postou um vídeo no seu Instagram recomendando que os seguidores baixem um PDF para aprender as práticas do forex.

VOCÊ PODE GOSTAR
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos
Policiais federais fotografados de costas

PF e Receita Federal caçam grupo suspeito de lavagem de dinheiro com criptomoedas

Policiais federais e auditores-fiscais se mobilizaram em quatro estados para cumprir mandados de prisão, busca e apreensão em um esquema de importações ilegais
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte