claudio oliveira e companheira
Claudio Oliveira com a companheira em um vídeo no TikTok (Foto: Reprodução/Tiktok)

Sem relógios Rolex ou sapatos Louboutin mas com TikTok. Claudio Oliveira, que ficou conhecido no Brasil como o Rei do Bitcoin, foi solto da prisão por progressão de regime no dia 2 de janeiro após ficar menos de dois anos em reclusão.

A informação foi confirmada por uma pessoa que pediu para não ser identificada e que teve acesso aos sistemas internos do regime prisional do Paraná, onde Oliveira cumpria a sentença.

Publicidade

Pelo sistema da Justiça Federal do Paraná, contudo, ele continua preso. Não foi possível conferir sob quais condições exatamente ele foi solto. A reportagem fez uma solicitação à assessoria de imprensa da Justiça, mas não recebeu a resposta até a publicação deste texto.

Menos de dois dias após sair da prisão, o criador do Bitcoin Banco já encontrou uma jovem companheira, apareceu nos vídeos do TikTok dela e criou uma conta na rede social chinesa.

Nas imagens, Oliveira aparece em uma sequência de vários pequenos vídeos e fotos ao lado de Suellen Borges, que também possui um perfil no Instagram, embora privado.

Na descrição do vídeo do TikTok, Borges diz: “Desde que você apareceu eu perdi totalmente a pose de bandida, se é que um dia eu tive 😂 você desperta em mim o que há de melhor, obrigada por existir meu amor ♥️ #euamovocê♥️ @yosef_clo“.

Publicidade

A prisão do Rei do Bitcoin

Claudio Oliveira estava preso desde o dia 5 de junho de 2020 quando foi alvo de uma operação que investigava o desvio de R$ 1,5 bilhão. A esposa de Oliveira na época, Lucinara, também foi presa, embora tenha sido liberada alguns meses depois.

A prisão preventiva do Rei do Bitcoin foi decretada dentro da Operação Daemon, cujo objetivo era apurar a prática de crimes falimentares, de estelionato, lavagem de capitais, organização criminosa, além de delitos contra a economia popular e o sistema financeiro nacional.

Em abril do ano passado, Oliveira foi condenado em primeira instância a oito anos de prisão por estelionato e crimes contra o sistema financeiro, sendo obrigado a recorrer dentro da prisão.

Na sentença, o juiz ressaltou que o Bitcoin Banco fingia operações de compra e venda de criptomoedas que só existiam nos balanços da empresa. A prática ficou conhecida na época como girinho, giropeta ou arbitragem infinita, no qual os usuários foram levados a acreditar que faziam trades entre duas corretoras do mesmo grupo — a NegocieCoins e a TemBTC — com ganhos fixos e certos em cada operação.

Publicidade

Os supostos lucros, contudo, só existiam dentro do sistema da empresa e milhares de pessoas ficaram no prejuízo quando o Bitcoin Banco travou os pagamentos em maio de 2019.

Atualização: Após a publicação desta reportagem, Claudio Oliveira e Suellen Borges apagaram as contas que mantinham no TikTok. Confira abaixo os desdobramentos do caso

Rei do Bitcoin: Claudio Oliveira apaga conta no TikTok após ser exposto por reportagem

  • Como será o mercado de criptomoedas em 2023? Clique aqui e descubra no relatório gratuito do time de Research do MB
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Dificuldade de mineração do Bitcoin cai 7,8%, maior recuo desde o colapso da FTX

Dificuldade de mineração do Bitcoin cai 7,8%, maior recuo desde o colapso da FTX

O recuo substancial do preço do Bitcoin desde março prejudicou a renda do setor de mineração em geral
Imagem da matéria: Sony vai lançar corretora de criptomoedas no Japão

Sony vai lançar corretora de criptomoedas no Japão

Uma subsidiária da Sony adquiriu a exchange de criptomoedas WhaleFin no ano passado e agora a renomeou para S.BLOX, preparando-se para relançá-la
Joe Biden posa para foto

Biden vira sobre Kamala: mercados de criptomoedas esperam que o presidente seja indicado

Apostadores de criptomoedas no popular mercado de previsões Polymarket novamente favorecem Joe Biden como candidato dos democratas
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Justiça dos EUA mantém maior parte do processo da SEC contra a Binance

Autoridade regulatória alega na ação judicial que a maior corretora de criptomoedas vendeu produtos e serviços sem autorização