Imagem da matéria: Startup financia processos contra big techs com venda de tokens
Foto: Shutterstock

Os israelenses Brian Bishko e Andrew Hamilton estão à frente da JPB Liberty, uma plataforma com sede em Sidney, na Austrália, cujo objetivo é financiar coletivamente processos judiciais contra big techs com a venda de tokens.

Segundo informações na plataforma, uma ação coletiva já foi criada, a ‘Crypto Ad Ban Class Action’. A ação visa processar empresas como Google, Facebook e Twitter pelo banimento de anúncios de criptomoedas iniciado em 2018.

Publicidade

De acordo com a plataforma, com a investida desses big techs contra os anúncios, os volumes das corretoras de criptomoedas caíram de 60% a 90%. O período, de 30 de janeiro daquele ano até o presente. Conforme publicação do Dailymail, das empresas e pessoas que já se cadastraram na JPB, o prejuízo soma cerca de US$ 600 milhões (R$ 3 bilhões).

Ações contra big techs

“O JBP Liberty foi criado para financiar processos de ação coletiva contra aqueles que atacam o “cryptocosm” (criptoeconomia) ilegalmente e outros abusos de poder em larga escala”, diz a chamada na plataforma.

Segundo a plataforma, a proibição de anúncios por empresas como Google, Facebook, foi uma violação às leis de concorrência e proteção ao consumidor da Austrália. Desta forma, afirma, a investida teria causado danos na casa de bilhões de dólares.

“Empresas que fazem negócios na Austrália que praticam violações às leis antitruste podem ser processadas por danos em todo o mundo nos tribunais australianos”, diz a empresa, citando uma normas da Comissão Australiana da Concorrência e do Consumidor (ACCC).

Publicidade

De acordo com um dos pontos da Lei da Concorrência e do Consumidor é proibido contratos, acordos, ou práticas que tenham como objetivo diminuir a concorrência em um mercado.

A JPB alega que juntos, Google, Facebook e Twitter controlam uma porcentagem muito grande do mercado de publicidade online. “Mais de 66% da receita de anúncios digitais dos EUA em 2018 e mais de 80% da receita de anúncios em mídias sociais”.

Venda de tokens 

Conforme detalhou a empresa, podem ser criadas também ações coletivas contra bancos. Isto, contra os que agem em conluio para proibir compras de criptomoedas por cartão de crédito. Também contra instituições que congelam indevidamente contas de clientes após transações legítimas.

Aonda de acordo com a JPB, os reguladores que excedem sua autoridade legal e constitucional na tentativa de regular a criptoeconomia não ficarão livres de ações.

Publicidade

Em troca de assumir todos os custos e riscos dos processos e a contratação de advogados, a JPB Liberty vai receber entre 25% e 35% das indenizações.

Depois disso, vai distribuir aos detentores de tokens que participaram do financiamento. Ao final, a plataforma disse que vai ficar com cerca de 5% dos valores.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin sobe 3% e volta para US$ 63 mil; Toncoin salta 17% com expectativa para lançamento da Notcoin

Manhã Cripto: Bitcoin sobe 3% e volta para US$ 63 mil; Toncoin salta 17% com expectativa para lançamento da Notcoin

Toncoin valoriza com a notícia do lançamento de um dos tokens mais esperados da rede: Notcoin (NOT)
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai para US$ 60 mil; Trump defende criptomoedas e faz memecoin subir 155%

Manhã Cripto: Bitcoin cai para US$ 60 mil; Trump defende criptomoedas e faz memecoin subir 155%

No Brasil, investidores reagem à decisão do Copom de reduzir em 0,25 ponto percentual a taxa básica de juros (Selic)
Imagem da matéria: Desenvolvedor da Solana rouba R$ 1,6 milhão de investidores para apostar em jogos de azar

Desenvolvedor da Solana rouba R$ 1,6 milhão de investidores para apostar em jogos de azar

“O que vier a seguir está nas mãos de Deus”, disse o dev após assumir o roubo
Imagem da matéria: Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Há 2 anos, LUNA caia para zero; relembre um dos dias mais caóticos do mercado cripto

Em maio de 2022, o ecossistema da Terra (LUNA) entrou em uma “espiral da morte” que levou uma das criptomoedas consideradas mais promissoras daquele ano a cair para zero em 24 horas