Imagem da matéria: Queda das criptomoedas gera onda de liquidações e US$ 77 bilhões evaporam do mercado 
Foto: Shutterstock

A forte queda que o Bitcoin (BTC) e o restante das principais criptomoedas do mercado apresentam nesta sexta-feira (10) estão gerando uma nova onda de medo nos investidores, que passam a diminuir a exposição de seus fundos ao segmento.

O resultado é que a capitalização de mercado total das criptomoedas diminuiu em cerca de US$ 77 bilhões nas últimas 24 horas, segundo dados do CoinMarketCap

Publicidade

Se ao meio-dia de quinta-feira (9) o valor de mercado total das criptomoedas se mantinha pouco acima de US$ 1 trilhão, o importante nível foi perdido, com o market cap ficando por volta de US$ 923 bilhões — número que no início da manhã chegou a atingir um piso de US$ 912 bi.

Outro dado que concretiza o impacto desses temores é o número de liquidações no mercado cripto no último dia. Dados do Coinglass mostram que 135,3 mil traders foram liquidados nas últimas 24 horas, com o total de liquidações chegando a bater US$ 419,75 milhões.

Do total do valor liquidado, 86,2% eram de posições compradas (long) no mercado de futuros, que apostam na alta das criptomoedas. Com a tendência contrária se formando nesse mercado, as posições foram liquidadas gerando prejuízo ao investidor.

Os traders de Bitcoin foram os que sofreram perdas maiores (cerca de US$ 143,6 milhões), logo acompanhados por aqueles que negociavam Ethereum, que enfrentaram US$ 106 milhões em liquidações.

Publicidade

Por que as criptomoedas estão caindo?

Bitcoin e Ethereum amanheceram nesta sexta-feira (10) em queda de 8% e 9%, respectivamente, como efeito de duas notícias principais: a crise do banco Silicon Valley Bank, utilizado por diversas empresas cripto; e um pronunciamento polêmico da procuradora-geral de Nova York, Letitia James, de que Ethereum se enquadra na definição de valor mobiliário.

Essas novas notícias negativas para o setor se somaram às outras preocupações que já atingiam investidores desde o início da semana, como o colapso do Silvergate Bank — tudo isso em meio a um cenário macroeconômico pouco animador para mercados de risco.  

Ao Portal do Bitcoin, o especialista em criptomoedas Marcel Pechman disse nesta manhã que a piora no mercado cripto segue o mau humor dos mercados internacionais após a fuga de capital dos bancos médios nos EUA.

“Embora o movimento tenha se iniciado com o Silvergate, a desconfiança rapidamente se espalhou quando o Silicon Valley Bank, o banco das startups, anunciou prejuízo extraordinário e chamada para aumento de capital. Pra completar com chave de ouro, o gigante de investimentos Credit Suisse, que já andava mal das pernas há mais de um ano, foi impedido de publicar seu balanço financeiro à pedido do regulador norte-americano SEC. Onde havia fumaça, surgiu fogo, e rapidamente o humor dos investidores piorou”, avaliou.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Pump.fun: site que permite criar memecoin por apenas R$ 15 bate recorde de atividade

Pump.fun: site que permite criar memecoin por apenas R$ 15 bate recorde de atividade

Entre os 14.500 tokens lançados na Solana por meio do pump.fun, milhares eram baseados na GameStop
Imagem da matéria: 8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

8 ETFs de Ethereum à vista são aprovados pela SEC nos EUA

Expectativa agora é que Ethereum possa renovar sua máxima histórica de novembro de 2021 e passar com folga a marca dos US$ 5 mil
Imagem da matéria: Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Entendendo as tecnologias por trás da tokenização de ativos | Opinião

Apesar de chamara cada vez mais atenção, muitas pessoas ainda não sabem o que é a tokenização de ativos e como ela funciona
Imagem da matéria: Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

Caso Sbaraini: advogado tenta acordo, mas vítimas podem demorar 5 anos para recuperar investimentos

A Sbaraini, que operava criptomoedas, parou de pagar seus clientes após uma operação da Polícia Federal apontar para um esquema de lavagem de dinheiro dentro da empresa