Agentes da Polícia Federal emoperação contra russos radicados noBrasil
(Divulgação/PF)

A Polícia Federal deflagrou na quinta-feira (4) uma operação contra uma organização criminosa acusada de criar uma criptomoeda fraudulenta e se associar a pirâmides financeiras com criptomoedas no Brasil. Dois investigados foram presos, porém o líder da quadrinha, um cidadão mexicano residente no Brasil, não foi localizado e está foragido.

O mexicano já possui uma condenação transitada em julgado nos Estados Unidos, em junho de 2020, por falsificação de contrato e assinatura falsa, tendo sido condenado a pagar multa de US$ 6 milhões.

Publicidade

A Operação Second Place foi deflagrada para cumprir cinco mandados de prisão preventiva e sete mandados de busca e apreensão nas cidades de Rio do Sul (SC), Itapetininga (SP), Campinas (SP), Cabo de Santo Agostinho (PE), Paulista (PE) e Belmonte (BA). A PF ainda solicitou o bloqueio de bens de nove pessoas físicas e seis de pessoas jurídicas, conforme comunicado para a imprensa.

A operação foi um desdobramento de uma investigação que se iniciou em 2022 e que resultou naquele ano na Operação Technikós. Nesta primeira fase da investigação,  a PF afirmou que o golpe financeiro lesou 400 pessoas, envolvia 15 empresas e gerou um volume de pelo menos R$ 30 milhões. 

Naquela época, as autoridades descobriram que o mexicano, líder do grupo, se apresentava como representante de uma marca italiana de carros e convencia pessoas a investirem em uma criptomoeda criada por ele, divulgada como um projeto oficial dessa empresa de carros.

Já no comunicado de quinta-feira (4), a PF afirma ainda que o líder do esquema se associou a criminosos de outros estados envolvidos em pirâmides financeiras com criptomoedas, que faziam altas movimentações de capital sem autorização do Banco Central ou CVM.

Publicidade

A PF informa que os delitos investigados são associação criminosa, crimes contra o sistema financeiro nacional, estelionato, fraude com utilização de ativos virtuais, valores mobiliários ou ativos financeiros, e evasão de divisas. As penas para esses crimes, se somadas, podem chegar a 21 anos de reclusão.

VOCÊ PODE GOSTAR
Alexander Vinnik sendo escoltado para um tribunal na Grécia em 2017

Fundador da BTC-e se declara culpado de lavar R$ 45 bilhões em criptomoedas

A exchange do russo Alexander Vinnik teria processado entre 2011 e 2017 mais de um milhão de transações de usuários em todo o mundo, incluindo clientes dos EUA
Moedas de bitcoin sob mesa escura com sigal ETF

Manhã Cripto: ETFs de Bitcoin voltam a captar mais US$ 100 mi por dia nos EUA; Ex-diretor da FTX pede 18 meses de prisão

Mercado também começa a se preparar para veredito final da SEC sobre os ETFs de Ethereum à vista
Imagem da matéria: Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Reguladores afirmam que Coinbase não pode obrigá-los a criar regras “do zero” para setor de criptomoedas

Em um processo judicial, a SEC argumentou que a Coinbase não pode exigir que o regulador escreva novas regras para o setor cripto
Imagem da matéria: Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

Trader transforma US$ 27 mil em US$ 2 milhões ao antecipar alta da GameStop

O súbito ressurgimento das ações “memes” nesta semana rendeu uma pequena fortuna aos traders que nunca desistiram das loucuras de 2021