Imagem da matéria: Ripio comemora 10 anos com evento, aposta em clientes institucionais e stablecoins
Evento da Ripio em Buenos Aires (Foto: Cláudio Rabin)

A Ripio começou a comemoração dos 10 anos da empresa nesta quinta-feira (22) com um evento corporativo em Buenos Aires, na Argentina, no qual reuniu grande atores do mercado como Visa e Circle.

A empresa de criptomoedas, que também tem presença forte no Brasil, aposta nos tempos de bear market no crescimento dos clientes institucionais e no uso de stablecoins em um momento no qual o peso argentino vem sendo carcomido pela inflação.

Publicidade

Em uma coletiva de imprensa durante a manhã, Matías Dajcz, VP a Ripio Select, disse que os negócios B2B da empresa são os que mais estão crescendo, com uma fatia de 45% do total movimentado pela companhia. Do volume total, 90% é representado por stablecoins como USDT e USDC.

Na prática, diz o executivo, as criptomoedas permitem o acesso a ativos dolarizados. Embora no Brasil não seja tão fundamental, trata-se algo importante para na Argentina. No país, a compra oficial de dólar é restrita pelo governo, que permite — em casos específicos — a aquisição de US$ 200 dólares por pessoa. Mesmo para empresas há um controle de capitais que prejudica as operações de importação e exportação.

“No mundo cripto, não há essas restrições. As empresas têm usado os pesos para se dolarizar com criptomoedas e usá-las em pagamentos internacionais de forma mais fácil “, disse Dajcz.

O executivo também apontou um interesse crescente pela Colômbia — assim como o Nubank e o Mercado Pago —, onde os serviços bancários são caros e a inflação também incomoda.

Publicidade

A empresa segue com foco na America Latina e com uma integração crescente com o Mercado Livre. Para Bernardo Teixeira, COO da Ripio, apesar do bear market, os institucionais seguem com apetite.

O executivo, que veio com a compra da exchange brasileira BitcoinTrade em 2021, disse que uma operação similar será lançada na Argentina e que assim se poderá ter com mais clareza os volumes das operações no país.

Na prática, hoje no país as movimentações de criptomoedas são uma caixa preta que não permitem entender a dimensão do mercado. Enquanto os brasileiros têm um perfil mais de trader, o argentino compra e guarda para tentar perder menos para a inflação de quase 10% ao mês.

Evento Modular

A primeira edição do Modular é sediada na Usina del Arte, uma antiga companhia de energia elétrica construída no início do século passado. Além de celebrar os 10 anos de empresa, o objetivo é explorar o potencial da tecnologia blockchain e suas implementações para o desenvolvimento de outras indústrias.

Publicidade

Ao longo de um dia, serão realizados 21 painéis com mais de 70 palestrantes que compartilharão sua expertise e trajetória no ecossistema cripto latino-americano.

O evento está organizado em dois palcos: o principal com foco em aplicações blockchain B2B e o palco dois dedicado a comunidades criptos. Entre os painelistas estão Sebastián Serrano – CEO e Co-fundador da Ripio, Santi Siri – Fundador UBI DAO, Guilherme Cohn – Corporate Development Senior Manager do Mercado Livre, Ariel Sanchez – Investment Product Manager da Galiza; Juan Fantoni – CCO e co-fundador da Grapefruit; Sebastian Negri – Presidente da Comissão Nacional de Valores da Argentina; Aaron Marks – Diretor de Desenvolvimento de Negócios da Circle; Juan Ignacio Talento – CPO de Naranja X; funcionários de entidades reguladoras do Uruguai e da Argentina, entre outros.

Haverá painéis que abordarão questões disruptivas de interesse da indústria, como a regulamentação das criptomoedas. O painel dedicado a discutir o assunto é intitulado “Inovação Responsável: cripto regulação e formulação de políticas na América Latina” e contará com a participação de Patricia Tudisco, Superintendente de Regulação do Banco Central do Uruguai; Diego Diaz, especialista em pagamentos do BCRA e Elio Grillo, Diretor de Supervisão da FIU, Sebastián Negri, Presidente da CNV e Bernardo Srur, CEO da ABCripto. Além disso, os principais líderes do ecossistema cripto na Argentina se reunirão em um painel no mesmo debate: “Muchachos: o estado da adoção cripto na Argentina”, com a participação de Manuel Beaudroit CEO & Cofundador da Belo, Marcelo Cavazzoli CEO e co-fundador da Lemon e Juan José Mendez, Chief Brand Officer da Ripio.

Outros tópicos importantes a serem discutidos incluem as últimas tendências para impulsionar o setor: blockchains privados, Web3 + Inteligência Artificial e construção de uma rede global de pagamentos. O encontro contará, ainda, com sessões de Pitch em que os vencedores do Kings of Dev Evolution Hackathon (realizado previamente no escritório da Ripio de Buenos Aires e que contou com mais de 100 participantes com 18 projetos), poderão apresentar os seus trabalhos. Para finalizar o dia, haverá um after party com cocktail.

É possível acessar o streaming das palestras gratuitamente  pelo site do evento.

*O Portal do Bitcoin viajou para a cobrir a Modular a convite da Ripio.

VOCÊ PODE GOSTAR
o que é mineração de bitcoin

Dificuldade de mineração de Bitcoin está despencando, mas por quê?

A redução no preço do Bitcoin, combinada com a diminuição das recompensas de mineração, resulta em menos mineradores e em uma rede menos robusta — pelo menos por enquanto
Moeda prateada da Chainlink com reflexo em um fundo roxo

Chainlink sobe 18% ao lançar projeto piloto em Wall Street com JP Morgan, BNY Mellon e DTCC

A DTCC anunciou que acaba de concluir um projeto piloto de tokenização com gigantes de Wall Street, como JP Morgan e BNY Mellon, aproveitando o CCIP da Chainlink
Imagem da matéria: CEO da Grayscale deixa cargo: "Momento certo para transição"

CEO da Grayscale deixa cargo: “Momento certo para transição”

A Grayscale, uma das maiores gestoras de criptomoedas do mundo, anunciou que Michael Sonnenshein está deixando o cargo de CEO
Imagem da matéria: FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

FTX prometeu devolver 118% dos fundos dos clientes; o que acontece agora?

Segundo os balanços, a FTX deve cerca de US$ 11 bilhões, e conseguiu levantar entre US$ 14,5 e US$ 16,3 bilhões até agora