Imagem da matéria: Primo Rico volta a lamentar ter vendido bitcoin em 2014: "Maior erro"
O youtuber de finanças Thiago Nigro, conhecido como Primo Rico (Foto: Reprodução/YouTube)

O influencer da bolsa Thiago Nigro, conhecido como Primo Rico, voltou a afirmar que um dos maiores erros dele como investidor foi ter vendido seus bitcoins em 2014 — uma perda de 38.500%.

“Poderia ter multiplicado o valor investido em quase 400x se eu não tivesse vendido eles”, disse em um post publicado na noite da terça-feira (2) no Instagram, onde tem 4,6 milhões de seguidores.

Publicidade

Em dezembro de 2020, o Primo Rico já havia lamentado a venda do BTC em sua conta no Twitter. “Meu maior acerto em investimentos: Comprar BTC em 2014. Meu maior erro em investimentos: Vender BTC em 2014”, escreveu na época.

O empresário disse ter vendido bitcoin em julho de 2014. Naquela época, a criptomoeda era negociada a US$ 620, segundo o CoinMarketCap. Nesta quarta-feira (3), o BTC é cotado a US$ 35 mil. A valorização no período foi de mais de 5.000%.

Erros na Bolsa de Valores

No post do Instagram, além de lamentar a venda dos bitcoins, o Primo Rico apontou outros dois erros que ele cometeu ao fazer investimentos.

Um deles foi investir na Bolsa de Valores quando tinha 18 anos e nenhum conhecimento sobre o mercado financeiro. “Perdi tudo”, escreveu.

Publicidade

O outro erro foi “ser ganancioso” e, em 2011, estrar alavancado em seis vezes em uma IPO (Oferta Pública Inicial). O passo em falso gerou perdas de -45%, disse.

VOCÊ PODE GOSTAR
Rafael Rodrigo , dono da, One Club, dando palestra

Clientes acusam empresa que operava opções binárias na Quotex de dar calote milionário; dono nega

Processos judiciais tentam bloquear R$ 700 mil ligados à One Club, empresa de Rafael Rodrigo
Tela de celular mostra logo da Comissão de Valores Mobiliários do Brasil CVM

CVM ganhou R$ 832 milhões com multas aplicadas em 2023, um aumento de 1.791%

A autarquia também registrou o maior número de casos julgados desde 2019
homem segura com duas mãos uma piramide de dinheiro

Polícia do RJ investiga grupo acusado de roubar R$ 30 milhões com pirâmide financeira

Para ganhar a confiança dos investidores, a empresa fraudulenta fazia convites para assistir jogos de futebol em camarote do Maracanã