Imagem da matéria: Perfil no Instagram denuncia vendedores de cursos de day trade: "É justiça"
‘Reclame Aqui do Trader’ tem mais de 25 mil seguidores no Instagram. Imagem: Reprodução

“O Reclame Aqui do Trader é um lugar de justiça a quem é enganado por vendedores de promessas e não tem onde recorrer”. A frase é do agricultor Gustavo Melo, que criou no Instagram um canal de denúncias inspirado no site de defesa do consumidor Reclame Aqui, mas voltado só para traders.

Trabalhador do campo no Oeste Paulista, Melo conversou por telefone com a reportagem do Portal do Bitcoin na tarde da sexta-feira (30) enquanto trabalhava no plantio de soja. “Estou aproveitando a fase de chuva”, disse.

Publicidade

A conversa foi rápida, mas ele contou sobre seu canal e explicou o verdadeiro motivo de sua criação em 2019. Ele contou que chegou a fazer três cursos, mas se decepcionou com a maioria. Porém, a real motivação não foi esta experiência.

“A maior motivação para criar o canal foi a frustração de meus amigos com um curso de day trade”, afirmou. “Não foi por mim que criei”.

Reclame Aqui do Trader

Melo disse que toca o canal sozinho; vai respondendo às mensagens conforme vai sobrando tempo entre suas atividades.

“Muitas vezes não dá para responder porque eu sempre dou preferência ao meu trabalho, mas os feedbacks funcionam”, disse.

O Reclame Aqui do Trader, que já possui mais de 25 mil seguidores, pode ser visto como uma ferramenta para servir de referência aos novos traders. Muitos procuram se especializar, mas ainda não têm ideia de como se comporta o ‘outro lado’.

Isso porque muitos vendedores de curso metidos a trader se preocupam mais com o lucro do que com um conteúdo de qualidade para o aluno Quanto a isso, Melo faz a sua parte assim que chega uma reclamação.

Publicidade

“Quando eles respondem eu posto, quando não respondem eu posto também. E se me bloqueiam, faço o mesmo”, explicou. Ou seja, quem denuncia seguindo as regras do canal não fica sem resposta.

Para enviar um feedback negativo, por exemplo, o usuário precisa se atentar às seguintes normas:

  • Ter concluído o curso há pelo menos três meses;
  • Ter o comprovante do curso ou seu certificado, e um email ou recibo que comprove o investimento;
  • Os relatos devem ser somente sobre a experiência no curso e sem ofensas ao mentor;

O canal também recebe feedbacks positivos. Para isso, o interessado em falar bem de um curso deve enviar um relatório de performance em vídeo de três meses, além dos comprovantes e o relato da experiência.

Para diversificar as publicações, Melo conta com a ajuda de pessoas do mercado financeiros que ora ou outra gravam vídeos educativos e de alertas alinhados com a proposta do canal. Esporadicamente, também há sorteio de livros relacionados ao tema.

Exempo dos relatórios feitos pelo canal Reclame Aqui do Trader. Imagem: Reprodução/Instagram

Ameaças de processo

Quem se compromete a fazer um trabalho como o de Gustavo Melo, ainda mais num cenário atual cheio de oportunistas — diga-se falsos traders que vendem cursos —, acaba se expondo a vários tipos de críticas e também de ameaças.

Publicidade

“Já fui ameaçado de processo, mas não levaram a frente. Eu acho que a pessoa resolveu repensar. Isso foi no começo, há mais de um ano”, contou.

Questionado sobre como lidou com as situações, ele disse:

“Eu lidei tranquilo. Isso pra mim é uma causa também. Encarei com tranquilidade. Esperei vir, não veio”.

Melo acredita que as pessoas que o ameaçam de processo acabam desistindo por conta da notoriedade do canal. “O Instagram engaja essas coisas”, comentou.

Segundo ele, esporadicamente também recebe mensagens de pessoas determinadas a montar processo coletivo contra determinado curso e então irem à Justiça.

E faz sentido. Tem vendedor de curso no mercado que abre salas de mentoria com centenas de alunos e acaba não dando conta do recado.

O resultado é a falta de um suporte adequado para ouvir o investidor que muitas vezes desiste do curso mal elaborado e fica no prejuízo.

Publicidade

Day trade no Brasil

A atividade de day trade cresceu muito nos últimos meses no Brasil, principalmente agora durante a pandemia do coronavírus. Com isso, a procura por cursos aumentou e os espertinhos de plantão também não perderam tempo.

A quantidade de cursos oferecidos hoje na internet é incontável. A maioria é oferecida por ‘vendedores de curso’ e não por traders de verdade.

Aliás, o canal de Melo ganhou um notório seguidor, o trader Robson Hayashida do canal Japa Rico em Hong Kong, que comentou sobre as publicações.

O Japa chegou a publicar um vídeo intitulado ‘Ótimo canal pra desmascarar esses traders de meia tigela’ e virou seguidor do Reclame Aqui do Trader.

VOCÊ PODE GOSTAR
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos
Policial algemando suspeito durante a noite

Médico perde R$ 500 mil em criptomoedas após encontro por aplicativo e sequestro; suspeitos são presos

Os sequestradores que aplicaram o famoso ‘golpe do amor’ foram presos rapidamente pela PM de SP; Polícia Civil investiga o paradeiro dos ativos
Banco Central se reunirá hoje com Facebook para debater proibição do WhatsApp Pay

“Inserimos com o Drex o conceito de tokenização nos sistemas dos bancos”, diz Campos Neto

O presidente do BC participa do Emerging Tech Summit, evento do Valor Capital Group em São Paulo
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte