Imagem da matéria: Nubank lança coleção de roupas e ação provoca debate nas redes sociais
Um dos modelos de camisetas da coleção Nubank. Imagem/Reprodução

O Nubank lançou nesta semana uma coleção de roupas e acessórios em parceria com a plataforma de vendas Chico Rei. Segundo a empresa, todo o lucro gerado com as vendas será destinado para projetos sociais. No entanto, a ação fez surgir um debate, tanto com elogios quanto com críticas, nas redes sociais.

No anúncio, publicado na quinta-feira (01) no blog do banco, a empresa argumenta que para criar a ação foi considerado o interesse da comunidade em adquirir os produtos.

Publicidade

“Nas nossas redes sociais e comunidade sempre recebemos mensagens de pessoas interessada em adquirir artigos que as ajudem a expressar por aí os valores da marca. Decidimos que era o momento de todo mundo, no Brasil inteiro, ter acesso à eles”, escreveu.

A empresa também tentou precaver-se de possíveis críticas negativas, negando que seu nome viraria uma marca de moda e que coleção seria por tempo limitado. Segundo o artigo, alguns de seus produtos sempre estiveram disponíveis em sua sede, em São Paulo.

Coleção Nubank

No mesmo dia do anúncio vieram as primeiras críticas e elogios acerca da ação. No Linkedin, a influencer e consultura LGBT+ Maira Reis expôs sua opinião.

“Da série: como fazer propaganda de graça para uma empresa milionária e ainda pagar para ela”, escreveu. No post, um print de uma oferta de camisetas revelam seus preços, que vão de R$ 69,90 a R$ 84,90.

Publicidade

Nos comentários, o usuário Caio Henrique Oliveira Andréa não viu nada demais. A contrário de Reis, ele disse que amou a ação e ironizou:

“Tô fechando meu carrinho de compras aqui, já volto”.

Reis rebateu:

“O problema é o discurso de marketing, é dizer que a comunidade pediu ao invés de assumir o protagonismo da ação. O problema é você ter grana para bancar um projeto social, mas jogar para o seu consumidor pagar a sua ação e voltar para você o branding”.

Comentários no Facebook e Twitter

O assunto também entrou em debate no Facebook.

“Acho que eu morro de desgosto se um dia meu filho comprar uma roupa com a logo de um banco”, comentou um usuário na publicação de Nelson Ricardo, do RJ.

Reprodução/Facebook

No Twitter teve usuário que comemorou;

Reprodução/Twitter

Refletiu;

Reprodução/Twitter

e criticou.

Reprodução/Twitter

Lucro será doado

Para Cristina Junqueira, cofundadora do Nubank, “essa coleção é não somente uma resposta aos inúmeros pedidos por produtos com nossa assinatura, mas também uma forma de ajudar as pessoas a poderem expressar esse mesmo sentimento que move a gente todos os dias”.

Publicidade

Ainda de acordo com o artigo, todo o processo de compra e distribuição dos produtos será feito pela plataforma Chico Rei. As estampas, completou, “refletem a nossa forma de pensar”.

Ao final, o banco disse que acredita que “a revolução precisa começar por dentro” e que todo o lucro arrecadado será destinado para duas instituições — AfroPython e EducaTRANSforma. “100% do lucro”, frisou. 

Sobre as instituições beneficiadas, a AfroPython é um movimento focado na inclusão e ascensão profissional de pessoas negras na área de tecnologia da informação.

Do mesmo modo, o EducaTRANSforma, só que focada na capacitação de pessoas transgênero.

A ação acontece ao mesmo tempo em que o Nubank expande suas operações ao extremo norte da América do Sul. Na mesma quinta-feira, a empresa anunciou que vai expandir as operações para a Colômbia.

Além de Brasil e México, este é o terceiro país da América Latina no qual a fintech com mais de 30 milhões de clientes fincou sua bandeira.

Publicidade
VOCÊ PODE GOSTAR
moeda e notas pendurada em um varal

Operação contra maior milícia do RJ revela que suspeitos compravam Bitcoin para lavar dinheiro

Fonte do dinheiro movimentado pelos suspeitos seria oriundo de grilagem de terras, extorsão contra comerciantes e exploração do transporte
Imagem de Glaidson Acácio dos Santos, mais conhecido como Faraó do Bitcoin

Gilmar Mendes mantém prisão de Glaidson Acácio dos Santos, criador da GAS Consultoria

A defesa do ‘Faraó do Bitcoin’ alegou problemas psiquiátricos e uso de medicamento controlado, além de questionar a jurisdição acerca da competência para os processos
Fotos dos equipementos de mineração de criptomoedas operados com furto de eletricidade em Canela, RS

Polícia Civil do RS fecha fazenda de mineração de criptomoedas que lucrava R$ 400 mil por mês

Além de crime de furto de energia, casal preso responderá por porte ilegal de arma e lavagem de dinheiro
Homem preso com as mãos algemadas nas costas

Polícia do Rio prende suspeitos de integrar quadrilha especializada em golpes com criptomoedas

Operação ‘Investimento de Araque’ foi deflagrada nos estados do Rio, Amazonas e Pará; suspeitos movimentaram mais de R$ 15 milhões em dois anos