Lupa mostra rosto de nota de 5 reais- ao lado uma calculadora
Foto: Shutterstock

O Banco Central anunciou nesta quinta-feira (27) que irá receber propostas de entidades interessadas em participar do projeto-piloto do Real Digital entre os dias 2 e 12 de maio. A quantidade de participantes no Piloto RD é limitada a até 10 instituições, selecionadas conforme critérios e procedimentos previstos no regulamento divulgado hoje pelo BC.

Poderão participar do projeto-piloto instituições autorizadas pelo BC que tenham necessariamente a capacidade de testar, com base em seu correspondente modelo de negócios, transações de emissão, de resgate ou de transferência dos ativos financeiros, bem como de executar a simulação dos fluxos financeiros decorrentes de eventos de negociação, quando aplicável ao ativo financeiro sujeito ao teste.

Publicidade

Servidores de outros órgãos e entidades reguladores do Sistema Financeiro Nacional (SFN) poderão participar do Piloto RD como observadores, a critério do CEG e mediante convite de seu coordenador.

Para conduzir o projeto, foi criado um Comitê Executivo de Gestão (CEG). As decisões foram tomadas por meio da Resolução BCB 315/2023 e do Voto 73/2023.

Como será o projeto piloto do Real Digital

O Banco Central detalhou no dia 10 de abril como será o modelo econômico do Piloto do Real Digital. A simulação de uma compra e venda de um título público federal entre duas pessoas é o teste máximo. 

Serão três produtos testados no piloto: a Central Bank Digital Currency (CBDC), o real tokenizado e o título público federal. De forma gradativa, cada uma adiciona uma maior camada de complexidade. 

Publicidade

“O interesse é que não seja difícil adicionar outros ativos nessa rede. Esse não é o escopo do Piloto, para deixar claro. Mas para destacar o potencial que tem por aí”, disse Marcus Sucupira, chefe-adjunto Departamento de Operações do Mercado Aberto.

No caso do CBDC, o único emissor é o Banco Central e os únicos aptos a receber são os participantes do Sistema de Transferência de Reservas (STR). Uma instituição que tenha mil reais no STR, transfere para a carteira do BC e recebe de volta R$ 1 mil em CBDC — com o experimento sendo feito na Hyperledger Besu (que é uma Distributed Ledger Technology, um tipo de blockchain privada).

Se a instituição quiser de volta o dinheiro, envia de volta os CDBCs, que são queimados pelo BC — esse cenário de queima de tokens é muito comum no mercado de criptomoedas

A tokenização permite um fracionamento. Ou seja, a entidade que recebe o CBDC pode enviar apenas uma fração para outra que também faça parte do STR. 

Publicidade

No caso do real tokenizado, o exemplo é quando um cliente de uma entidade quer enviar para outra pessoa atrelada a outra instituição. 

O primeiro passo é o remetente entregar o depósito tokenizado para sua entidade financeira, que irá destruir esse depósito. 

Títulos Públicos dentro do Real Digital

A carteira do Tesouro dentro da DLT cria o Título Público Nacional. É feito um leilão no mercado primário e a entidade vencedora, que faz parte do STR, entrega CBDC em troca do ativo. 

Na hora do resgate, a instituição entrega de volta o título para a carteira do Tesouro e recebe o CBDC do pagamento dos dividendos. O Tesouro, por sua vez, destrói o título.

“A gente quer exercitar o mercado secundário: compra e venda de título público entre instituições”, afirmou Sucupira. “O título que nasce na carteira do tesouro, volta para ela e é destruído lá. Assim como já acontece na Selic”, complementa — a diferença é que tudo isso irá ocorrer em uma DLT. 

Objetivos do piloto do Real Digital

O cenário mais completo do teste é a venda e compra entre pessoas físicas de um título público nacional. 

Neste caso, o comprador entrega um depósito tokenizado para a sua instituição. A entidade queima esses ativos e envia CBDC para o banco ou equivalente do vendedor do título. 

Publicidade

A instituição do vendedor criar real tokenizado do CBDC recebido e deposita real tokenizado na conta do vendedor. O último passo é o título ser transferido da carteira do vendedor para o comprador. 

Tudo isso é um smart contract: “Esses passos só acontecem ou todos juntos ou não acontece nada. Se não tiver CBDC suficiente, se o real tokenizado não for transferido, se qualquer etapa não puder ser atendida, nada acontece”, ressalta Sucupira. 

Segundo o executivo, “este é o cenário mais completo” que o BC vai operar nesse piloto o que “melhor ilustra o potencial que temos”.   

Piloto do Real Digital vai usar Hyperledger Besu 

Como foi anunciado no começo de março, o piloto do Real Digital vai rodar na Hyperledger Besu, uma plataforma de Distributed Ledger Technology (DLT), um modelo que é parecido com uma rede blockchain.

A Hyperledger é um ambiente digital criada pela Linus Foundation em 2015. Nos últimos anos sua versão chamada Fabric vem sendo muito utilizada no mercado cripto, mas não é uma plataforma boa para criação de tokens.

Trata-se de uma Distributed Ledger Technology — mas que não é chamada de blockchain por alguns detalhes. Por exemplo, nessa tecnologia nem sempre existe um processo de mineração sustentando a rede, além de outros mecanismos presentes de redes públicas, como Bitcoin e Ethereum.

Publicidade

Revisão das diretrizes

Em fevereiro de 2023, o BC já havia revisado as diretrizes do Real Digital, por meio do Voto 31/2023. Em alinhamento às diretrizes atualizadas, foi iniciado um projeto-piloto a partir de março, com os primeiros testes de uma plataforma para operações com o Real Digital, o Piloto RD – ambiente colaborativo para testes e desenvolvimento de uma plataforma com tecnologia de registro distribuído (sigla DLT em inglês) para o Real Digital – o blockchain é a DLT mais famosa.

Em 10 de abril de 2023, o BC organizou o Workshop do Piloto RD para debater as premissas do Piloto RD, com entidades representativas do SFN e do SPB, representantes de outras agências reguladoras e imprensa.

Durante a condução do Piloto RD, será criado um fórum para troca de informações e adequada orientação das expectativas em relação ao desenvolvimento dessa plataforma e dos testes propostos.

Esse canal de comunicação do corpo técnico do BC com as entidades representativas dos setores envolvidos permitirá ainda a discussão do estabelecimento de estratégias negociais e de desenvolvimento que sejam mais adequadas às necessidades da sociedade brasileira.

VOCÊ PODE GOSTAR
Agentes da Polícia Federal emoperação contra russos radicados noBrasil

PF faz operação contra mexicano que se associou a pirâmide com criptomoedas no Brasil

Acusado também afirmava ser representante de uma marca italiana de carros, convencendo pessoas a investir em uma criptomoeda que ele mesmo criou
moeda de bitcoin com bandeira dos EUA no fundo

Proprietários de criptomoedas são uma força na eleição dos EUA de 2024, diz estudo

Quase um em cada cinco eleitores possui criptomoedas, o que os torna um eleitorado potencialmente poderoso em novembro, segundo a Galaxy Digital
Imagem da matéria: STF autoriza extradição de belga preso no Brasil por operar pirâmide com criptomoedas

STF autoriza extradição de belga preso no Brasil por operar pirâmide com criptomoedas

De acordo com as investigações, a pirâmide criada pelo belga prejudicou milhares de investidores em diversos países europeus
Imagem da matéria: EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

EUA não têm autoridade para processar trades DeFi, diz advogado do hacker da Mango Markets

Avraham Eisenberg é o trader cripto acusado de drenar mais de US$ 100 milhões da plataforma de negociação Mango Markets