Imagem da matéria: Quebrando fronteiras: a jornada de um artista queer no mundo NFT
Yuyu é um artista multimídia que pssou a fazer NFTs (Foto: Mattis Meichler/Decrypt)

O trabalho do artista taiwanês YuLiang “YuYu” Liu não é para os fracos de coração.

Misturando diferentes meios, como fotografia, arte digital e performance, suas criações são fortemente influenciadas por sua própria jornada pessoal como estrangeiro na Europa e membro das comunidades asiática e queer.

Publicidade

“Como artista queer e como estrangeiro que veio para a Europa, lutei no começo. Uso minha arte para aumentar a representação de cada comunidade”, diz ele ao Decrypt. “É uma jornada de autodescoberta”.

Em um campo dominado por homens heterossexuais, o trabalho de YuYu lança luz sobre uma voz diferente, que é altamente pessoal e permite que toda uma comunidade se sinta representada.

“Uso meu trabalho para aumentar a conscientização e a representação da comunidade LGBT. E acho que é particularmente importante no espaço NFT e cripto”, diz ele. “Ainda há uma lacuna em relação ao mundo da arte tradicional em termos de representação. Ainda recebo muitas mensagens de ódio dos ‘crypto bros’ no Twitter.”

Para esta primeira exposição NFT solo chamada “GAG”, YuYu decidiu transformar completamente o espaço da galeria IHAM em Paris para criar um ambiente imersivo que refletisse sua própria identidade e jornada como artista.

Todos os móveis foram cobertos com filme plástico, algo também usado em festas de sexo — facilita a limpeza do local depois. Uma luz vermelha esmaecida envolve todo o espaço e é acompanhada por uma paisagem sonora industrial criada em colaboração com o produtor musical londrino Marcel Dune.

Publicidade

Três novas obras de arte estão em exibição, emprestando elementos de pinturas clássicas e da cultura BDSM. Cada um examina a dinâmica do poder nas sociedades modernas: as restrições da religião, da política e do eu. Eles também foram disponibilizados para venda pública como NFTs no SuperRare nesta quinta-feira (11).

“Essas são ainda mais pessoais do que as que fiz até agora”, diz YuYu. Se o humor que caracteriza o seu trabalho ainda está presente, é muito mais sombrio, com temas de morte e sofrimento presentes ao longo do filme.

As referências BDSM também visam enfatizar o conceito do chamado gênio torturado, explorando os temas de dominação e submissão e a maneira como as lutas que os artistas enfrentam são frequentemente fetichizadas.

Indiscutivelmente, a obra de arte mais impressionante, “Joke’s on You”, é inspirada no silêncio em torno da morte de pacientes com AIDS há duas décadas.

Publicidade

“É autorreflexão”, diz ele. “Como minoria, se eu não falar por mim mesmo, consequências ruins virão. Também me representa tentando me encaixar no mundo ocidental. Estou vestido com esses acessórios de estilo romântico.”

“Também me trato como uma piada, criticando o fato de que talvez eu tenha feito algo errado”, continua YuYu. “Finalmente, o cenário – com essas flores dispostas ao redor da obra de arte – simboliza um funeral. É a morte do velho YuYu, o começo de um novo capítulo.”

A jornada de YuYu: antes e agora

Ao substituir seu rosto e corpo pela figura existente nas obras de arte clássicas, YuYu confronta sua própria identidade como artista asiático e gay com os códigos tradicionais da Era de Ouro européia, particularmente os mestres flamengos do século XVII como Vermeer ou Rembrandt.

Como ele explica, suas criações “estabelecem realidades imaginativas projetadas para abalar as estruturas sociais conservadoras e a história da arte queer”.

YuYu, que possui mestrado em arquitetura, iniciou sua jornada na arte quando se mudou para Berlim em 2015. Trabalhando primeiro como modelo para fotógrafos, ele rapidamente decidiu se tornar um fotógrafo. Paralelamente, trabalhou com o companheiro como organizador de festas de música eletrônica.

Publicidade

A partir de então, ele começou formalmente sua carreira como artista. Lançou uma exposição individual no SoHo House Berlin, foi publicado em revistas e livros, e sua arte até se tornou parte da coleção permanente da Fundação Tom of Finland em Los Angeles, Califórnia.

Mas quando o Covid-19 atingiu, tudo parou.

Foi quando YuYu descobriu os NFTs e começou a fazer experiências com esse novo meio.

“Para mim, a fotografia é a maneira mais fácil de se comunicar com o público”, explica. “Mas entrar no campo da Web3 abriu portas que eu não poderia ter aberto de outra forma. Os NFTs não apenas me permitiram construir uma rede global para minha prática, mas também oferecem novas ferramentas para combater a rigidez do mundo da arte tradicional.”

*Traduzido autorização do Decrypt.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: 5 coisas para saber sobre o lançamento do token do Notcoin

5 coisas para saber sobre o lançamento do token do Notcoin

Quando o token NOT será lançado? Qual o futuro para a Notcoin? É melhor fazer stake dos tokens? Preparamos um resumo para você
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Manhã Cripto: Câmara dos EUA aprova nova lei cripto em dia decisivo para ETFs de Ethereum

Nesta quinta-feira termina o prazo para a SEC aprovar ou rejeitar o ETF de Ethereum da VanEck
Imagem da matéria: ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

ABCripto lança campanha de arrecadação de criptomoedas em apoio a vítimas de enchentes no RS

Ação conjunta da ABcripto e associados visa levantar fundos e doações para desabrigados das inundações
celular com logo GameStop com fundo azul

Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

O súbito ressurgimento das ações “memes” nesta semana rendeu uma pequena fortuna aos traders que nunca desistiram das loucuras de 2021