Imagem da matéria: Nubank e Chico Rei encerram parceria de vendas de roupas
Um dos modelos de camisetas da coleção Nubank. Imagem/Reprodução

Durou menos de 20 dias a parceria do Nubank com a Chico Rei numa ação de venda de produtos que levava a marca do ‘roxinho’. O lucro, como foi anunciado, seria revertido a dois projetos sociais; um focado na inclusão de pessoas negras na área de tecnologia, outra na de pessoas transgênero.

No entanto, a ação recebeu uma série de críticas nas redes sociais num debate que revelou elogios e reprovação acerca de um argumento do Nubank.

Publicidade

A empresa disse que para criar a ação foi considerado o interesse da comunidade em adquirir os produtos. E precaveu-se ao afirmar que o banco digital não viraria uma marca de moda.

Empresa falou sobre fim da parceria

Procurada nesta quarta-feira (28) para comentar o assunto, a assessoria da Chico Rei confirmou que o fim da parceria ocorreu no dia 21/10 e em comum acordo com o Nubank e a venda dos produtos foi suspensa.

Em nota — em consonância com a fintech — a Chico Rei escreveu.

“Reafirmamos, em cumprimento ao compromisso firmado no anúncio da parceria, que o Nubank irá destinar aos projetos AfroPython e EducaTRANSforma os valores referentes ao lucro (royalties) obtido durante o período das vendas”. 

Disse ainda que a empresa se compromete a seguir apoiando as iniciativas acima e reafirma seu compromisso com causas sociais, com esforços contínuos nessa direção.

Publicidade

Sobre o valor das vendas enquanto durou a ação e qual o valor seria doado às instituições, as empresas disseram que “não abrem os dados”.

Nubank recebeu várias críticas

No mesmo dia do anúncio vieram as primeiras críticas e elogios acerca da ação. No Linkedin, a influencer e consultura LGBT+ Maira Reis expôs sua opinião.

“Da série: como fazer propaganda de graça para uma empresa milionária e ainda pagar para ela”, escreveu

Nos comentários, o usuário Caio Henrique Oliveira Andréa não viu nada demais. A contrário de Reis, ele disse que amou a ação e ironizou:

“Tô fechando meu carrinho de compras aqui, já volto”.

Reis rebateu:

“O problema é o discurso de marketing, é dizer que a comunidade pediu ao invés de assumir o protagonismo da ação. O problema é você ter grana para bancar um projeto social, mas jogar para o seu consumidor pagar a sua ação e voltar para você o branding”. O assunto também entrou em debate no Facebook e Twitter.

VOCÊ PODE GOSTAR
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Sunny Pires surfando

Surfista brasileiro recebe patrocínio em criptomoedas de comunidade web3

Sunny Pires, de 18 anos, embarca neste mês em expedição à Nicarágua com apoio da comunidade web3 Nouns
busto de homem engravatado simulando gesto de pare

CVM proíbe corretora de criptomoedas e forex de captar clientes no Brasil

O órgão determinou, sob multa diária de R$ 1 mil, a imediata suspensão de qualquer oferta pública de valores mobiliários pela Xpoken