Imagem da matéria: Sport: Hackers roubam dados de torcedores, fazem chantagem e recebem pagamentos em Bitcoin
Reprodução site Sport Clube do Recife

A base de dados do sócios torcedores do clube de futebol Sport Club do Recife foi invadida e os criminosos estão usando as informações obtidas para chantagear os membros do programa em troca de Bitcoin. Até o momento da redação desta reportagem, o endereço da blockchain apontado pelos criminosos já recebeu um total de R$ 9.605,77, em três transações.

O clube já se pronunciou sobre o caso (veja nota na íntegra publicada no site oficial), mas se limitou a dizer que a instituição está “surpresa” com o acontecimento pois a mesma empresa gere os bancos de dados há cincos anos – mas não nomeou a companhia. Além disso, afirmou que está buscando medidas legais e que já acionou as autoridades.

Publicidade

Os golpistas enviam uma longa mensagem por e-mail para as vítimas afirmando que compraram as informações na deep web e instalaram um “vírus polifórmico” nos sistemas operacionais das vítimas. Afirmam que possuem histórico de acesso de navegação e vídeos íntimos das pessoas chantageadas. Diante disso, pedem R$ 3 mil em bitcoins para não divulgar as supostas cenas e dão um endereço de blockchain: 3BqNoL2Amf5JJvpQGa4ZEdpCvgWEcAePXD.

Nada indica que os criminosos tenham mais do que o e-mail e informações básicas das pessoas, como RG e CPF.

O caminho do dinheiro extorquido

O endereço em questão recebeu três transações. A primeira foi feita no sábado (24), com o envio de 0.02930442 BTC, o equivalente no momento da redação desta reportagem a R$ 3.156.

O endereço que fez o envio (bc1qnx0hqkcuzksr0v8jqxwj6le3adc448hq3s4a7mljnyd5s609v2eq0gqz8w) foi criado aparentemente para esta operação, tendo feito somente essa transação e criada por meio de uma wallet da corretora Binance, que tem o “bc1” no início do endereço como marca de distinção.

Publicidade

A segunda operação foi no domingo (25) e foi mais complexa. A conta enviou na mesma transação valores para mais de 20 endereços de BTC. Entre eles, o dos criminosos, que receberam 0.03010467 BTC, equivalente a R$ 3.243.

Essa conta em questão, também de uma wallet feita na Binance (bc1qm34lsc65zpw79lxes69zkqmk6ee3ewf0j77s3h), possui alta movimentação financeira. Checando o endereço no portal BitInfoCharts, é possível confirmar que se trata de uma carteira da Binance. Nesse caso, a vítima, ao invés de tirar as criptomoedas da sua conta na Binance e enviar para o criminoso, mandou diretamente para uma carteira externa.

A terceira operação foi feita na segunda-feira (26) e é simples: um envio de Bitcoin de um endereço para outro, com uma volta de troco. Nesse caso não é uma wallet da Binance, e o envio foi de 0.02976575 BTC, equivalente a R$ 3.206.

Essa carteira já fez 995 transações na blockchain, tendo recebido US$ 4,4 milhões e recebido exatamente o mesmo montante – no momento não possui nenhum valor em sua posse.

Publicidade

Procurando uma corretora segura que não congele seus saques? No Mercado Bitcoin, você tem segurança e controle sobre seus ativos. Faça como nossos 3,8 milhões de clientes e abra já sua conta!

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Bitcoin atinge um bilhão de transações processadas desde o lançamento

Bitcoin atinge um bilhão de transações processadas desde o lançamento

Bitcoin demorou mais de 15 anos para atingir a marca de um bilhão de transações
solana, criptomoedas,

Este evento vai fazer a Solana atingir US$ 400 este ano, projeta analista

Para analista da Merkle tree, a Solana pode disparar 170% este ano puxado por memecoins ligadas aos candidatos na eleição dos Estados Unidos
Imagem da matéria: "Centavo épico" de Bitcoin é usado para inscrever música da Grimes gerada por IA

“Centavo épico” de Bitcoin é usado para inscrever música da Grimes gerada por IA

Ordinals com uma música gerada por IA da Grimes foi inscrito num satoshi “épico” de Bitcoin avaliado em mais de R$ 10 milhões
Imagem da matéria: As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

As criptomoedas estão se tornando políticas – e a Consensys quer ficar fora disso

Enquanto outras empresas gastam milhões em candidatos pró-cripto, Joe Lubin diz ao Decrypt que a Consensys resistiu ao impulso