Imagem da matéria: Oito pontos para explicar de forma simples a Libra, a moeda virtual do Facebook
Imagem: Shutterstock

A iniciativa de moeda virtual criada pelo Facebook foi finalmente revelada, após meses de especulação. A missão do projeto é “criar uma moeda global e uma infraestrutura financeira que dê poder a bilhões de pessoas”.

Seus criadores dizem também que o objetivo é “reinventar o dinheiro, transformar a economia global, para que as pessoas em todos os lugares possam ter vidas melhores”. É um plano ambicioso, que se bem executado pode transformar a história do dinheiro.

Publicidade

Entenda os principais pontos da iniciativa:

1 – É uma moeda estável

A emissão da Libra é garantida por depósitos de moedas fortes como o dólar. Diferentemente do Bitcoin e a primeira geração de moedas virtuais com valor na confiança do sistema. Dessa forma, a Libra tenderá a ter um valor que varie pouco, o que tornará possível usá-la no dia a dia. Esse tipo de moeda virtual com preço estável é conhecido como stablecoin (moedas estável).

2 – 100 grandes empresas são esperadas em 2020

Facebook criou a Libra, mas ela será mantida por diversas empresas chamadas de membros fundadores. A meta é que estas empresas cheguem a 100 até o meio de 2020. A lista de fundadores abaixo traz nomes de peso, mas notam-se ausências importantes: Nenhum banco está apoiando o projeto, nem gigantes como Google, Apple, ou Amazon:

Os fundadores da associação são:

  • Pagamentos : Mastercard, PayPal, PayU (Empresa de pagamentos do fundo Naspers), Stripe, Visa
  • Tecnologia: Booking, eBay, Facebook, Farfetch, Lyft, MercadoPago, Spotify, Uber
  • Telecomunicações : Iliad e Vodafone
  • Blockchain: Anchorage, Bison Trails, Coinbase e Xapo
  • Fundos: Andreessen Horowitz, Breakthrough Initiatives, Ribbit Capital, Thrive Capital, Union Square
  • ONGs: Creative Destruction Lab, Kiva, Mercy Corps, Women’s World Banking

3 – Facebook criou uma carteira digital para a Libra

Alem de liderar o desenvolvimento da moeda, o facebook criou também a Calibra, uma empresa independente que está lançando seu primeiro produto: uma carteira digital para que você possa usar suas Libras.
O site da carteira é o http://calibra.com

4 -Bolso fundo para ser do time de fundadores

Quer ajudar a manter a rede da nova moeda? É preciso ter bala na agulha para se juntar ao grupo das empresas fundadoras. Algumas dos critérios para as empresas candidatas são:

Publicidade
  • Ter valor de mercado de mais de um bilhão de dólares, ou maior que 500 milhões de dólares em saldos de clientes
  • Ter 20 milhões de clientes e atender mais de um país
  • Ser uma marca reconhecida globalmente, segundo os critérios que eles especificaram

Existem outros critérios para ONGs, empresas de criptomoedas e universidades. Mas é um clube bem seleto.

5 – Governos já estão preocupados

A Fundação Libra vai ter muito trabalho para convencer os legisladores globais. Os governos de França, Alemanha e Estados Unidos, entre outros, já se manifestaram no dia do lançamento da moeda, 18 de Junho, querendo explicações e trazendo preocupações à tona. Na visão destes dois governos é um risco uma empresa que não é financeira se metendo a ser um “banco global”.

6 – Facilidade de uso é chave

O mundo da tecnologia está discutindo se a tecnologia utilizada pela Libra é ou não blockchain, se a moeda é descentralizada ou não e se será aceita ou não.

Acredito que estas discussões são válidas. Mas para mim o principal ponto é: o Facebook, assim como diversas empresas que fazem parte do grupo fundador são famosos por criar produtos muito amigáveis e fáceis de usar.

O mundo das moedas virtuais ainda não conseguiu criar soluções que cheguem ao cotidiano das pessoas. Acredito que a facilidade de uso finalmente será criada no mundo das moedas virtuais graças à Libra.

Publicidade

7 – Mais do que moeda virtual

Dinheiro é só o começo. A Fundação Libra está criando uma estrutura genérica para diversos usos e não apenas moeda virtual. Em seu artigo inicial (whitepaper) eles já falam que criarão um banco de dados de identidades. Ou seja, a mesma estrutura vai ser usada para criar uma espécie de RG mundial, entre outras aplicações.

8 – Dinheiro na mão de todos

Por fim, em meu ponto de vista, ter uma moeda moeda virtual no WhatsApp, Facebook e Instagram tem mais a fazer pela inclusão bancária que qualquer outra iniciativa atual.

Sobre o autor

Rodrigo Batista é o fundador do Mercado Bitcoin, empresa que deixou em janeiro de 2019. É sócio-fundador da nTokens.com, empresa de stablecoins e tokenização de ativos criadora da stablecoin RealVirtual. Trabalhou no mercado financeiro por 18 anos e em 2012 migrou para o mundo cripto.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

Scarpa quer desfecho de ação contra Willian Bigode por golpe cripto: “Já passou da hora”

O jogador do Atlético Mineiro está desde o ano passado atrás dos valores investidos na WLJC Gestão Financeira através de Bigode
Mulher olhando celular com logotipo do paypal

PayPal libera uso de stablecoins para pagamentos internacionais

Empresa explicou que clientes podem converter o PayPal USD (PYUSD) em dólares e enviar dinheiro para 160 países
Senado, Congresso, Câmara dos Deputados, Brasília, Parlamento

Segregação patrimonial no mercado cripto será tema de audiência pública na Câmara

Na justificativa para a audiência, o deputado Aureo Ribeiro disse que práticas adotadas por algumas exchanges despertam “graves preocupações”
Imagem da matéria: Solana sofre congestionamento por operações desenfreadas de bots

Solana sofre congestionamento por operações desenfreadas de bots

Alto número de operações de spam estão fazendo com que a Solana fique mais lenta e que transações não sejam processadas