Imagem da matéria: MP da Bahia diz que DD Corporation colocou clientes sob risco grave e iminente de prejuízo
De Ferrari em Dubai, paradeiro do criador da empresa, Leonardo Araujo, é desconhecido (Foto: Arquivo pessoal)

O Ministério Público da Bahia (MPBA) apresentou uma Ação Civil Pública contra a DD Corporation e o seu responsável Leonardo Gusmão Araújo, pela suspeita de atuarem em esquema fraudulento com o uso de criptomoedas

De acordo com a nota expedida pelo MPBA na última sexta-feira (06), a DG Cursos de Trader Ltda e DD Corporation, por meio de seu presidente Leonardo Araújo. Além de fazer oferta pública investimentos sem a autorização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM), a empresa induzia investidores a aportar capital numa “estrutura insustentável de negócios no modelo marketing multinível e não informaram aos consumidores os riscos de arbitragem de Bitcoins”.

Publicidade

A promotora de Justiça Joseane Suzart argumentou na ação apresentada na quinta-feira (05) que ao invés das empresas e do seu responsável mostrarem os riscos do negócio, trabalhavam com a total falta de transparência e faziam promessas de ganhos fáceis num mercado de altamente arriscado.

“Um ‘grave e iminente’ risco de prejuízos patrimoniais, em razão da falta de transparência, cláusulas abusivas e ocultações de informações”, diz o texto.  

DD Corporation na mira do MP da Bahia

Suzart pediu, então, à Justiça uma liminar para suspender atividades da DD Corporation, suspeita de atuação fraudulenta com criptomoedas, pelo fato de ela não possuir autorização da CVM para atuar no mercado.

Também em sede de liminar, foi pedido pela promotoria baiana que fosse interrompida a “oferta e realização do Marketing Multinível, em vista do modelo negocial ser comprovadamente insustentável, concedendo aos consumidores afiliados expectativas irreais de ganhos fáceis”.

Publicidade

Se a Justiça atender o pedido liminar da Promotora, a DD Corporation não poderá mais “realizar ofertas de investimentos com base em criptomoedas (bitcoins), assegurando aos consumidores ganhos fraudulentos e inalcançáveis, gerando-lhes falsas expectativas e ocultando-lhes os riscos do empreendimento ilícito”.

Suzart requereu também que a Justiça decrete a nulidade das cláusulas abusivas. De acordo com ela a DD Corporation trazia diversas Cláusulas abusivas no contrato de adesão (Termos e Condições de Uso do Next) para realização de investimentos no seu robô de arbitragem.

O Ministério Público apontou que numa dessas, a cláusula quinta, a empresa chega até mesmo a estabelecer multa contratual rescisória e “taxa de administração” caso o consumidor retire os valores investidos antes do prazo de 1 ano, totalizando 35% do valor sacado.

Falta de transparência

Segundo consta na nota divulgada pelo MPBA, a promotora afirmou que a DD Corporation não tinha sequer um Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC), “embora fosse obrigada a ter por está submetida à regulação da Comissão de Valores Mobiliários (CVM)”. 

Publicidade

A DD Corporation ainda, segundo a promotora, deixou de passar aos seus investidores informações concernentes às operações realizadas pelo robô Next, o que reforça ainda mais a tese de que a companhia vinha trabalhando sem qualquer transparência com seus clientes.

“A empresa não forneceu informações adicionais através de seu sítio eletrônico ou redes sociais, apenas apresentando supostas comprovações dos lucros que estavam sendo gerados, mas sem constar em que casa de câmbio a operação foi feita, o volume movimentado ou o rendimento bruto da operação antes de serem aplicadas as taxas e comissões”.

DD Corporation na Abranetwork

Apesar de tudo isso, a DD Corporation é uma das empresas em processo de aprovação para a “obtenção do selo 100% legal de Multinível” da Abranetwork (Associação Brasileira de Network Marketing).

De acordo com essa Associação, esse selo representaria uma etapa seguinte à associação:

“Associar-se não significa deter o “Selo Multinível Legal”, que ocorre em fase posterior, a critério e às expensas da empresa que o deseja, segundo a vontade dos seus sócios e administradores, e não da Abranetwork, exigindo um acompanhamento de longo período e uma transparência em diversos critérios”.

O fato estranho é que a DD Corporation não está mais na lista de associados. Em pesquisa feita pela reportagem, sobre a versão do site da Abranetwork em outubro de 2019, constavam a DD Corporation e a 18k Ronaldinho.

Publicidade

Compre Bitcoin na Coinext 

Compre Bitcoin e outras criptomoedas na corretora mais segura do Brasil. Cadastre-se e veja como é simples, acesse: https://coinext.com.br


VOCÊ PODE GOSTAR
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM aplica multa de R$ 680 mil em corretora promovida por Ronaldinho Gaúcho

Promovida pelo ex-craque da Seleção, Ronaldinho Gaúcho, a Olymp Trade prometia retornos de até 92%
Close na mão de candidato preenche gabarito com lápis preto

Novo concurso do BNDES pede conhecimento em criptomoedas e blockchain; Salário é de R$ 20,9 mil

São 900 vagas para vários cargos, incluindo cadastro de reserva e cotas para candidatos negros e pessoas com deficiência
mão segura celular com logo do whatsapp

WhatsApp pirata pode estar minerando criptomoedas no seu celular sem você saber

Conhecidos como WhatsApp GB, Aero e Plus, as cópias não autorizadas do app oficial da Meta podem abrir portas para vazamento de mensagens, fotos e áudios, dizem especialistas
Ronaldinho Gaúcho em vídeo promovendo Olymp Trade

CVM julga hoje a Olymp Trade, corretora proibida no Brasil promovida por Ronaldinho Gaúcho

A plataforma forex prometia retornos de até 92%