Imagem da matéria: Startup brasileira de blockchain para pagamentos é selecionada por aceleradora do Vale do Silício
Imagem: Shutterstock

A startup brasileira PandaPay, que utiliza blockchain para pagamentos instantâneos, foi selecionada por uma das maiores aceleradoras do Vale do Silício, a Plug and Play, para seu programa de aceleração no Brasil.

Segundo o anúncio na quarta-feira (22), a Plug and Play, que tem vários escritórios no mundo, selecionou 21 startups para seus programas ‘Food & Agtech’ e ‘Financial Services’ — ‘Tecnologia aplicada ao agronegócio e ao setor de alimentos’ e ‘Serviços financeiros’, respectivamente.

Publicidade

“Tenho orgulho de receber o primeiro grupo de startups em nosso programa no Brasil. Estamos aqui para conectá-los a novas oportunidades e esperamos por casos bem-sucedidos no ecossistema da América Latina”, disse Saeed Amidi, fundador e CEO da Plug and Play.

Na nota, o Plug and Play descreveu a PandaPay como “única carteira digital com tecnologia blockchain no Brasil que oferece toda a infra-estrutura para que você possa ter sua própria fintech. Soluções Blockchain em remessa, notarização, tokenização e produtos DeFi”.

O Programa vai durar cerca de três meses, onde as startups terão a oportunidade de se envolver com a rede de parceiros corporativos da companhia.

Startup no Vale do Silício

Marcelo Miranda, CEO da PandaPay e sócio da corretora FlowBtc, disse que tudo começou com um contato com a empresa no final do ano passado.

Publicidade

A aproximidade resultou na participação da startup em vários eventos da companhia. Segundo Miranda, há cerca de um mês eles fizeram um pitch para a empresa e alguns mantenedores.

Conforme explicou à reportagem do Portal do Bitcoin, a aceleradora, que é focada em empreendimentos corporativos, costuma fazer uma espécie de matchmaking com as startups.

Desta forma, além da mentoria, a companhia aproxima a startup selecionada a uma empresa mantenedora para juntos explorarem cases inovadores.

Portanto, não há um compromisso de investimento na PandaPay, mas é uma possibilidade.

“Essas mantenedoras já patrocinaram diversos POCs (Provas de Conceitos) e pilotos ao redor do mundo”, disse Miranda, que também é sócio da corretora de criptomoedas FlowBTC.

Publicidade

Futuro da startup

Segundo ele, os próximos passos da PandaPay é o lançamento da versão iOS da plataforma e uma nova versão para Android. A empresa também pretende expandir o time de TI e realizar uma Prova de Conceito (POC) com uma grande empresa.

“Nossa solução tem uma versão B2C (business-to-customer) que pode ser usada por qualquer um mas nosso foco é no B2B2C (conceito de vendas pela internet que inclui toda a cadeia comercial, desde a indústria até o consumidor final). Por isso faz todo sentido nos juntarmos a uma empresa oferecendo nossa tecnologia de carteira digital whitelabel”, concluiu.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Imagem da matéria: Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Times de futebol vão distribuir NFTs ao longo do Brasileirão; Veja como ganhar

Atlético-MG, Bahia, Flamengo, Fluminense, Palmeiras, Internacional, São Paulo e Vasco da Gama são times que integram a nova campanha da Chiliz
Tela de celular mostra logo da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil CVM

CVM ganhou R$ 832 milhões com multas aplicadas em 2023, um aumento de 1.791%

A autarquia também registrou o maior número de casos julgados desde 2019
Celular com logotipo da Receita Federal sobre notas de reais

Tokenização de ativos enfrenta área cinzenta na declaração de Imposto de Renda |Opinião

Para o autor, a declaração de tokens que representam recebíveis, e outros ativos do mundo real, devem mudar nos próximos anos