Imagem da matéria: O que diz a empresa de criptomoedas onde trabalha o jovem baleado em Curitiba
Guilherme Grabarski trabalhava em uma empresa chamada Compralo (Foto: Arquivo pessoal)

A Compralo, empresa de criptomoedas onde trabalha Guilherme Grabarski – curitibano alvo de uma tentativa de homicídio na última terça-feira (6) – disse em nota enviada nesta sexta-feira (9) que está à disposição da polícia e da imprensa para prestar esclarecimentos sobre o caso.

A empresa, sediada em Curitiba, também falou que recebeu com perplexidade a notícia a respeito do atentado contra Grabarski — que trabalhava como diretor-executivo da Compralo há cerca de um ano e meio — e que se solidariza com a família:

Publicidade

“Sentimos muito pelo ocorrido e estamos confiando no trabalho competente da polícia, que desde as primeiras horas após o atentado tem atuado intensamente em busca respostas para tamanha violência. É importante destacar que a empresa está à disposição das forças policiais e da imprensa para colaborar com esclarecimentos que sejam necessários”.

A Compralo disse na nota que está acompanhando de perto o quadro clínico do Grabarski e “alimentando as melhores expectativas”.

Entenda o caso

Na noite de terça-feira (6), Grabarski foi alvo de uma tentativa de homicídio no bairro Campo Comprido. O carro em que estava foi atingido por 10 disparos, feitos por dois atiradores que dirigiam outro automóvel. Um dos tiros acertou a cabeça do jovem, que tem 24 anos.

Logo após o ocorrido, Grabarski foi encaminhado em estado grave para Hospital Evangélico Mackenzie e passou por uma cirurgia. No dia seguinte, ele foi transferido para a UTI, onde segue em estado gravíssimo em cuidados intensivos.

Publicidade

Em conversa com a reportagem do Portal do Bitcoin na quarta-feira (7), o delegado Thiago Nóbrega, da 3ª Delegacia de Homicídios da capital paranaense, disse que o crime foi encomendado.

Estado do carro de Guilherme após os tiros

Leia a nota na íntegra:

Na última quarta-feira, dia 07 de abril, recebemos com muita perplexidade a notícia a respeito do atentado contra o nosso diretor Guilherme Grabarski, fato que está circulando repetidamente nos noticiários televisivos e portais da internet desde então.

Por trás de uma marca existem pessoas e esta carta foi redigida por toda a equipe Compralo, que está unida para passar por este momento difícil e manifestar nosso completo apoio. Somos diretamente liderados pelo Guilherme, que atuava na empresa a mais de um ano, e conhecemos seu trabalho íntegro e, principalmente, sua dedicação à empresa.

Sentimos muito pelo ocorrido e estamos confiando no trabalho competente da polícia, que desde as primeiras horas após o atentado tem atuado intensamente em busca respostas para tamanha violência. É importante destacar que a empresa está à disposição das forças policiais e da imprensa para colaborar com esclarecimentos que sejam necessários.

Publicidade

Nos solidarizamos à família Grabarski, que já conta com o nosso suporte e orações. Nós da Compralo, que somos exclusivamente um meio de pagamento digital, agradecemos as mensagens de carinho dos clientes e apoiadores. Aproveitamos para informar que as nossas atividades continuam em pleno funcionamento, pois sabemos o quanto o nosso trabalho é importante para empresas e pessoas que utilizam os nossos serviços.

Estamos acompanhando de perto o quadro clínico do Guilherme e alimentando as melhores expectativas sobre a recuperação do nosso amigo e diretor. Esperamos anunciar em breve o seu retorno para o dia a dia da empresa.

Assim que recebermos novos posicionamentos e atualizações, publicaremos em nossos canais oficiais. Destacamos novamente que estamos à disposição para esclarecimentos.

Time Compralo

VOCÊ PODE GOSTAR
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
miniatura de homem sob pulpito e moeda gigante de bitcoin ao lado

Brasileiros não podem usar criptomoedas para fazer doações nas eleições municipais

A Procuradoria-Geral da República explicou as regras de doações para as eleições municipais de 2024
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns