Imagem da matéria: Rival Nubank inicia operações e vai permitir transferências por mensagem de celular
(Imagem: Reprodução)

O banco digital brasileiro C6 entrou em operação na segunda-feira (05) já com 200 mil clientes. Segundo o sócio-fundador Luiz Marcelo Calicchio, a instituição planeja pelo menos dobrar esse número até o final do ano, publicou o Jornal Extra.

A fintech foi fundada por Marcelo Kalim, ex-presidente do BTG Pactual, e recebeu autorização do Banco Central (BC) em janeiro deste ano.

Publicidade

Vinha, então, recebendo seus primeiros clientes na fase chamada ‘beta testers’ que começou em maio. O investimento inicial foi de R$ 500 milhões.

Junto com a inauguração, o banco lançou o C6 Kick, que oferece ao usuário a possibilidade de transferir dinheiro via SMS para qualquer banco e de forma gratuita.

O C6 começou a aparecer quando possibilitou que clientes colocassem qualquer nome no cartão de crédito e também pela solução do pedágio sem fila, serviço semelhante ao ‘Sem Parar’.

Conta digital sem taxa

O C6 Bank tem entre sua carteira de produtos as maquininhas de captura de transações com cartões e não cobra taxas na conta corrente, assim como o pioneiro Nubank.

Publicidade

De acordo com a IstoÉ Dinheiro, a instituição financeira destaca que sua estratégia é oferecer produtos para todos — do varejo de alta renda ao segmento da população que ainda não tem acesso a produtos financeiros.

“O banco se posiciona como uma instituição financeira de baixo custo, o que é possível graças à automação de processos e ausência de agências físicas”, disse o C6 à Revista.

Programa de inovação

Além dos serviços C6 Pay (maquininha) e C6 Taggy (pedágio sem filas), o banco também tem espaço para novas ideias, o OPP (Hub de startups). 

Através do programa, a instituição quer funcionar como uma incubadora e aceleradora, oferecendo mentoria, capacitação e conexão de negócios.

“Procuramos empreendedores e startups que apresentem soluções ou produtos que tenham conexão com o mercado financeiro”.

Por que o nome C6

No site do banco é explicado o porquê do nome C6:

“O C é de carbono, elemento base da vida, e 6 é o número atômico desse elemento. Os átomos do carbono se unem de várias formas e são capazes de criar diferentes substâncias, desde o grafite, em uma combinação simples, até a mais rara, como o diamante. A habilidade do carbono de fazer conexões nos inspira”.

Publicidade

 Compre criptomoedas na 3xBit

Inovação e segurança. Troque suas criptomoedas na corretora que mais inova do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://3xbit.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos
Fachada do MPDFT - Facebook

PM que atraía colegas de farda para pirâmide com criptomoedas é alvo do MP do DF

O policial militar e um grupo suspeito de pessoas e empresas teriam aplicado um golpe de R$ 4 milhões; alvos do MPDFT são do DF e GO
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo