Bandeira da Índia ao lado de moeda de bitcoin quebrada
Foto: Shutterstock

O maior esquema de pirâmide financeira envolvendo criptomoedas da Índia – o segundo país mais populoso do mundo, com 1,38 bilhão de pessoas – parece ser ainda maior do que inicialmente se pensava.

Segundo o portal Onmanorama, o prejuízo causado pode chegar a 1 trilhão de rúpias, o equivalente a US$ 12,8 bilhões.

Publicidade

O criador golpe, Amit Bhardwaj, morreu de ataque cardíaco no início do ano. Ele prometia lucros de 10% ao mês sobre a quantidade de bitcoins que os cliente depositavam em sua plataforma, em contratos de 18 meses de duração.

As autoridades estimam que Amit possa ter juntado algo entre 385 mil e 600 mil bitcoins com o golpe, que se chamava GainBitcoin. Mais de 100 mil investidores foram lesados.

Conforme aponta a reportagem, as investigações mostram que Ajay Bhardway, irmão de Amit, é o herdeiro da fortuna e um dos grandes beneficiários do esquema criminoso.

Quebra de sigilo de wallets

Os investigadores pediram que a Suprema Corte do país quebre o sigilo de Ajay e outros acusados para ter acesso às carteiras de criptomoedas.

Publicidade

As criptomoedas ainda não estão regulamentadas na Índia, com o debate ainda aberto sobre como a lei irá avaliar os ativos.

Diante disso, alguns acusados têm alegado na Justiça que não podem divulgar informações de carteira enquanto o meio não esitiver regularizado.

No caso da GainBitcoin, as autoridades já se adiantaram em dizer que o ocorreu é um crime de pirâmide financeira clássico, independente do meio.

“A investigação conduzida até agora revelou que Amit Bhardwaj (que morreu em janeiro deste ano) com a conivência do peticionário, Vivek Bhardwaj, Mahender Bhardwaj e outros, ou seja, agentes e associados de marketing multinível coletaram 80.000 bitcoins como produto do crime”, disseram.

Publicidade

Regulação cripto na Índia

Existe pouca clareza regulatória no país: anteriormente, o Banco Central (RBI) havia proposto uma proibição para criptomoedas, apesar de, em fevereiro deste ano, legisladores terem aprovado um imposto de 30% sobre ganhos com ativos digitais. O volume negociado despencou drasticamente após a nova lei; o volume na WazirX, a maior corretora do país, caiu 72%.

Além disso, desde o início de abril, empresas na Índia são legalmente obrigadas a declarar suas posses em criptomoedas.

Em fevereiro, Shaktikanta Das, diretor do RBI, havia declarado que criptomoedas privadas são “uma grande ameaça à nossa estabilidade macroeconômica e financeira”.

Imposto cripto indiano

O Parlamento da Índia aprovou no dia 24 de março uma lei de reforma tributária que inclui um imposto de 30% sobre ganhos de capital com bitcoin e criptomoedas.

Além do imposto sobre ganhos de capital, os indianos que fazem transações com criptomoedas também serão tributados em 1% sobre sua renda. Esse tipo de imposto é semelhante ao Imposto de Renda brasileiro. Na índia, é chamado ‘Tax Deducted at Source’ (TDS).

VOCÊ PODE GOSTAR
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
Imagem da matéria: Investidores aproveitam queda do Bitcoin para acumular ainda mais moedas

Investidores aproveitam queda do Bitcoin para acumular ainda mais moedas

As baleias de Bitcoin compraram avidamente a última queda; investidores de longo prazo agora aguardam a próxima alta para realizar lucros
tornado cash 1

Desenvolvedor do Tornado Cash é condenado a 5 anos de prisão por lavagem de dinheiro

“O Tornado Cash, em sua natureza e funcionamento, é uma ferramenta destinada a criminosos”, disse um dos juízes ao condenar Alexey Pertsev
HANDS, memecoin, mãos, rug pull,

Criador de memecoin disse que não tinha mãos, então não conseguiria “puxar o tapete” — ele mentiu

“NoHandsNoRug”, o criador da memecoin HANDS, disse que não aplicaria um rug pull. Adivinha o que aconteceu em seguida?