Imagem da matéria: Nigéria ganha primeiro caixa eletrônico de bitcoin
Foto: Shutterstock

A Nigéria ganhou seu primeiro caixa eletrônico de bitcoin que foi desenvolvido pela empresa Blockstale. A máquina, que já entrou na lista do Coin ATM Radar, se encontra instalada na antiga capital nigeriana, Lagos, um dos maiores centros comercial do país.

No entanto, quem ganhou o destaque em vários jornais da região foi o CEO da empresa, Daniel Adekunle. Ele foi o responsável pela desenvolvimento, construção e adaptação do equipamento em Shenzhen, na China.

Publicidade

O processo de logística demorou cerca de dois meses, relatou o site Weetracker.

“Há cerca de três anos trabalho com hardwares, softwares e firmwares baseados na tecnologia blockchain. Eu tinha em mente o meu povo, pois eles são um pouco rígidos quando se trata de inovação e interação com dispositivos de alta tecnologia”, disse ele ao jornal.

Segundo a reportagem, Adekunle afirmou que o Bitcoin ATM da Blockstale possui um sistema de alarme, um rastreador remoto e scanner, o que não o deixa muito vulnerável a roubo ou vandalismo.

De acordo com as imagens de um vídeo publicado pela Blockstale no Youtube, um usuário levou menos de um minuto para realizar uma operação de compra. No Instagram, outro vídeo mostra um cliente vendendo bitcoin e sacando em dinheiro.

Bitcoin para Africa

O caixa eletrônico, batizado de ‘BTM’ pela Blockstale, foi lançado em novembro do ano passado, mas só entrou em operação em dezembro.

Publicidade

Apesar de ter o mercado mais quente para o comércio de criptomoedas na África, a Nigéria ainda não contava com um recurso como esse.

O problema, diz o jornal, seria por conta da falta de segurança dos equipamentos, vista como uma das causas para a falta de investimento no setor.

Por isso, a Blockstale queria um design e um sistema de máquina que se encaixasse perfeitamente na realidade do país, com um sistema forte de segurança.

“Eu sei que há uma escassez dessas máquinas na Nigéria, e é por isso que, devagar, vamos preencher essa lacuna, disse o diretor.

Publicidade

O produto já foi criado. Agora a empresa espera por parcerias para aumentar o número de máquinas no país.

Daniel Adekunle disse que o valor de uma ‘BTM’, como assim a batizou, vai depender da localização, mas o valor para venda fica entre US$ 13 mil e US$ 16 mil.

“Estamos realmente empolgados em receber mais empresas de tecnologia no espaço da BTM, pois a Blockstale fez história na Nigéria e na África em geral. Esperamos que essa grande inovação estruture nossa economia e abra mais oportunidades para nossos jovens e empresários”, concluiu.

ATMs de Bitcoin

De acordo com o Coin ATM Radar, já são mais de 7.000 pontos de compra e venda de bitcoin por meio de caixa eletrônico.

Eles estão espalhados em 75 países. Os EUA lideram o ranking com mais de 5.000 pontos.


Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br

VOCÊ PODE GOSTAR
Ilustração mostra mapa do Brasil com pontos ligados em blockchain

Banco Central, UFRJ, Polkadot e Ripple se unem para aprofundar pesquisas sobre interoperabilidade entre blockchains e DREX

A Federação Nacional de Associações dos Servidores do Banco Central (Fenasbac) antecipa…
Celular com logo do Pix sob bandeira do Brasil

Pix: Um catalisador para o futuro das finanças descentralizadas no Brasil? | Opinião

Para o autor, o Pix, combinado com os princípios das finanças descentralizadas e conceitos de dinheiro programável, poderia abrir caminho para uma nova era de inovação financeira
CEO do MB Reinlado Rabelo em evento da CVM na USP

“A Bolsa é sim lugar de startups”, diz CEO do Mercado Bitcoin em evento da CVM

Reinaldo Rabelo participou do evento do “Tecnologia e Democratização dos Mercados de Capitais no Brasil”
Antônio Neto Ais e Fabrícia Campos, casal que lidera a Braiscompany (Foto: Reprodução/Instagram)

MPF faz nova denúncia contra donos da Braiscompany e doleiro por lavagem de dinheiro

Antônio Neto e Fabrícia Farias realizaram operações financeiras de grande porte com características de lavagem de dinheiro em pleno colapso da pirâmide