Imagem da matéria: Rei do Bitcoin: Claudio Oliveira apaga conta no TikTok após ser exposto por reportagem
Claudio Oliveira com a companheira em um vídeo no TikTok (Foto: Reprodução/Tiktok)

Claudio Oliveira, também conhecido como o “Rei do Bitcoin” que lesou milhares de brasileiros por meio da empresa fraudulenta Bitcoin Banco, excluiu sua conta do TikTok na noite de quarta-feira (4) depois de ser exposto por reportagem do Portal do Bitcoin que revelou sua saída da prisão no dia 2 de janeiro.

Na rede social chinesa, a conta de Oliveira era a @yosef_clo, e já não está no ar na manhã desta quinta-feira (5). A conta da namorada dele, Suellen Borges — no TikTok, @volkov_e — também foi excluída.

Publicidade

Embora Oliveira nunca tivesse feito uma publicação na rede social, Borges postava montagens de fotos e vídeos curtos ao lado do companheiro, fazendo declarações românticas nas legendas. Na descrição do vídeo do TikTok, Borges dizia: “Desde que você apareceu eu perdi totalmente a pose de bandida, se é que um dia eu tive 😂 você desperta em mim o que há de melhor, obrigada por existir meu amor ♥️ #euamovocê♥️ @yosef_clo“.

Os vídeos haviam sido postados logo após Oliveira sair da prisão por progressão de regime, no dia 2 de janeiro.

A saída de Oliveira da cadeia foi confirmada à reportagem por uma pessoa que pediu para não ser identificada e que teve acesso aos sistemas internos do regime prisional do Paraná, onde ele cumpria a sentença.

A prisão do Rei do Bitcoin

Claudio Oliveira ficou menos de dois anos em reclusão, já que foi preso no dia 5 de junho de 2020 quando foi alvo da Operação Daemon da Polícia Federal, que investigava o desvio de R$ 1,5 bilhão pelo empresário. A esposa de Oliveira na época, Lucinara, também foi presa, mas acabou sendo liberada alguns meses depois.

Publicidade

A prisão preventiva do Rei do Bitcoin foi decretada na operação cujo objetivo era apurar a prática de crimes falimentares, de estelionato, lavagem de capitais, organização criminosa, além de delitos contra a economia popular e o sistema financeiro nacional.

Em abril do ano passado, Oliveira foi condenado em primeira instância a oito anos de prisão por estelionato e crimes contra o sistema financeiro, sendo obrigado a recorrer dentro da prisão.

Na sentença, o juiz ressaltou que o Bitcoin Banco fingia operações de compra e venda de criptomoedas que só existiam nos balanços da empresa.

A prática ficou conhecida na época como girinho, giropeta ou arbitragem infinita, no qual os usuários foram levados a acreditar que faziam trades entre duas corretoras do mesmo grupo — a NegocieCoins e a TemBTC — com ganhos fixos e certos em cada operação.

Publicidade

Os supostos lucros, contudo, só existiam dentro do sistema da empresa e milhares de pessoas ficaram no prejuízo quando o Bitcoin Banco travou os pagamentos em maio de 2019.

  • Como será o mercado de criptomoedas em 2023? Clique aqui e descubra no relatório gratuito do time de Research do MB
VOCÊ PODE GOSTAR
jogadores de costas tocam os punhos

Filipinos voltam a lotar lan houses para ganhar criptomoedas em jogos; é o retorno do play-to-earn?

Jogar Heroes of Mavia, Nifty Island e PIXEL em horário integral nas Filipinas pode render cerca de duas vezes o salário mínimo do país
Imagem da matéria: Semana cripto: Bitcoin segue firme em US$ 70 mil enquanto Dogwifhat sobe 100% na semana

Semana cripto: Bitcoin segue firme em US$ 70 mil enquanto Dogwifhat sobe 100% na semana

As memecoins foram o destaque desta semana, com o Dogwifhat (WIF) liderando o grupo
Imagem da matéria: Michael Saylor está no Brasil para participar de evento do Itaú

Michael Saylor está no Brasil para participar de evento do Itaú

O famoso entusiasta do Bitcoin veio ao Brasil para participar de um evento fechado com clientes do Itaú
Logo da Binance

Binance anuncia conselho diretor global, mas não revela onde será sua sede

Entre os três membros externos estão dois executivos do mercado financeiro e um ex-embaixador de Barbados nos Emirados Árabes Unidos