Imagem da matéria: Os desafios do Drex dominam discussões no último dia do Blockchain Festival | Opinião
Painel no último dia do Blockchain Festival (Foto: Carlos Eduardo Moura)

No último dia do Blockchain Festival Rio de Janeiro, o tema central do evento não poderia deixar de ser o projeto do real digital, batizado com a nomenclatura Drex pelo Banco Central do Brasil (BCB). Diferente do primeiro dia, cujos painéis exploraram as possibilidades da CBDC impulsionar a cultura web3 para além da bolha, a discussão de quinta-feira (14) se pautou nos aspectos técnicos trazidos ao evento pelos coordenadores do projeto junto aos pilotos e os desafios de implementação.

Pela manhã, a plateia foi presenteada com uma aula dupla: o economista do BCB, Fábio Araújo, apresentou o painel “Presente e Futuro da Moeda Digital Brasileira”, e a coordenadora Clarissa Souza falou sobre a “Gestão do Projeto Piloto Drex”. Ambos mostraram o status atual e as prováveis projeções do andamento da implementação do Drex no dia a dia da economia brasileira.

Publicidade

O meu destaque para ambos os painéis ficou para a didática sobre a exposição de algo tão técnico, e as ressalvas que abordaram tanto em relação à usabilidade quanto às necessárias adaptações dos pilotos à legislação brasileira, em especial nos aspectos envolvendo a privacidade dos dados manuseados.

À tarde, foi a vez das instituições financeiras que estão tocando os pilotos do Drex expor “o que muda, como muda e quando muda” com a chegada do real digital. No palco estiveram representantes de bancos como Bradesco e Itaú Unibanco, além de Sicredi e MB (Mercado Bitcoin). Todos os players fizeram ressalvas na hora de projetar a conclusão da implementação do Drex nas operações digitais, tendo como meta a longo prazo que isso se concretize no fim de 2024 ou início de 2025.

Porém, a importância destes players já estarem preparados para este novo braço da economia é vital, sob pena de ficar para trás em termos de inovação do mercado financeiro. Neste sentido, destaco a fala de Fabricio Tota, diretor de Novos Negócios do Mercado Bitcoin:

“Para nós a grande oportunidade é utilizar todo a expertise no mundo cripto e blockchain que acumulamos ao longo de 10 anos no universo regulado, apoiando o BCB e as outras instituições na utilização dessas tecnologias.”

VOCÊ PODE GOSTAR
mescla de dólares e moedas de bitcoin sobre a mesa

Fundos de criptomoedas captam US$ 2 bilhões na primeira semana de junho

EUA foram responsáveis por quase todo fluxo de entradas dos fundos de criptomoedas, enquanto o Brasil segue com terceiro melhor resultado no acumulado de 2024
Ilustração mostra logotipo Solana à frente de gráfico de trading

Fundação Solana pune validadores acusados de “ataque do sanduíche”

Os ataques do sanduíche (sandwich attacks) vão contra as regras estabelecidas pela Fundação; Entenda
investidor em frente a grafico de baixa - queda

Tokens despencam até 30% após Binance anunciar deslistagem

Corretora anunciou também a listagem do peso colombiano (COP) em sua plataforma no par de negociação com a Tether (USDT)
Tela de celular do Telegram

Depois que Toncoin atinge alta histórica, Telegram lança a moeda “Stars” vinculada ao TON

A moeda no aplicativo, Stars, estará disponível para compra com moeda fiduciária por meio de compras no aplicativo via iOS e Android