Imagem da matéria: Reguladores dos EUA vão investigar acesso de americanos à Binance, diz Bloomberg
Foto: Shutterstock

A Comissão de Negociação de Contratos Futuros de Commodities (CFTC), regulador americano de bancos e mercado de ações, vai investigar se a Binance está permitindo aos americanos a compra e a venda de derivativos não regulados no país. As informações são do Bloomberg, em publicação nesta sexta-feira (12).

Segundo o jornal, que ouviu pessoas familiarizadas com o assunto que pediram para não serem identificadas, essa investigação é o mais recente sinal de que os reguladores podem frustrar as ambições do mercado de criptomoedas de se tornar mais popular para os investidores americanos.

Publicidade

A CFTC considera as criptomoedas, como Bitcoin e Ether por exemplo, como commodities; logo, exige regulação de seus futuros e derivativos, disse o jornal.

Isso significa que as exchanges de criptomoedas enfrentam rígidas exigências de proteção e supervisão do cliente se os americanos estiverem negociando nelas — independentemente de onde as exchanges estão localizadas. A Binance tem sede em Cingapura, mas possui escritórios em vários países, ressaltou a reportagem.

Procurada pelo Bloomberg para comentar o assunto, a Binance disse em nota que nunca comenta sobre suas comunicações com os reguladores, acrescentando que a empresa está comprometida com o cumprimento das normas.

Afirmou, porém, que bloqueia residentes nos EUA de seu site e usa tecnologia avançada para analisar depósitos e retiradas em busca de sinais de transações ilícitas.

Publicidade

“Temos uma abordagem colaborativa ao trabalhar com reguladores em todo o mundo e levamos nossas obrigações de compliance muito a sério”, disse a exchange. Segundo o jornal, a CFTC não quis comentar.

Pelo Twitter, o CEO da Binance, Changpeng Zhao, afirmou que o caso era apenas FUD.

Caso da Binance lembra Bitmex

A ascenção das criptomedas atrai a atenção de reguladores e autoridades que estão preocupados com o comércio ilegal, manipulação, lavagem de dinheiro e violações de sançõe, acrecentou o Bloomberg, citando o caso da Bitmex, comandada por Arthur Hayes.

A exchange já foi a maior corretora de derivativos do mundo, ao menos quando falamos de bitcoin. Contudo, carrega um estigma negativo de ‘cassino sem leis’, por permitir que seus clientes se alavanquem até 100x.

Em outubro passado, a CFTC acusou a BitMEX de lavagem de dinheiro, operação ilegal nos EUA.

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração de uma lâmpada flamejando B de bitcoin

MB lança Fist, primeiro token de Renda Variável Digital no setor de energia elétrica

O investimento, disponível pela primeira vez para pessoa física, possui validade de 30 anos, com dividendos que variam de 0,9% a 1,2% ao mês
máquinas de mineração de criptomoedas apreenidas em

Polícia apreende 396 mineradoras de Bitcoin em casa de ex-deputado paraguaio

Miguel Cuevas, que já foi preso por enriquecimento ilícito, agora pode também ser investigado por furto de energia
Imagem da matéria: Minerador sortudo de Bitcoin resolve bloco sozinho e fatura R$ 1 milhão

Minerador sortudo de Bitcoin resolve bloco sozinho e fatura R$ 1 milhão

Minerador solo completou o bloco 843.231 do Bitcoin usando software da CKpool
tornado cash 1

Desenvolvedor do Tornado Cash é condenado a 5 anos de prisão por lavagem de dinheiro

“O Tornado Cash, em sua natureza e funcionamento, é uma ferramenta destinada a criminosos”, disse um dos juízes ao condenar Alexey Pertsev