Imagem da matéria: Questões sociais são desafio para debate do Bitcoin, diz autor de livro da Editora Portal do Bitcoin
(Foto: Shutterstock)

O mais complexo do Bitcoin não são os aspectos técnicos como a mineração de novas moedas, a validação de blocos e o funcionamento de carteiras cold wallet. O desafio maior está em conceitos bem mais tangíveis, como inflação e deflação, meio-ambiente e valor intrínseco.

A análise é de Breno Brito, autor do livro “101 Perguntas sobre Bitcoin”, que será lançado nesta quarta-feira (21) pela Editora Portal do Bitcoin em Brasília, na Livraria da Travessa às 19 horas (CASAPARK – SGCV/Sul Lote 22 – 4A, Guará, Brasília, DF).

Publicidade

O autor contou em entrevista ao Portal do Bitcoin os maiores desafios de escrever o livro, que ele aponta como “as vacas sagradas”: conceitos amplos e bem difundidos na sociedade que o escritor entende como errados. “Nesse gastei mais tempo e mais páginas. A parte técnica você descreve como a carteira funciona e acabou. É complexo, mas é apenas isso. Nas vacas sagradas leva um bom tanto de desconstrução de conceitos”, afirma.

Brito se classifica como maximalista e afirma que o máximo que outras criptomoedas podem fornecer é um ambiente de testes e um termômetro para saber quais tecnologias tem tração e demanda. “De resto, sobra o jogo especulativo”.

Segundo o autor, a obra foi pensada para pessoas que ou não sabem nada ou estão no começo da jornada do Bitcoin. Porém, ele alerta: “Trago muitas curiosidades, todas com fontes. Quem já conhece bem Bitcoin vai se divertir lendo o livro”.

Breno Brito, autor do livro, é formado em Engenharia Elétrica pela Universidade de Brasília. Atualmente, trabalha como especialista na fusão entre Bitcoin e Inteligência Artificial, com modelos de linguagem de conhecimento geral, técnico e de código. Em sua trajetória profissional, atuou como cientista de dados sênior no Mercado Bitcoin.

Publicidade

Leia abaixo a entrevista com Breno Brito:

Para qual tipo de público o livro se destina: os já iniciados no Bitcoin ou pessoas que tem já boa ideia dos conceitos?

Escrevi para pessoas que são como eu era em 2013: conhece sobre Bitcoin, sabe que existe, mas quer saber mais e fica perdido com tantas fontes de informação. Busquei ser abrangente, abordar economia, aspectos sociais e técnicos. Por isso que começo o livro explicando o problema que o Bitcoin vai resolver, para que o Bitcoin está aqui, por que o Bitcoin importa e por que a gente precisa do Bitcoin. Para depois começar a trazer um pouco de história, aspectos técnicos, aspectos econômicos.  Bitcoin é um assunto cheio de mitos, então quero ajudar a pessoa que está saindo do zero ou perto disso a chegar a um nível que se sinta confortável para poder conversar com os colegas de trabalho, para poder pesquisar na internet e sem ficar com medo de ser vítima de golpe. 

Porém, trago também várias curiosidades, todas com fontes. Então é algo que mesmo uma pessoa que já entende e já conhece o Bitcoin, provavelmente vai se divertir bastante lendo esse livro. 

Qual o conceito mais complexo de explicar sobre o Bitcoin?
Olha, não dá para elencar um, são vários. Por exemplo, é muito difícil a gente entender algo que não é linear. Se algo sobe de um para dois, depois para três, a pessoa entende fácil. Agora, algo que sai desse padrão e vai para o exponencial: de um para dez, depois 100 mil e vai para 1 milhão. Isso é uma coisa que é muito difícil para o nosso cérebro entender. É muito difícil traduzir isso de maneira curta e didática. 

Publicidade

Quais mitos sobre o Bitcoin você tenta esclarecer com mais afinco? 
A questão do valor intrínseco, pois muitas pessoas dizem que o Bitcoin não tem valor intrínseco. Mas a sociedade já usa a teoria do valor subjetivo pelo menos há dois séculos. A questão da inflação: a maioria dos economistas dizem que uma inflação de 2% ao ano é boa e qualquer deflação é um perigo. O suposto dano ambiental que o Bitcoin produz, que é apenas uma narrativa para atacar o Bitcoin. Cada um desses temas, que são meio que vacas sagradas da atualidade, eu tenho que ir desmontando com mais cuidado. 

Diferente de, por exemplo, um tema técnico que também é difícil, mas eu posso falar: “A carteira funciona desse jeito” e pronto, acabou. É muito mais descritivo enquanto nesses outros temas, nas vacas sagradas, tem que ir desconstruindo aos poucos com muito mais cuidado e ter um pouco mais de trabalho, cada um ficando um texto mais extenso.

Você é maximalista ou vê valor em outras criptomoedas? 
Sim, sou maximalista. O Bitcoin é feito para resistir a grandes ataques de estados nações. Essa é a dor que o Bitcoin está resolvendo. Qual é o problema que essas outras criptomoedas estão de fato tentando resolver? Para elas, o que sobra é um jogo especulativo. 

Outras redes podem ter algum valor como ambientes de teste. Se a tecnologia tem tração e demanda, chegará um momento de levar para um sistema melhor e mais seguro que é o Bitcoin. 

VOCÊ PODE GOSTAR
Pessoas formam um círculo para mostrar seu bitcoin uns aos outros

Holders de longo prazo voltam a acumular Bitcoin pela 1ª vez desde dezembro

Novas concentrações de BTC ocorrem após vários meses de vendas, diz o novo relatório da Glassnode
Máquinas alinhadas em um centro de mineração

Gigante de mineração de Bitcoin em formação? Riot revela plano de aquisição da Bitfarms

A Riot Platforms fez uma oferta inesperada para comprar a Bitfarms em um movimento para criar a maior empresa de mineração de capital aberto
Maquinas mineração de Bitcoin apreendidas em La Colmena, Distrito de Paraguarí

Paraguai apreende centenas de máquinas de mineração de Bitcoin em nova ofensiva ao setor

Autoridades já confiscaram mais de 9.000 mil equipamentos nas últimas semanas
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Bitcoin cai 3% antes da decisão sobre taxa de juros e relatório de inflação dos EUA

Manhã Cripto: Bitcoin cai 3% antes da decisão sobre taxa de juros e relatório de inflação dos EUA

Federal Reserve não deve cortar taxa de juros, já que os dados da inflação ainda não estão no cenário ideal para as autoridades dos EUA