Imagem da matéria: Ostentação no Instagram e encontro com CZ: quem é o promotor de pirâmide homenageado na Câmara do Rio
Reprodução / Instagram

O nome do empresário Kaze Fuziyama está novamente ganhando fama no mercado brasileiro de criptomoedas após receber uma homenagem na Câmara Municipal do Rio de Janeiro como “Personalidade do Ano no Empreendedorismo Internacional”.

Não que seja a primeira vez que ele receba destaque: o nome de Fuziyama já havia se tornado conhecido ao ajudar na divulgação da D9 Club, uma das pirâmides que usava o bitcoin como isca mais lembradas no Brasil e que cujo criador, Danilo Santana, atualmente gosta de ostentar uma vida de luxo em Dubai.

Publicidade

Fuziyama nega envolvimento com a empresa que deu um prejuízo de R$ 200 milhões aos investidores e seu nome completo, Carlos José Souza Fuziyama, não consta em nenhum processo na justiça, conforme apurou o Portal do Bitcoin. Apesar disso, um vídeo antigo no Youtube mostra Fuziyama recebendo um ‘cheque’ de US$ 22 mil como recompensa por sua atuação como divulgador da pirâmide.

Após a D9 Club, Fuziyama submergiu por algum tempo até reaparecer com a abertura da Mining Express, sua própria empresa de mineração em nuvem, com sede na Ucrânia — um suposto investimento de US$ 100 milhões, como indicam reportagens da imprensa local. Fuziyama alega que sua fortuna é oriunda de compras de criptomoedas em fases de lançamento, as chamadas Ofertas Iniciais de Moedas (ICO).

Apesar das alegações, autoridades da Ucrânia sentiram cheiro de fraude e vasculharam de ponta a ponta os negócios de Fuziyama — foram duas visitas da polícia em oito meses no prédio que fica na cidade de Kropivnitskiy, relatou o site HB.

Segundo a publicação, um processo foi aberto para apurar “fraude” e os equipamentos encontrados no local foram apreendidos.

Quem é Kaze Fuziyama

Mas quem é, afinal, o empresário que, entre outras aventuras, também já se encontrou com Changpeng “CZ” Zhao, dono da Binance, maior corretora mundial de criptomoedas?

Publicidade

Em dezembro de 2020, Fuziyama contou um pouco de sua infância, do primeiro emprego e sua trajetória no mundo cripto em uma entrevista ao influenciador Anderson Dias, conhecido como @196sonhos no Instagram — pela façanha de ter visitado 196 países.

O local que se encontraram foi exatamenente na suposta sede da Mining Express, na Ucrânia, quando Dias fazia uma de suas viagens.

Anderson Dias (esquerda) ao lado de Kaze Fuziyama (direita) durante encontro na Ucrânia

Filho de um japonês com uma brasileira, o empresário de 40 anos disse que foi para o Japão com a família quando tinha seis anos de idade e lá passaram por dificuldades financeiras. Ele diz que aos 14 anos já ajudava nas despesas da casa trabalhando em uma pedreira. Adulto, conseguiu um emprego na Honda.

Fuziyama diz que passou a ter olhos para empreendedorismo depois que leu o livro “O Segredo” — best seller da escritora Rhonda Byrne – como forma de “mudar de cenário”. Depois, sem revelar datas, afirma que foi para a área de marketing multinível — estratégia usada pela maioria das pirâmides financeiras —, onde atuou por seis anos, e então começou a acumular dinheiro.

Publicidade

“Investi no lugar certo e isso rendeu mais dinheiro, que hoje resultou nesse investimento que vocês estão vendo”, disse no vídeo, se referindo à Mining Express. Ele também afirmou que ganhou US$ 50 milhões investindo em Dogecoin (DOGE) e que investiu no Bitcoin quando a moeda ainda valia US$ 80 — o que significa que ele teria feito o investimento por volta de 2013.

Aliás, a história contada por Fuziyama é uma das poucas que se tem sobre sua vida. Alguns sites já publicaram matérias sobre seus empreendimentos com conotação de propaganda. Sites locais da Ucrânia, na época em que a empresa de mineração virou assunto, o classificavam como “empresário brasileiro misterioso”.

O que aconteceu com a Mining Express

Sobre os negócios de Fuziyama na Ucrânia, o site local You Control aponta que ele não consta mais como pessoa jurídica no país desde novembro do ano passado e que não deixou dívidas de impostos. Não se tem informação se ainda há algum equipamento ou móveis no prédio da Mining Express.

