Imagem da matéria: Por que o preço do Bitcoin e das criptomoedas está derretendo
Shutterstock

O preço do Bitcoin (BTC) caiu abaixo da simbólica marca de US$ 20 mil nesta sexta-feira (10), registrando uma desvalorização que já chega a 15% nos últimos sete dias, após um começo de ano histórico de forte recuperação. Por volta das 11h30, o BTC é cotado a US$ 19.861 segundo o indexador de preços CoinGecko, com queda de 8%. Em reais, a criptomoeda vale R$ 102.661, de acordo com o Índice de Preço do Bitcoin (IPB). O Ethereum (ETH) também cai mais de 9%.

Segundo analistas consultados pelo Portal do Bitcoin, os motivos para a queda nos preços são diversos. O pano de fundo é o cenário macroeconômico, com os Estados Unidos lutando contra a inflação, o que gera a possibilidade de que as taxas de juros dos país possam voltar a subir – tornando menos atraentes investimentos mais arriscados, como criptomoedas e ações.

Publicidade

O grande nome que surge como vilão especificamente nesta sexta-feira, no entanto, é o do Silicon Valley Bank (SVB), considerado o banco que mais financia startups – inclusive no setor cripto. 

Na quinta-feira (9), conforme aponta o portal Bloomberg Línea, o banco em crise precisou vender US$ 2,25 bilhões em ações de um portfólio, realizando um prejuízo considerável para conseguir gerar rápido uma liquidez. Como resultado, as ações despencaram 60% na quinta-feira (9), chegando ao pior patamar desde 2016.

O Silicon Valley Bank era apontado como um dos principais pontos de apoio para players do mercado após o colapso do Silvergate Bank. Agora parece que há um contágio de um para o outro, com uma corrida de saques testando as reservas bancárias da instituição financeira.

Setor bancário em crise

O analista financeiro especialista em criptomoedas Marcel Pechman disse que piora no mercado de criptomoedas segue o mau humor dos mercados internacionais após a fuga de capital dos bancos médios nos EUA.

Publicidade

“Embora o movimento tenha se iniciado com o Silvergate, a desconfiança rapidamente se espalhou quando o SVB, o banco das startups, anunciou prejuízo extraordinário e chamada para aumento de capital. Pra completar com chave de ouro, o gigante de investimentos Credit Suisse, que já andava mal das pernas há mais de um ano, foi impedido de publicar seu balanço financeiro à pedido do regulador norte-americano SEC. Onde havia fumaça, surgiu fogo, e rapidamente o humor dos investidores piorou”, disse.

Pechman resume: “O foco segue a macroeconomia, risco de recessão, e desespero dos EUA para estancar o déficit”.

O analista Adam Crisafulli, da Vital Knowledge, disse em entrevista à Bloomberg que “[Silvergate e SVB] na verdade, são vítimas do mesmo fenômeno, à medida que o aperto do Fed (O BC americano) extingue a ‘espuma’ daquelas partes da economia com mais excesso – e é difícil encontrar mais excesso do que em startups cripto e de tecnologia”.

Lucas Passarini, especialista de trade do MB (Mercado Bitcoin), confirma que no ambiente cripto o recente anúncio do encerramento das atividades do banco Silvergate e uma nova proposta de taxação a mineradores nos EUA também aumentou a pressão vendedora.

Quanto ao cenário macro, afirma: “Mercados globais passaram a ser impactados essa semana por conta das falas recentes do presidente do banco central americano, Jerome Powell, somado também as expectativas dos dados do payroll para essa sexta feira [dado mensal sobre o nível de emprego nos Estados Unidos]”.

Publicidade

Quebra do Silvergate ainda afeta mercado

O fundador da Nox Bitcoin, João Paulo Oliveira, ressalta que o Silvergate Bank era a principal infraestrutura para corretoras globais de criptomoedas e que sua quebra foi muito danosa ao mercado.

O especialista lembra que quedas violentas no preço do Bitcoin já ocorreram em 2014 e 2018, mas o cenário agora é diferente. “Não é só sobre Bitcoin, pois todos os mercados de risco foram afetados pelo excesso de liquidez que houve na pandemia. Eram juros baixos, muito dinheiro e estímulos de governos no mundo todo. Isso fez com que os ativos de risco subissem muito e, principalmente, criptomoedas”.

Oliveira aponta que o crescimento acelerado sempre tem efeito colateral: as empresas começam a se planejar com o dinheiro do momento, contratar gente, infraestrutura, e o custo explode. “Agora estamos vendo um efeito contrário, já que as receitas despencaram e as empresas assumiram compromissos como funcionários caros, tecnologias caras, tudo isso é custo”.  

Investimento em cripto é afetado pelos juros

O cofundador e CMO da QR Capital, João Paulo Mayall, explica que a tese de investimento do Bitcoin é atraente durante períodos de expansão monetária, o que tende a resultar em aumentos significativos de preço.

“No entanto, em momentos de aperto monetário, é comum observarmos o oposto. A recente alta recorde nos juros nominais americanos, combinado com a maior contração do agregado monetário (M2) dos últimos 93 anos, tem levado a uma busca acelerada por liquidez, o que resulta em ajustes nos preços de ativos, incluindo o Bitcoin”, diz Mayall.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
trader segura moeda de bitcoin em frente a grafico em computador

Bolsa de Chicago planeja lançar negociação de Bitcoin à vista, diz jornal

O objetivo é capitalizar a crescente demanda este ano entre os gestores de Wall Street para ganhar exposição ao setor de criptomoedas
Sob um banco de madeira três criptomoedas ao lado de um celular com logo do Nubank

Nubank libera envio e recebimento de criptomoedas de carteiras externas

Já estão disponíveis para essas transações Bitcoin, Ethereum e Solana; outras moedas e redes serão adicionadas em breve
bitcoin brilhando na mão

Semler Scientific investe US$ 40 milhões em Bitcoin e ações disparam 25%

As ações da Semler Scientific subiram 25% após a entidade anunciar a adoção do Bitcoin como principal ativo de reserva do tesouro
Imagem da matéria: Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Bitcoin entra em onda de alta e atinge o seu maior preço desde o halving

Dados do CoinGecko mostram que o Bitcoin subiu cerca de 3% no último dia e no período de uma semana valorizou em 9%