Por que 21 milhões é a quantidade máxima de bitcoins que vão existir

A oferta do Bitcoin é limitada em 21 milhões. Mas por que Satoshi Nakamoto escolheu esse número específico? Existem pelo menos duas explicações plausíveis

Taxas média de transação do bitcoin supera R$ 18, maior patamar em dez meses
Foto: Shutterstock


O Bitcoin (BTC) foi projetado em torno do princípio de uma oferta finita. Isso significa que há um limite máximo fixo de quantos Bitcoin podem existir.

No caso do Bitcoin, o limite superior foi estabelecido por seu criador, Satoshi Nakamoto, em exatamente 21 milhões. Para outras criptomoedas, esse limite pode variar consideravelmente – variando de 18,9 milhões para Monero (XMR) e Dash a até 100 bilhões para outras como XRP e Tron (TRX).

A teoria da substituição da oferta monetária

Limitando sua oferta máxima e diminuindo a taxa em que novos Bitcoins são criados, Satoshi pretendia que cada unidade Bitcoin valorizasse ao longo do tempo.

De acordo com um e-mail supostamente compartilhado entre Nakamoto e Mike Hearn, contribuidor do Bitcoin Core, Satoshi argumentou que se 21 milhões de moedas fossem usadas por alguma fração da economia mundial, 0,001 BTC (1 mBTC) poderia valer cerca de 1 euro. Essa previsão se tornou realidade em 2013, quando o Bitcoin ultrapassou esse patamar; hoje, cada mBTC vale 8,25 euros.

Embora Satoshi compare o preço do Bitcoin ao Euro em seu e-mail, alguns cálculos simples indicam que ele pode ter uma visão muito maior do Bitcoin – melhor explicando por que o número máximo de 21 milhões foi escolhido.

No momento da criação do Bitcoin, o suprimento de dinheiro do mundo inteiro era de aproximadamente US$ 21 trilhões. Esse número, conhecido como suprimento monetário M1, é composto pelo valor total de todo o dinheiro físico do mundo, incluindo dinheiro, moedas, cheques de viagem e muito mais.

Se o Bitcoin crescesse para se tornar a moeda mundial única – substituindo todas as que o M1 é composto -, cada BTC valeria US$ 1 milhão. Como existem 100 milhões de satoshi em cada Bitcoin, isso colocaria o valor de cada satoshi em US$ 0,01.



O fato de esses números se alinharem tão estreitamente seria uma coincidência notável, se não for intencional.

A explicação alternativa

Embora a teoria da substituição da oferta monetária do M1 seja talvez a lógica mais plausível para o fato de Satoshi ter selecionado 21 milhões para ser o limite para o Bitcoin, há outra explicação possível – um pouco mais simples.

Olhando para os parâmetros usados ​​para controlar a oferta de Bitcoin, fica claro que o número de 21 milhões de BTC permite à rede garantir que os blocos sejam minerados em um período de tempo regular (10 minutos). Também garante que a quantidade de Bitcoin paga aos mineradores como recompensa em bloco diminua ao longo do tempo, à medida que a oferta máxima se aproxima de seu limite. Como se vê, os parâmetros que Satoshi estabeleceu para isso levam inevitavelmente à produção de um máximo de 21 milhões de BTC.

O código principal do Bitcoin atualmente ajusta a dificuldade de mineração para garantir que cada novo bloco seja extraído a cada 10 minutos, em média, independentemente da quantidade de hash apontada na rede. Com base nesse recurso, um total de 210.000 blocos deve ser extraído em cada ciclo de quatro anos, após o qual a recompensa do bloco é reduzida pela metade. O primeiro ciclo viu 50 BTC cunhados por bloco; isso foi reduzido para 25 BTC / bloco em 2012 e novamente para 12,5 BTC / bloco em 2016. Após a metade de 2020, ele atualmente fica em 6,25 / BTC.

Se você extrapolar isso para frente, verá que a soma das recompensas do bloco para cada ciclo é igual a 100 (50 + 25 + 6,25 +3,125, etc). Ao multiplicar esse número pelo número de 210.000 blocos / ciclo, você chega ao suprimento máximo possível de 21 milhões.

Então, o limite do Bitcoin é um gesto filosófico ou o produto da lógica matemática implacável? Somente Satoshi Nakamoto realmente sabe.

*Traduzido e republicado com autorização da Decrypt.co