Imagem da matéria: “Muitas pessoas previram o colapso da LUNA", diz pioneiro do bitcoin
(Foto: Shutterstock)

Charlie Shrem, pioneiro do bitcoin, compareceu ao Festival de Cinema de Cannes esta semana para lançar o projeto cripto de financiamento cinematográfico “Defiine” — e ele tinha alguns comentários para fazer sobre o colapso da criptomoeda LUNA e da stablecoin UST, tokens do projeto Terra.

“Acredito que muitas pessoas previram o que aconteceria com Terra e LUNA”, contou ele ao Decrypt. “Mas, no fim das contas, já que estávamos em um mercado de alta, isso acaba servindo como um exemplo de nossa indústria.”

Publicidade

Ele fez uma distinção entre stablecoins lastreadas em ativos, como usd coin (USDC) e tether (USDT) — apesar de a Tether continuar sendo pouco transparente em relação a suas reservas — e stablecoins algorítmicas, como a UST.

Stablecoins algorítmicas, segundo ele, “foram testadas muitas vezes nos últimos dez anos; até em 2014, as pessoas estavam tentando teorizar diferentes ideias”.

Ele acrescentou: “A Tether foi lançada por um motivo, mas perceberam que você não pode criar uma stablecoin [UST] lastreada pelo mesmo tipo de ativo especulativo [LUNA] pois, quando uma começar a cair, as pessoas vão começar a vender uma pela outra.”

Financiamento cinematográfico com criptomoedas

Defiine, o mais novo projeto de Shrem, é baseado em stablecoins. Apresentado como uma solução financeira e digital para filmes independentes, alavanca “ativos e propriedade intelectual com pools de liquidez cripto”.

Publicidade

“Encontramos uma forma de possivelmente criar uma stablecoin que seja lastreada em uma cesta de NFTs [tokens não fungíveis]”, explicou Shrem.

“O NFT é uma garantia por um crédito fiscal ou uma garantia mínima do filme, um acordo [entre um produtor independente e um estúdio cinematográfico] ou a Netflix dizendo: ‘Te daremos US$ 3 milhões quando você terminar o filme e ao longo de três anos’. Atualmente, existem bancos que fazem isso, mas cobram 15% ou mais.” É um “enorme problema” para cineastas.

“Existe uma nova fase das stablecoins vindo por aí: Stablecoins 2.0”, afirmou Tom Malloy, cofundador da Defiine, e presidente da Glass House Distribution. “Você viu o que aconteceu com a UST. A moral da história é que stablecoins lastreadas em ativos… Eu ainda acho que sejam viáveis.”

Shrem argumentou que, nos últimos anos, todo o setor de Finanças Descentralizadas (ou DeFi, na abreviatura em inglês) gira em torno de rendimentos.

Publicidade

“Você vai no Vesper ou no Curve, é possível criar ‘vaults’ e obter uma formação automatizada de mercado, mas todos os rendimentos que as pessoas estão conseguindo, entre 5% e 60% — Quais são as empresas por trás deles?”.

A garantia de segurança de ativos físicos, como em câmaras, atraem a possibilidade de regulamentações de valores mobiliários, junto com custos, como os de manutenção, segundo ele.  “Qual outro ativo é digital, tem valor e é a maior exportação dos Estados Unidos? A indústria cinematográfica.”

Malloy sugeriu que a plataforma pode oferecer um caminho alternativo ao financiamento de crédito fiscal para filmes. Por um crédito fiscal de 25%, um filme de US$ 1 milhão de dólares poderia recuperar US$ 250 mil.

“Existem lugares em que você precisa terminar o filme e esperar outros nove meses. Existem lugares que emprestam o dinheiro, mas é apenas um empréstimo com uma alta taxa de juros. Talvez te darão 85% desse dinheiro. Temos taxas de juros bem melhores e a diferença é que pessoas vão ter uma stablecoin, então qualquer pessoa pode fazer parte do pool de liquidez.”

Shrem argumentou que a plataforma soluciona os “enormes problemas de liquidez” para cineastas. “Não é como se fosse: ‘Me dá US$ 100 mil e eu vou fazer um filme’. É: ‘Eu tenho um roteiro. Tenho atores selecionados. Tenho um diretor…’. Por que não conseguir colocar isso em um protocolo? Você está criando um ativo digital de qualquer forma.”

Publicidade

A plataforma Defiine está sendo desenvolvida usando Mintlayer, uma sidechain (blockchain paralela) do Bitcoin para tokenização e contratos autônomos.

Shrem e o bitcoin

Shren tem um longo histórico com o Bitcoin e é considerado por maximalistas como um dos pioneiros (e mártires) da comunidade. Em 2014, aos 24 anos de idade, ele foi sentenciado a dois anos de prisão por auxiliar e encobrir a operação de uma empresa não licenciada de transmissão de dinheiro envolvida com o mercado da dark web Silk Road.

Desde então, ele se reinventou como um defensor cripto por meio de palestras e seu podcast “Untold Stories”.

À medida que stablecoins enfrentam ainda mais críticas de instituições financeiras e legisladores após a implosão do Terra, vender às pessoas a ideia de uma stablecoin com paridade à propriedade intelectual cinematográfica pode ser um teste para comprovar suas habilidades.

andre franco

*Traduzido por Daniela Pereira do Nascimento com autorização do Decrypt.co.

VOCÊ PODE GOSTAR
Imagem da matéria: Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

Manhã Cripto: Ethereum (ETH) decola 20% com expectativa para aprovação de ETFs nos EUA

A animação dos investidores fez aumentar em 219% o volume de negociação do Ethereum nas últimas 24 horas
Cofre dourado no formato de baleia receb moedas shiba inu SHIB

Baleias voltam a encher os bolsos de Bitcoin, mostra análise

A acumulação acelerada de baleias é um sinal de que o mercado altista do Bitcoin ainda está ativo
Bitcoin em gráfico de alta com seta azul apontado para o alto

Traders esperam que Bitcoin supere a máxima de US$ 74 mil em breve

“Esperamos um impulso de alta aqui que pode nos levar de volta às máximas de US$ 74 mil”, disse a QCP Capital sobre o momento do Bitcoin
Celular com o logo da CVM e notebook aberto no site da Comissãod e Valores Mobiliários

CVM reconhece ativo de blockchain como token de pagamento

Dynasty Global AG recebeu na última semana a classificação do D¥N como um token de pagamento pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM).