Imagem da matéria: "Pai do Neymar trouxe a Blaze para o Santos e ficou com 10%", diz presidente do clube
Pai de Neymar ao lado do filho (Foto: Instagram/@neymarpai_)

A conexão entre Santos e o cassino Blaze foi feita pela família Neymar, que ficou com 10% do valor do contrato de R$ 45 milhões. As informações foram fornecidas por pelo presidente do clube, Andrés Rueda, durante depoimento para a CPI das Pirâmides Financeiras na tarde desta terça-feira (22). 

O dirigente revelou que a Blaze fez um contrato de R$ 45 milhões para ser a principal patrocinador do clube por dois anos. Desse montante, R$ 25 milhões foram pagos à vista e o restante está sendo em parcelas mensais de R$ 899 mil. 

Publicidade

Rueda foi questionado pelo presidente da CPI, o Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), sobre quem teria levado a possibilidade de contrato. O presidente respondeu que foi o pai de Neymar Júnior, que divulgou o cassino nas suas redes sociais.

“O contrato feito com o Santos foi feito pelo senhor Neymar. Neymar pai. Ele tem um relacionamento amistoso com o clube e foi ele que me ligou e disse: ‘Olha vocês estão precisando de patrocínio, eu tenho um patrocínio aqui que está patrocinando meu filho, o Neymar Júnior, Vocês teriam interesse em conversar com eles?’ Eu prontamente disse que sim. E recebi o pessoal da Blaze”, disse Rueda. 

Blaze e Neymar

Questionado se o pai de Neymar foi pago pelo serviço, o presidente disse que sim e que a comissão foi de 10% (ou seja, R$ 4,5 milhões). Rueda ainda ressaltou que a negociação foi feita por meio da N&N Consultoria, que é a agência de marketing da família Neymar e que essas informações estão no contrato.

Perguntado sobre quem assinou o contrato pela Blaze, Rueda pareceu confuso: “As senhoras Cindy e Lily e a Prolific Trade”. Questionado sobre a sede, disse ser em Curaçao e que não tem conhecimento se o cassino tem algum representante no Brasil.

Publicidade

A Blaze se tornou o grande assunto da internet brasileira no final de maio, após explodir de visualizações um vídeo do youtuber Daniel Penin tentando investigar quem são os donos da Blaze e acusando os influencers de receber por cada perda dos clientes no cassino.

Já existem pelo menos 15 processo judiciais de brasileiros acusando o cassino de roubo. Isso é demontrado em reportagem do Portal do Bitcoin feita em parceria com a rede global de jornalistas que investigam crimes transnacionais OCCRP (Organized Crime and Corruption Reporting Project).

Neymar Júnior está entre os nomes mais conhecidos que promovem a casa de jogos de azar, juntamente com Felipe Neto, Jon Vlogs e Maicon Küster.

O perfil do jogador no Instagram, que conta com 209 milhões de seguidores, limitou no começo de junho os comentários em um post patrocinado pelo cassino online Blaze. A empresa acumula processos na Justiça e é acusada de roubar clientes.

Publicidade

Na época em que o jogador foi anunciado como embaixador da Blaze, em dezembro do ano passado, também foi revelado que haveria um acordo de quatro anos.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

Hacker se arrepende e planeja devolver R$ 365 milhões roubados de investidor de Bitcoin

O autor de um golpe de “envenenamento de endereço” parece estar pensando duas vezes depois de roubar US$ 71 milhões de um grande investidor
Imagem da matéria: Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

Grayscale desiste de lançar um ETF de futuros de Ethereum nos EUA

A gestora parece ter recuado da estratégia de levar a SEC aos tribunais para forçar a eventual aprovação de um ETF de Ethereum à vista
Imagem da matéria: Volume de negociação de 'Notcoin' ultrapassa US$ 1 bilhão no maior airdrop de jogos de 2024

Volume de negociação de ‘Notcoin’ ultrapassa US$ 1 bilhão no maior airdrop de jogos de 2024

Jogo Notcoin, baseado no Telegram, lançou mais de 80 bilhões de tokens para cerca de 35 milhões de jogadores em um airdrop
moeda de bitcoin dentro de armadilha selvagem

CVM faz pegadinha e descobre que metade das pessoas cairia em golpe com criptomoedas

Junto com a Anbima, a entidade criou um site de uma empresa fictícia que simulava a oferta de investimentos com lucros altos irreais