Imagem da matéria: Quênia suspende escaneamento de olhos da Worldcoin no país
(Foto: Divulgação/Worldcoin)

O Ministério do Interior do Quênia anunciou nesta quarta-feira (2) a suspensão do polêmico projeto de criptomoedas Worldcoin no país, de acordo com um anúncio oficial publicado na página do Ministério no Facebook.

Esta decisão, de acordo com o ministério, é uma medida de precaução, para garantir a segurança pública. A suspensão persistirá até que as agências competentes possam avaliar e certificar o projeto como isento de riscos.

Publicidade

Decrypt entrou em contato com as autoridades quenianas e com a Worldcoin, mas nenhuma das partes respondeu ainda.

Leia também: Worldcoin (WLD): como funciona a criptomoeda promovida pelo criador do ChatGPT

O projeto Worldcoin, criado pelo CEO da OpenAI, Sam Altman, tem sido bastante questionada por defensores de questões de privacidade. O projeto escaneia as íris do olho humano e fornece aos indivíduos um passaporte digital.

A empresa afirma que essas identidades mundiais serão cruciais à medida que a inteligência artificial vem se tornando mais influente e permitirá que os humanos provem que não são robôs.

No entanto, a legalidade desta coleta de dados, iniciada há apenas nove dias, levantou uma série de dúvidas. A principal preocupação gira especificamente em torno das condições de armazenamento desses dados biométricos sensíveis.

Em resposta a essas preocupações, os reguladores europeus intensificaram a verificação da Worldcoin. França, Alemanha e Reino Unido estão entre os países que já iniciaram investigações sobre este controverso projeto cripto.

Publicidade

O Gabinete do Comissário de Informação do Reino Unido (ICO)  declarou que as organizações precisam realizar uma avaliação de impacto sobre a proteção de dados antes de começar a processar dados de “alto risco”.

Escaneamento dos olhos

Apesar desses obstáculos, os orbs da Worldcoin — dispositivos que realizam as varreduras de íris — ainda estão em operação nesses países. Especificamente, dois estão situados na Inglaterra, um na França e dois na Alemanha. Além disso, existem atualmente 366 orbs ativos em todo o mundo, com um total de 2 mil unidades já fabricadas e preparadas para implantação.

Abordando essas preocupações com a privacidade, a Worldcoin escreveu em seu site que o projeto é “totalmente compatível com todas as leis e regulamentos que regem a coleta e transferência de dados biométricos, incluindo o Regulamento Geral de Proteção de Dados da Europa (GDPR).”

Enquanto Altman tem alegado que uma pessoa está sendo verificada a cada oito segundos, a Worldcoin anunciou planos para aumentar o número de orbs nas principais cidades nos próximos meses para multiplicar por cinco a capacidade de inscrições.

Publicidade

De acordo com o contador ao vivo no site da Worldcoin, mais de 2 milhões de pessoas de 120 nacionalidades diferentes em 34 países já se inscreveram.

O elevado número de inscrições deve-se em grande parte ao incentivo oferecido pelo projeto. Voluntários recebem 25 tokens WLD em troca de uma imagem das suas íris.

Listado recentemente nas principais exchanges, o token tinha o preço de US$ 2,39 na manhã desta quarta. A máxima histórica de preço do token é de US$ 7,50.

*Traduzido por Gustavo Martins com autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Com gestão de R$ 350 milhões, BLP Crypto traz novo sócio e passa a se chamar B2V Crypto

Com gestão de R$ 350 milhões, BLP Crypto traz novo sócio e passa a se chamar B2V Crypto

A B2V Crypto registra mais de 5 mil cotistas em seus fundos de investimento
Ilustração do logotipo da criptomoeda Ethena (ENA) envolta a um gráfico de preço

Ethena Labs revolta comunidade ao forçar mudança na economia do token ENA

A exigência de bloqueio de 50% de tokens oriundos do airdrop provocou uma queda no preço do token ENA
Desenho de uma caixa sustentada por paraquedas

ZkSync fará airdrop de 3,7 bilhões de tokens ZK nas carteiras dos usuários na próxima semana

Não haverá período de bloqueio para o airdrop da comunidade, mas a distribuição foi limitada a 100 mil tokens por carteira
Imagem da matéria: Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Hacks de criptomoedas roubaram US$ 19 bilhões desde 2011 e atividades ilegais seguem crescendo

Relatório da Crystal Intelligence mostra que em 13 anos ocorreram 785 casos de roubos de criptomoedas, no valor total de US$ 19 bilhões