pilha de bitcoin
Foto: Shutterstock

Desde sua criação, há pouco mais de uma década, o preço do Bitcoin aumentou muito e rapidamente, tornando-se um dos ativos de melhor desempenho nos últimos anos. Isso naturalmente gera curiosidade: quantos bitcoins você precisa ter para figurar entre os mais abonados?

Um critério pelo qual isso pode ser medido é o “Clube do 1%”; isto é, alguém entre os 1% dos maiores detentores de bitcoins em todo o mundo.

Publicidade

Em fevereiro de 2020, Jake Levison, um analista do Blockworks Group, twittou que, “Se você possui 0,28 BTC, está estatisticamente garantido que estará no 1% mais rico do mundo em termos de BTC”.

O raciocínio de Levison é que “se você possui 0,28 BTC, apenas 1% do mundo será capaz de possuir mais do que você.” O raciocínio por trás do número, como o ex-diretor de produto do Google Steve Lee tuitou em 2018, é que se você dividir a oferta máxima de 21 milhões de bitcoins por um por cento da população mundial atual de 7,5 bilhões, você obtém … 0,28.

Claro, isso não leva em consideração o fato de que nem todos os 21 milhões de Bitcoins foram minerados ainda, ou o fato de que há milhões de Bitcoins perdidos que distorcem o número, ou o fato de que o bitcoin não está distribuído uniformemente entre os endereços .

Isso é apenas um cálculo; outra teoria rival sugere que você precisa de um investimento muito maior de 15 bitcoins para se juntar ao clube do 1%. A preços de hoje, são mais de US$ 170.000 (aproximadamente R$ 1 milhão).

Publicidade

De acordo com um gráfico publicado pela Blocklink, 15 bitcoins é a número certo. A Blocklink chegou a essa conclusão desconsiderando os dados de carteira e de endereço e assumindo que não houve perda de Bitcoin em seus cálculos de 25 milhões de proprietários de Bitcoin. O estudo também considerou a lei de potência aplicada à distribuição da riqueza do bitcoin, que era vista como equivalente à riqueza global.

De acordo com esse cálculo, são necessários 15 BTC para estar entre o 1% dos maiores detentores. Fonte: Blocklink.info

Na época de seu estudo, em 2018, a Blocklink também afirmou que 225.000 proprietários de Bitcoin detinham essa quantidade de Bitcoin, tornando o clube de 1% bastante exclusivo.

No entanto, estudos diferentes fazem suposições diferentes e, como não há uma maneira precisa ou transparente de identificar quem possui quais endereços, é realmente muito difícil saber quantos BTCs você precisaria para estar no topo.

As “baleias invisíveis” do Bitcoin

É possível fazer uma estimativa, mas chegar a números precisos é difícil porque os dados são distorcidos por mudanças no número exato de detentores de Bitcoins, o total de Bitcoins perdidos e o número total de carteiras.

Publicidade

Para começar, vários endereços de bitcoin podem pertencer à mesma pessoa. Em segundo lugar, muitas exchanges de criptomoedas e outras empresas de custódia possuem bitcoin, mas o fazem em nome de seus clientes. “Acho que pode haver algumas baleias invisíveis no Bitcoin”, disse Elias Strehle, pesquisador do Blockchain Research Lab, ao Decrypt.

“Eu também acrescentaria que isso limita o poder explicativo dos dados na cadeia para determinar a adoção do Bitcoin e a concentração da riqueza do Bitcoin em geral”, disse Ingo Fiedler, cofundador do Blockchain Research Lab, também em conversa com a Decrypt.

Quem está no clube do 1% hoje?

É muito difícil identificar exatamente quem está atualmente entre os mais ricos e quantos bitcoins seriam esse 1%. Com isso dito, no entanto, este gráfico, publicado pela Bit Info Charts, nos dá alguns dados bons como ponto de partida.

Um gráfico mostrando como o Bitcoin é distribuído. Imagem: Bitinfocharts

Com base nesses números, o endereço único na parte inferior desta tabela possui 1,23% do total de Bitcoins em circulação, com um saldo entre 100.000 e 1.000.000. Essa carteira pertence a exchange Huobi e possuiu atualmente 227.502 BTC. No entanto, os fundos são de clientes.

Para fins de argumentação, também pode ser teoricamente possível que um endereço individual em qualquer uma das categorias acima também possua 1% da quantidade total de Bitcoin em circulação. No entanto, isso só seria possível se o ponto mais alto na faixa de equilíbrio do bitcoin fosse o suficiente para produzir uma parcela tão grande do Bitcoin total. Obviamente, o grupo do topo que possui um intervalo entre 0 e 0,001 está fora de questão.

Publicidade

Mesmo assim, como apontado pelo Blockchain Research Lab acima, a mesma pessoa pode possuir vários endereços de bitcoin. Portanto, esta metodologia não produziria necessariamente números precisos.

Levando em conta o estudo inicial da Blocklink, que dizia ser necessário 15 BTCs para estar entre os mais ricos, e os dados do Bitinfocharts, podemos concluir que pelo menos 16 mil endereços possuem mais do que essa quantidade.

*Traduzido e editado com autorização da Decrypt.co
VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Queda de 4% leva o Bitcoin abaixo de US$ 60 mil e provoca liquidações de US$ 307 mi

Manhã Cripto: Queda de 4% leva o Bitcoin abaixo de US$ 60 mil e provoca liquidações de US$ 307 mi

É a primeira vez desde o início de maio que o Bitcoin apresenta uma cotação tão baixa
Imagem da matéria: Baleia de Bitcoin adormecida com R$ 341 milhões começa a se movimentar 

Baleia de Bitcoin adormecida com R$ 341 milhões começa a se movimentar 

A baleia de Bitcoin há muito adormecida realizará um lucro de 817% se vender, após mover 1.000 BTC para a Coinbase
Moeda dourada de Bitcoin (BTC) sobre um gráfico de preço com candles indicando queda nos preços

Semana Cripto: Queda do Bitcoin derruba principais altcoins enquanto memecoins políticas permanecem voláteis

Bitcoin e Ethereum desabam em meio a narrativas sobre Mt. Gox e BTCs do governo da Alemanha
Ilustração mostra rosto de Michael Saylor, da Microstrategy, envolto a raios ourados

“Bitcoin vai custar até US$ 10 milhões no futuro”, diz Michael Saylor

O fundador da MicroStrategy disse que o Bitcoin oferece “imortalidade econômica” e que a China ainda se tornará uma forte defensora da moeda