A mineradora, registrada na Ucrânia em 2018, prometia lucros diários aos investidores. No Brasil, a empresa virou alvo da CVM em 2020, quando passou a oferecer mineração em nuvem a brasileiros.

A entidade entendeu que havia indícios de contrato de investimento coletivo, produto de mercado financeiro que necessita de autorização da autarquia para operar.

Publicidade

Encontro com CZ e homenagem no Rio

No Instagram, onde acumula mais de dois milhões de seguidores, Fuziyama ostenta hoje uma vida de luxo, posando em jatinhos particulares, em festas e viajando pelo mundo.

Há também registros seus ao lado de grandes nomes do mercado cripto, como o CEO da Binance. O encontro de Kaze Fuziyama com Changpeng “CZ” Zhao, aconteceu em um evento da Fantom em um hotel em Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, “restrito para 50 pessoas”.

“Poder conversar com eles e ter dicas de perto foi a melhor parte!”, escreveu sobre a foto tirada em outubro de 2021.

Fuziyama esteve no Brasil no último dia 12 de setembro, presente na Câmara Municipal do Rio de Janeiro para receber uma homenagem.

Intitulada “Honraria de Cruz ao Mérito do Empreendedor Juscelino Kubitschek”, uma medalha e um diploma foram oferecidos para Fuziyama pela “Academia Brasileira de Honrarias ao Mérito” (ABRAHM), braço do ‘Centro de Integração Cultural e Empresarial de São Paulo’ (Cicesp), entidade não governamental com sede no centro da cidade de São Paulo.

Kaze Fuziyama
Kaze Fuziyama (ao centro) recebe homenagem na Câmara Municipal do Rio de Janeiro

Recentemente, Fuziyama também apareceu como um dos patrocinadores de um evento de desafio de rappers chamado ‘Batalha da Aldeia’.

Na semana passada, o Portal do Bitcoin solicitou ao Cicesp informações sobre o evento do dia 12 de setembro, mas até o fechamento deste texto não houve retorno. Já Câmara Municipal do Rio de Janeiro, procurada sobre o assunto, disse que as homenagens daquele dia “não são oficiais da Câmara do Rio nem foram aprovadas pelos parlamentares, ocorrendo apenas a cessão do espaço da Casa, solicitada pelo vereador [Eliseu Kessler]”.

Publicidade

Histórico de pirâmides

Além da D9 Club, Kaze Fuziyama também promoveu a One Thor Brasil. Em 2015, o Ministério Público do Mato Grosso apontou que o negócio tinha indícios de ser uma pirâmide financeira.

No Reclame Aqui e em redes sociais também foram registrados diversos relatos sobre a falta de pagamento para os revendedores. A empresa atuava com diversos produtos, de colchões a celulares.

Quando procurada para comentar a relação com as empresas D9 Club e One Thor, a assessoria de Fuziyama afirmou que ele “não possui qualquer relação com as empresas D9 CLUB e ONE THOR e, sobretudo, jamais teve seu nome vinculado a qualquer demanda judicial e extrajudicial. Esclarece ainda, que todas as suas atividades sempre foram desenvolvidas pautadas na lei, na ética e nos bons costumes”.

VOCÊ PODE GOSTAR
martelo de juiz com logo da binance no fundo

Nigéria retira acusações contra executivos da Binance, mas mantém exchange na mira

Dois executivos da Binance foram afastados das acusações de evasão fiscal por uma agência nigeriana, mas ainda enfrentam um caso de lavagem de dinheiro
Jerome Powell, presidente do Fed, mostrado em tela de computador

Bitcoin cai para a casa dos US$ 67 mil após Fed manter taxa de juros

Jerome Powell afirmou que a busca do banco central dos EUA pela meta de 2% de inflação ainda não acabou
Círculo formado por criptomoedas com bitcoin no centro

Taiwan cria associação de criptomoedas em avanço para autorregulação

24 empresas de criptomoedas que se comprometeram ao combate à lavagem de dinheiro entraram na Associação de Provedores de Serviços de Ativos Virtuais de Taiwan
Ilustração mostra mãos robótica segurando moeda de Bitcoin

Manhã Cripto: Tokens ligados à inteligência artificial ofuscam Bitcoin com ganhos de até 26% no dia

Fetch.ai e SingularityNET surpreendem com ganhos entre 24% e 26% nas últimas 24 horas